Desemprego, isolamento e máscaras mudam comportamento dos brasilienses

Dados são de pesquisas de alunos de psicologia, que observaram moradores do DF ao longo da quarentena e mediram sensações em escala de 1 a 5

pandemia causada pelo novo coronavírus não tem estimulado apenas as buscas por uma vacina contra a Covid-19 ou por um remédio eficaz no controle dos sintomas da doença. O comportamento das pessoas, em um cenário de isolamento social e com o uso de tecnologias pouco adotadas até então, também é campo de investigação científica – só que na área de psicologia.

Um dos trabalhos avaliou o medo. Um questionário com 26 perguntas foi elaborado visando computar o impacto desse sentimento nas pessoas durante a crise do coronavírus. “Às vezes, os indivíduos só pensam no lado bom de estarem em casa, protegidos do vírus. Mas há uma influência do isolamento social sobre o medo que não tem sido tão abordado”, explica o estudante Brenno Vitorino, 22 anos.

Ao todo, 223 pessoas responderam o questionário, divulgado em redes sociais. Observando que muitas pessoas têm passado por momentos de ansiedade, o grupo de estudos de Brenno decidiu entender algumas das principais preocupações dos brasilienses.

As maiores apreensões, quando consideradas as respostas abertas, são a possibilidade de contrair a doença e também de perder o emprego.

Confira as impressões dos estudantes sobre o experimento:

Nas questões fechadas, 96,9% dos entrevistados disseram ter medo de perder um familiar infectado pelo coronavírus. Em uma escala de 1 a 5, 63% dos entrevistados classificaram o medo com o cenário pandêmico com notas 4 ou 5, as mais altas disponíveis. “A gente viu muitas pessoas ansiosas ou sem saber o que estão sentindo direito”, aponta Brenno.

No total, 55% das pessoas classificaram com as duas notas mais altas o medo de ficar desempregada. O sentimento é justificado pelo fato de mais de 77% dos participantes da pesquisa conhecerem alguém que tenha passado por essa situação recentemente. O desemprego no DF atinge hoje 333 mil brasilienses, segundo a Companhia de Planejamento do DF (Codeplan).

Confira alguns dos dados:

brasilienses usam máscaras nas ruas do df
Uso de máscaras

Outros alunos decidiram observar o uso de máscaras pelos moradores do DF. Um dos grupos decidiu abordar quem passava em frente ao bloco da estudante Deise Fortes, 40, na Quadra 407 da Asa Sul. Uma vez que o apartamento dela é voltado para o comércio, era possível observar o movimento de moradores e trabalhadores da região.

“Há dois mercados por aqui, fazendo com que ainda tenha um bom movimento para a gente analisar”, explica a aluna. Todos os dias, entre 8h e 9h30, um celular gravava a movimentação de pessoas e os futuros psicólogos analisavam quem usava ou não o item de proteção. “Quem colocava a máscara no queixo ou pendurada na orelha, a gente desconsiderava como uso correto”, esclarece Deise (veja vídeo abaixo).

O trabalho aconteceu entre os dias 8 de abril e 19 de maio. Conforme aponta a aluna, o que mais chama a atenção é traçar um paralelo das decisões do Governo do Distrito Federal (GDF) com a reação de quem anda na rua. “Foi uma crescente. No dia 30 de abril, por exemplo, quando começou a obrigatoriedade do uso das máscaras, mais de 90% das pessoas estavam com ela”, explica.

O número acabou caindo nos dias seguintes e só voltou a aumentar em 11 de maio, data em que o governo anunciou que multaria quem saísse de casa sem o equipamento de proteção.

“Tudo isso mostra uma necessidade de regulamentação. Se não existe uma validação do governo para que algo bom para saúde aconteça, as pessoas não seguem”, analisa Deise.

Saiba mais sobre o trabalho:

Outro grupo de estudantes focou apenas em observar os clientes de drogarias. Foram cinco no Plano Piloto e outra no Guará, onde os alunos anotavam se a pessoa chegava ao estabelecimento de máscara ou não. “Fizemos uma observação antes e depois do decreto que obrigava o uso do item”, explica Vitor Vichmeyer, 21.

Os números surpreenderam pelo grau de adesão maior do que o observado nas ruas, mesmo antes do decreto que obrigava a utilização de máscaras no DF entrar em vigor. Para o estudante, pelo fato de as farmácias remeterem à ausência de saúde pode ter um fator psicológico na hora de o cliente se proteger para entrar no estabelecimento.

“É um local que tem mais chances de ter gente doente, pode funcionar dessa forma o pensamento”, opina.

Veja os resultados:

Alternativa durante a pandemia

De acordo com o professor Ricardo Vasquez, esses e outros trabalhos foram a maneira encontrada para tentar suprir a ausência de aulas presenciais. “Foi uma forma de trazer um tema atual e que mostrou ser possível aos alunos fazer essa adaptação”, explica.

Segundo ele, as pesquisas sobre o uso de máscara mostram que muitas pessoas só agem quando confrontadas com algo palpável, como a possibilidade de serem multadas, por exemplo.

“Como ‘ficar saudável’ não é uma recompensa visível, não é muito clara, muita gente acaba não usando a máscara”, pontua o docente.

No entanto, o medo, para ele, pode ser visto dentro da própria comunidade acadêmica. “Ninguém quer retornar ainda às aulas presenciais. Todo mundo achou que seria mais fácil fazer as coisas de casa, mas não é. O grande risco da contaminação ainda gera esse temor em todos”, conclui.

Fonte: Metrópoles – Por: Matheus Garzon

EG NEWS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here