Concurso do Senado é autorizado. Salários chegam a R$ 32 mil

Segundo a publicação do Diário Oficial da União, serão ofertadas 40 vagas efetivas além da formação de cadastro de reserva

Marcos Oliveira/SenadoMARCOS OLIVEIRA/SENADO

O Diário Oficial da União desta quinta-feira (03/10/2019) trouxe uma boa notícia para quem luta por uma vaga no serviço público. O concurso para o Senado Federal foi autorizado. Segundo a publicação, serão ofertadas 40 vagas efetivas além da formação de cadastro de reserva. Ainda não há data e banca para a realização do certame. Os salários chegam a R$ 32 mil.

Confira como será a distribuição das vagas:

  • Técnico Legislativo, Nível II, padrão 21, na especialidade Policial Legislativo, com requisito de escolaridade de nível médio: 24 vagas;
  • Advogado, Nível III, padrão 41, na especialidade Advocacia, com requisito de escolaridade de nível superior: quatro vagas;
  • Analista Legislativo, Nível III, padrão 36, na especialidade Administração, com requisito de escolaridade de nível superior: duas vagas;
  • Analista Legislativo, Nível III, padrão 36, na especialidade Arquivologia, com requisito de escolaridade de nível superior: uma vaga;
  • Analista Legislativo, Nível III, padrão 36, na especialidade Assistência Social, com requisito de escolaridade de nível superior: uma vaga;
  • Analista Legislativo, Nível III, padrão 36, na especialidade Contabilidade, com requisito de escolaridade de nível superior: uma vaga;
  • Analista Legislativo, Nível III, padrão 36, na especialidade Enfermagem, com requisito de escolaridade de nível superior: uma vaga;
  • Analista Legislativo, Nível III, padrão 36, na especialidade Informática Legislativa, com requisito de escolaridade de nível superior: uma vaga;
  • Analista Legislativo, Nível III, padrão 36, na especialidade Processo Legislativo, com requisito de escolaridade de nível superior: duas vagas;
  • Analista Legislativo, Nível III, padrão 36, na especialidade Registro e Redação Parlamentar, com requisito de escolaridade de nível superior: uma vaga;
  • Analista Legislativo, Nível III, padrão 36, na especialidade Engenharia do Trabalho, com requisito de escolaridade de nível superior: uma vaga;
  • Analista Legislativo, Nível III, padrão 36, na especialidade Engenharia Eletrônica e Telecomunicações, com requisito de escolaridade de nível superior: uma vaga.


Último concurso

A seleção mais recente do Senado ocorreu em 2011 e foi organizada pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O edital previu 246 vagas imediatas para os níveis médio e superior, nas carreiras de técnico, analista e consultor legislativo. Mais de 157 mil candidatos se inscreveram.

A carreira tem uma das remunerações mais altas de todo o funcionalismo público. Apesar dos vencimentos básicos ficarem entre R$ 2 mil e R$ 6 mil, as gratificações de função legislativa elevam os salários a patamares muito superiores.

Os cargos que exigem nível médio têm salário inicial de R$ 13,8 mil. Os graduados podem concorrer a analista, com rendimento de R$ 24,7 mil, e a consultores, que podem receber até R$ 32 mil mensais desde o começo da carreira.

Servidores
Do total de 8.736 profissionais que trabalham na Casa, 75% são comissionados ou terceirizados. Os servidores efetivos somam 2.130, e 25% deles atendem aos requisitos necessários para aposentadoria – podem deixar seus postos a qualquer momento. Fora isso, mais de 1,2 mil cargos aguardam concurso público para serem preenchidos.

Em situação semelhante, está a área de informática. Dos 250 analistas, faltam 67 para completar o quadro. Entre os técnicos, 27 estão dando conta do trabalho de 105. Para a administração, estão vagos 43% dos cargos de analistas e 40% dos técnicos: um total de 248 profissionais a menos para cumprir as atividades.

Entre os consultores, cargo com melhor remuneração, o caso mais grave é de assistência legislativa. Há 41 vagas, seguido de quem cuida dos orçamentos, com 9 vagas. Os policiais legislativos – atribuição que exige nível médio e atrai muitos interessados – têm 198 postos preenchidos e 162 vagos.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Metropoles