Índia perde contato com sonda durante pouso na Lua

7 fatos: Índia a caminho da Lua

Últimas atualizações

“Há altos e baixos na vida. Nós estamos orgulhosos da ISRO [agência espacial indiana]”, diz primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, após cientistas perderem sinal de módulo durante pouso lunar.

“A descida do módulo Vikram estava normal até uma altitude de 2.1 km. Então nós perdemos comunicação. Os dados estão sendo analisados”, diz o chefe da ISRO, Kailasavadivoo Sivan.

Cientistas da ISRO perderam contato com o módulo de pouso a cerca de 1km da superfície lunar. Na sede da agência espacial, especialistas olham apreensivos para os computadores.

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, chega na sede da Organização de Pesquisa Espacial da Índia (ISRO) para acompanhar o pouso da sonda.

Primeiro-ministro Narendra Modi acompanha pouso de sonda indiana na Lua.

Primeiro-ministro Narendra Modi acompanha pouso de sonda indiana na Lua. (Foto: Reprodução/ISRO)

O colunista @cassioleandro explica o atual estágio dos trabalhos e a expectativa.

Vídeo incorporado

Nosso colunista Cássio Barbosa explica um dos pontos principais de interesse do mundo nesta missão indiana:

“Essa será a primeira missão de pouso lunar da Índia, mas também é a primeira missão da história a estudar um dos polos lunares, no caso o polo sul. Os polos são locais de difícil acesso pelas naves, por isso sempre ficou em segundo plano, mas é neles que estão os depósitos de gelo da Lua. Com a ajuda da própria Chandrayaan-1, depósitos de gelo foram encontrados em crateras nos polos da Lua em que a luz do Sol nunca consegue iluminar. Desse jeito, o gelo vindo de cometas que se chocaram com a Lua no passado ainda deve estar lá, intocado. É desse reservatório que missões futuras de colonização devem retirar a água para abastecer as bases. E é esse o interesse do mundo todo nesta missão.”

Em teste, o jipe Pragyan (sabedoria em sânscrito) desce do módulo lunar.

Jipe Pragyan na rampa de descida do módulo Vikram

Jipe Pragyan na rampa de descida do módulo Vikram (Foto: Indian Space Research Organisation – GODL)

Fonte: G1