Ex-prefeito de Nova York liga para Bolsonaro para se ‘desculpar’ por ataques de De Blasio

Presidente brasileiro disse se inspirar na política de ‘tolerância zero’ adotada por Rudolph Giuliani
O presidente Jair Bolsonaro conversa no telefone com o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani Foto: Reprodução/Twitter
O presidente Jair Bolsonaro conversa no telefone com o ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani Foto: Reprodução/Twitter
Bem vindo ao Player Audima. Clique TAB para navegar entre os botões, ou aperte CONTROL PONTO para dar PLAY. CONTROL PONTO E VÍRGULA ou BARRA para avançar. CONTROL VÍRGULA para retroceder. ALT PONTO E VÍRGULA ou BARRA para acelerar a velocidade de leitura. ALT VÍRGULA para desacelerar a velocidade de leitura.

BRASÍLIA — Em meio a uma troca de farpas pública com o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, o presidente Jair Bolsonaro recebeu nesta sexta-feira uma ligação de um ex-prefeito da cidade, Rudolph Giuliani, que é adversário de De Blasio. Segundo o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, Giuliani “desculpou-se pela indelicadeza do atual prefeito” e prometeu vir ao Brasil em breve.

— Hoje a tarde o nosso presidente Jair Bolsonaro recebeu uma ligação do ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani e o prefeito Giuliani desculpou-se pela indelicadeza do atual prefeito de Nova York. Parabenizou o presidente da República Jair Bolsonaro pela vitória e pela condução do governo e se predispôs a nos visitar em breve — disse Rêgo Barros.

Bolsonaro publicou um registro da ligação em uma rede social e disse se inspirar na política de “tolerância zero” aplicada por Giuliani na cidade para reduzir os índices de criminalidade. “Conversamos sobre nossa determinação de restaurar a lei e a ordem no Brasil”, escreveu. Atualmente, Giulianu trabalha como advogado do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

As desavenças entre Bolsonaro e De Blasio começaram em abril, durante a a polêmica sobre a homenagem da Câmara de Comércio Brasil-EUA ao presidente brasileiro. Inicialmente, o prêmio seria entregue ao presidente em Nova York, mas o prefeito deixou claro que o líder brasileiro não seria bem-vindo.

De Blasio acusou o presidente brasileiro de ser “racista, homofóbico e destrutivo” . Bolsonaro rebateu que o prefeito era um radical e recebeu o apoio, entre outros, do vice-presidente Hamilton Mourão , que acusou o líder americano de ofender todos os brasileiros.

O presidente cancelou a visita a Nova York e transferiu a agenda para Dallas, no Texas. Foi substituído no evento de Nova York pelo governador de São Paulo, João Doria, que mandou um recado para De Blasio no discurso e pediu que o americano fosse gentil com o presidente do Brasil.

Fonte: O Globo