O filho do presidente vai perder a liderança do PSL e todas as cadeiras que ocupa nas comissões temáticas da Câmara

Eduardo Bolsonaro (Foto: Marcelo Camargo/ABR)

           EDUARDO BOLSONARO (FOTO: MARCELO CAMARGO/ABR)

Eduardo Bolsonaro ficará suspenso por um ano, decide PSL

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi punido pelo PSL e ficará um ano sem exercer atividades partidárias. A decisão foi confirmada nesta terça-feira 3 e decorre do envolvimento do filho do presidente e outros 17 parlamentares na tentativa de afastar o presidente do partido, Luciano Bivar (PE), do comando da sigla. 

Ao todo, 18 parlamentares assinaram a lista que pedia a saída de Bivar. As punições vão de advertência até suspensão das atividades partidárias por 12 meses e foram recomendadas pela Executiva Nacional da legenda na semana passada. Nesta terça-feira, o diretório homologou as punições.

Na prática, o filho do presidente vai perder a liderança do PSL e todas as cadeiras que ocupa nas comissões temáticas da Câmara. O parlamentar só mantém o comando da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (Creden) até o final do ano porque foi eleito presidente, mas está proibido de concorrer em 2020.

Todos os 18 deputados punidos fazem parte da ala bolsonarista do partido. A crise entre Bolsonaro e o comando do PSL se acentuou no começo de outubro, quando o presidente orientou um apoiador a esquecer Bivar que, na opinião dele, está “queimado”. Bivar disse que a fala era “terminal” na relação entre Bolsonaro e o partido pelo qual o ex-capitão foi eleito presidente da República.

Após várias tentativas sem sucesso de tirar Bivar do comando da sigla, Bolsonaro decidiu sair do PSL e criar seu próprio partido, o Aliança Pelo Brasil, que aguarda as assinaturas necessárias para ser oficializado.

Pela decisão do comando do PSL, estão suspensas as atividades partidárias de:

  • Bibo Nunes: 12 meses
  • Alê Silva: 12 meses
  • Bia Kicis: 6 meses
  • Carla Zambelli: 6 meses
  • Carlos Jordy: 7 meses
  • Daniel Silveira: 12 meses
  • Eduardo Bolsonaro: 12 meses
  • General Girão: 3 meses
  • Filipe Barros: 6 meses
  • Junio Amaral: 3 meses
  • Luiz Philippe de Órleans e Bragança: 3 meses
  • Márcio Labre: 6 meses
  • Sanderson: 10 meses
  • Vitor Hugo: 7 meses

Outros quatro deputados foram punidos com advertência. São eles:

  • Aline Sleutjes
  • Chris Tonietto
  • Hélio Lopes
  • Coronel Armando

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Carta Capital