HSBC vai demitir 35.000 nos próximos três anos após queda no lucro

HSBC vai demitir 35.000 nos próximos três anos após queda no lucro

Agência do banco HSBC em Paris – AFP/Arquivos

O banco britânico HSBC, com forte presença na Ásia, planeja cortar 35.000 postos de trabalho, muito acima do esperado, após a queda expressiva em seu lucro.

Com sede em Londres, mas com presença em boa parte do mundo e particularmente na Ásia, o grupo, que iniciou um ambicioso plano de redução de custos, pretende eliminar 15% de sua força de trabalho.

“Esperamos que o número atual de 235.000 funcionários diminua para algo próximo de 200.000 até 2022”, afirmou o CEO interino do banco, Noel Quinn.

Quinn, à frente do HSBC desde a saída surpreendente de John Flint em agosto, não revelou as regiões que serão afetadas, mas destacou que o número de demissões será considerável no Reino Unido.

O grupo anunciou no ano passado a redução de 2% de sua força de trabalho, o que representa 4.700 funcionários.

O HSBC planeja uma reorganização profunda, com o reforço das atividades na Ásia e Oriente Médio, considerados mais rentáveis, em detrimento do banco de investimentos na Europa e Estados Unidos.

“Projetamos reduzir nosso capital e nossos custos nas atividades com resultados decepcionantes para poder prosseguir com os investimentos naquelas com melhores perspectivas de rendimento e de crescimento”, anunciou o banco em um comunicado.

– Queda no lucro –

Nesta terça-feira, o HSBC anunciou uma queda de 53% em seu lucro líquido em 2019, a 5,97 bilhões de dólares.

“Alguns setores de nossas atividades não geram resultados aceitáveis”, declarou o CEO interino.

“Elaboramos um plano revisado para melhorar o rendimento de nossos investidores (…) e estabelecer as bases de um crescimento futuro sustentável. Já começamos a aplicá-lo”, completou.

A depreciação das aquisições, no valor de US$ 7,3 bilhões, vinculada principalmente às atividades de investimento e às operações de banco comercial na Europa, também contribuiu para os resultados anuais.

Enquanto na Ásia, as atividades registram bons resultados graças à China, o banco está sob forte pressão nos Estados Unidos e na Europa, sobretudo pela guerra comercial China-EUA e pela saída do Reino Unido da União Europeia.

Nos Estados Unidos, o banco planeja reduzir sua rede em 30%, consolidar as atividades e reduzir custos operacionais em 10-15%.

Na Europa, sem contar o Reino Unido, o banco “reduzirá suas vendas e atividades de mercado e suas atividades de pesquisa”.

A Ásia continua sendo a região crucial para o HSBC, responsável por metade de seu volume de negócios.

Mas a epidemia de coronavírus pode abalar as perspectivas do banco por gerar turbulências econômicas em Hong Kong e na China continental, com possíveis efeitos para os resultados de 2020.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: IstoÉ