Técnico em enfermagem é suspeito de estuprar paciente em UTI

O homem foi preso. Ele tem 49 anos, trabalhava em hospital de Ceilândia havia dois meses e não tinha antecedentes criminais

 

Um técnico em enfermagem de um hospital particular de Ceilândia foi preso na madrugada desta quarta-feira (18/03) por estupro de vulnerável. A paciente, de 47 anos, está em coma e internada na unidade de tratamento intensivo (UTI). A prisão em flagrante foi realizada por agentes da 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia).

O suspeito é casado, tem 49 anos e trabalhava na unidade de saúde havia dois meses. Ele não tinha antecedentes criminais. O fato foi testemunhado por uma funcionária da limpeza e um enfermeiro. Quando os funcionários chegaram, o homem estava com o pênis ereto e a roupa suja de sangue. O técnico em enfermagem negou os fatos.

O suspeito foi conduzido à carceragem e, se condenado, pode pegar até 15 anos de prisão. De acordo com a Polícia Civil do Distrito Federal, há suspeitas de que ele possa ter abusado de outra paciente — caso que ainda será investigado.

Ao Metrópoles, o Hospital das Clínicas informou que o funcionário é ligado a uma empresa que aluga o espaço da UTI. Acrescentou que, apesar do suposto crime ter ocorrido dentro do complexo de saúde, a responsabilidade pela gestão da unidade de tratamento intensivo é da locatária. A reportagem não conseguiu contato com a empresa.
REPRODUÇÃOEm nota, Hospital das Clínicas diz que acusado não é funcionário da unidade de saúde
Em nota, Hospital das Clínicas diz que acusado não é funcionário da unidade de saúde

A assessoria de imprensa da Domed Produtos e Serviços de Saúde informou, por meio de nota, que, ao ser informada sobre a denúncia, “procurou imediatamente a Polícia Civil do DF para noticiar o fato”. Segundo a empresa, o funcionário em questão foi “imediatamente demitido”.

“Esclarecemos ainda que, conforme protocolo de rotina de empresa, antes da contratação do funcionário, foram levantados seus antecedentes criminais não havendo nenhum tipo de apontamento à época. Asseguramos que a segurança dos nossos pacientes é nossa prioridade e que não compactuamos com qualquer tipo de desvio de conduta em nossa UTI”, finalizou a empresa.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Metropoles