Um exemplo de vida… Todos elogios e recordações ainda são poucos para este ilustre vianense

PADRE EIDER SILVA

A Historia pessoal do Padre Eider Furtado da Silva se entrelaça e se confunde com a própria história religiosa do povo vianense. Menino nascido no Barro Vermelho (atual Cajari), a 27 de janeiro de 1917, Eider chegou em Viana no ano de 1928, aos onze anos de idade. Vinha acompanhando sua irmã, a professora normalista Edith Nair, a qual passara uma temporada de três anos lecionando na vizinha cidade de Monção.

Por essa época, o pai já havia falecido. Sua mãe e os outros irmãos mudaram-se, então, para Viana, reunindo-se novamente a família na mesma casa, onde o Padre Eider residiu até seus últimos dias. Na nova cidade concluiu o curso primário na antiga Escola Mista Estadual, após uma passagem pela Escola Proletária Vianense, instalada no prédio da Prefeitura e dirigida pelo professor paraense, Nicanor Azevedo. Mais tarde se tornaria aluno do famoso Instituto Dom Francisco de Paula e ainda receberia aulas particulares de francês e português com o promotor e o juiz da cidade.

Ordenado padre, seu primeiro trabalho foi como cooperador do padre Manoel Arouche em Viana. O cargo incluía uma ajuda ao velho vigário de São Vicente Férrer, Monsenhor Bráulio, tio legítimo do pároco vianense. Com a morte do Monsenhor, ocorrida em 1951, padre Eider foi designado para aquela paróquia (que abrangia também a cidade de Cajapió). Foram oito anos tranquilos de pregação evangélica no seio daquelas comunidades isoladas. Obediente à santa madre igreja, sua pastoral guiava-se pelo modelo antigo: ladainhas, missas, batizados, casamentos e as tradicionais desobrigas pelos povoados. Em fevereiro de 1959, o bispo Dom Delgado ordenou sua volta com a missão de preparar, juntamente com os padres da região, a criação da diocese de Viana.

padre Eider tornou-se, involuntariamente, uma espécie de memória viva da cidade. Sua casa era ponto obrigatório para jovens estudantes ou pesquisadores em busca de referências e informações mais seguras sobre a história do município. Coisas da capacidade remediadora do tempo, só testemunhadas por aqueles que alcançaram a longevidade.

Membro fundador da Academia Vianense de Letras, onde ocupava a Cadeira de nº 2, patroneada pela própria irmã, Edith Nair Furtado da Silva, o sacerdote faleceu em Viana, no dia 9 de novembro de 2009, aos 92 anos. Seis meses após seu desaparecimento, em maio de 2010, a AVL lhe prestou merecida homenagem póstuma, elegendo-o como patrono da Cadeira n° 29.

Por Luiz Alexandre Raposo