Vigilantes denunciam “desvio de função” em hospitais públicos do DF

Entidade disse que profissionais atuam carregando macas e distribuindo fichas médicas nas unidades públicas. A pasta nega

Daniel Ferreira/MetrópolesDANIEL FERREIRA/METRÓPOLES

De acordo com o Sindesv-DF, além de ficarem responsáveis pela segurança dos locais, os vigilantes ajudam em outras funções, carregando macas, auxiliando na distribuição de fichas médicas e até participando de triagens.

A manifestação da entidade ocorre três dias após dois profissionais da categoria serem afastados do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) acusados de agredirem um idoso que aguardava atendimento na emergência da unidade. A ação foi registrada em vídeo por outros pacientes presentes na ala.

Na nota, o sindicato lamenta ainda o ocorrido no HRT, mas sai em defesa dos seguranças ao afirmar que o “caos na saúde do DF acirrou os ânimos e os vigilantes pagaram o preço”. “O Sindicato dos Vigilantes do DF tem alertado à categoria para que mantenha a calma e, caso o paciente, frustrado por falta de atendimento, parta para a agressão, o profissional deve chamar a polícia imediatamente, e não revidar”, destaca o texto.

“Entendemos o quanto é difícil não responder a agressões, mas devemos considerar a situação dos pacientes do DF, muitos desesperados para ter o seu problema de saúde resolvido. E faltam médicos, materiais, leitos e demais profissionais que possam fazer o atendimento e amenizar a sua dor ou de seu familiar”

SINDESV-DF, EM NOTA

A entidade decidiu realizar campanhas de esclarecimento para que “tais fatos não mais ocorram dentro das unidades de saúde”.

O outro lado
Procurada pelo Metrópoles, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal negou as acusações de desvio de função denunciadas pelo sindicato. A pasta defendeu que, nos hospitais, os vigilantes controlam o acesso das pessoas e fazem o cadastro quando solicitado. “Não apoiam em triagem e não fazem a distribuição de senhas. O que se faz é um trabalho de recepção, orientação e atendimento ao público”, acrescentou.

De acordo com a unidade, a Controladoria-Geral do DF tem visitado os hospitais e “não identificou qualquer irregularidade nesse sentido”. A secretaria informou ainda que também cabe a cada empresa fiscalizar para que seus funcionários não executem quaisquer outras atividades além daquelas previstas”, finalizou.

Agressões no HRT
Um idoso levou socos de um vigilante na emergência do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) no último sábado (01/06/2019). As agressões foram registradas por pacientes que também aguardavam atendimento na unidade pública de saúde.

Nas imagens, é possível observar que, inicialmente, dois seguranças tentam conter e acalmar o idoso. Irritado, o senhor de cabelos brancos se levanta e tenta chutar um deles, que revida, desferindo um soco no rosto do paciente.

Duas mulheres que também estavam na ala de emergência do HRT tentam apartar a briga e conter os profissionais terceirizados. No entanto, a confusão prossegue quando um homem de boné vermelho aparece, passa a discutir com os vigilantes e acaba sendo empurrado por um deles.

Procurada pela reportagem para comentar as agressões, a direção do Hospital Regional de Taguatinga informou que está apurando os fatos e garantiu já ter solicitado à empresa terceirizada “o afastamento dos envolvidos no caso”

Fonte: Metropoles