Polêmica no Paranoã e Itapoã: Constroi ou não, pista para desafogar DF 250 em local de preservação arqueológico

Resultado de imagem para balão do itapoã
Hoje dia 25 de Junho de 2019, lendo algumas postagens no Grupo de WhatsApp “LIDERA ITAPOÔ , notei um grande embate entre seus componentes sobre o assunto da nova pista que será construída para desafogar à DF 250.

Uns a favor outros contra,

Padre Alessander Capalbo – Administrador do Itapoã – Anuncia 

GDF vai assinar ordem para construção de balão da DF 456 na quinta-feira

A página Cerrado In Foco noticiou semana passada que a nova rodovia deve ligar a região de condomínios do Paranoá a barragem. A rodovia vai passar em frente a portaria do residencial de luxo Jardins de Genebra. O administrador do Itapoã, Alessander Capalbo se reuniu com o diretor do DER para discutir o assunto. De acordo com Alessander, a ordem de serviço será assinada na quinta.

O objetivo da obra é desafogar o trânsito na DF 250. A nova rodovia estava prevista no plano do DER há vários anos. O trecho terá 4,5 quilômetros e terá sua saída próximo a entrada do Boqueirão.

Nenhuma descrição de foto disponível.
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas e área interna

Serginho Damasceno -Administrador do Paranoá – Anuncia

Desde o início da nossa gestão, a Administração do Paranoá estabeleceu ótima relação com DER surgindo desde então parceria que tiveram grande impacto na comunidade do Paranoá.

E venho anunciar, em nome do Governador, Ibaneis Rocha, o início das obras da DF-456, trecho entre a DF-250 e a DF-001. Essa nova pavimentação irá reduzir o fluxo de carros principalmente nos horários de pico onde as pessoas ficam cerca de 40 minutos engarrafadas, são 5 KM a menos de estrada.

Esse é um grande feito do Governo do Distrito Federal que irá diminuir muito o número de acidentes na DF-250. E você morador está convidado para lançamento das obras que acontece quinta-feira dia 27 de junho, às 10h, no trevo de entrada do Núcleo Rural Sobradinho dos Melos. Contamos com a presença de todos.

 E a população não foi consultada sobre o assunto, vejam seus comentários:

Bom dia galera, vcs lembram dessa matéria? Pois e, esse sítio arqueológico está justamente na área onde está sendo erguido o novo condomínio e possivelmente passará um novo trecho de rodovia, a pergunta e será que na licença ambiental que deram para que o condomínio fosse erguido existe a compensação ambiental respeitando os limites deste sítio arqueológico ? A matéria foi divulgada amplamente ano passado e depois não tocaram mais no assunto. A lei N. 3.924 de 26 de Julho de 1961 trata justamente da preservação desses sítios inclusive com proibições vale apenas conferir no artigo 3,  disse o Jornalista Josecy Mirindiba.

Infelizmente o governo não tem essa preocupação de preservar a história. Pois é, Kd Ministério Público??? disse Isa Souza

 

 

VEJA MATÉRIA DIVULGADA NO PORTAL DE NOTICIAS METRÓPOLES

Sítio arqueológico descoberto no DF tem ferramentas de caça milenares

Área de 10 a 15 hectares apresenta fragmentos que vão permitir a datação correta e trazer elementos sobre a ocupação histórica na região

JP Rodrigues/Especial para o MetrópolesJP RODRIGUES/ESPECIAL PARA O METRÓPOLES

A descoberta de um sítio arqueológico em Brasília tem deixado estudiosos, profissionais da área e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan-DF) empolgados. Localizado na região do Paranoá, a 20 km do centro da capital, o espaço apresenta material rico em história, com a presença de fragmentos de carvão e ferramentas de caça pré-históricas. Ele é visto por arqueólogos e geólogos com raro potencial para a compreensão do horizonte caçador-coletor na região do Planalto Central.

A euforia acerca do carvão ocorre porque, a partir de análise em laboratório, é possível descobrir a datação precisa do sítio arqueológico. A fidelidade da demarcação é de até 60 anos ao período, que pode variar de 11 a 6,5 mil anos. O vestígio pode ser resultado de queimadas naturais ou fogueiras feitas pelo homem e, no caso desse sítio, foi encontrado a 40 cm de profundidade em uma das escavações feitas na área de 10 a 15 hectares.

Os fragmentos foram enviados para um laboratório nos Estados Unidos. Lá, eles passarão por análise radiométrica, que permitirá saber quando a fogueira foi feita e também o período das ferramentas encontradas.

Além do carvão, lascas e instrumentos produzidos a partir do quartzito, uma rocha metamórfica, foram coletados pelos arqueólogos. Tecnologicamente, esse tipo de ferramenta está associada aos grupos pré-históricos que habitavam o Planalto Central há milhares de anos, conhecidos como Tradição Itaparica. Nesse período histórico, o homem criava ferramentas a partir da pedra. O quartzito é considerado uma matéria-prima de qualidade e bastante utilizado para caçar animais e processar carnes e ossos.

A Tradição Itaparica foi encontrada na região entre o cerrado e a caatinga, principalmente nos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso de Sul, Tocantins, Pará, Piauí e Sergipe. Esses povos são dos períodos Paleoíndio e Arcaico Inferior e ancestrais dos indígenas que habitavam o Brasil antes da chegada dos portugueses.

O trabalho no sítio arqueológico próximo ao Paranoá teve início em abril de 2017 e ainda encontra-se na fase inicial, nas etapas de curadoria e análise. Ele foi achado a partir de um trabalho de licenciamento ambiental feito para um condomínio residencial que será construído no terreno. De acordo com o Iphan, o licenciamento ambiental é uma obrigação legal prévia à instalação de qualquer empreendimento ou atividade potencialmente poluidora ou degradadora do meio ambiente, previsto em portarias e normas.

Arqueólogo responsável pela descoberta, Edilson Teixeira de Souza conta que as sondagens no terreno foram feitas a cada 50m percorridos. Segundo ele, a presença de quartzito foi o que levou ao diagnóstico da existência do sítio na região. “Temos um material muito rico aqui. Faremos novas escavações e pode ser que encontremos mais (carvão) e outras ferramentas. É rara a descoberta de um sítio”, conta.

Veja onde ficam alguns dos sítios históricos e arqueológicos do Distrito Federal

Sítios arqueológicos

Atualmente, 30 dos 50 sítios arqueológicos encontrados em todo o DF foram catalogados. Eles estão incluídos no conjunto de mais de 26 mil que foram cadastrados pelo Iphan em todo o país. A capital é considerada uma “mina de ouro arqueológica” que esconde muitos segredos sobre a pré-história brasileira. “Temos um potencial enorme a explorar”, admite Carlos Madson Reis, superintendente do Iphan no DF.

A partir da descoberta do local, é possível estudar a história do Distrito Federal e promover estudos a partir desse sítio. Ele ficará na área de preservação ambiental e daremos diretrizes de como trabalhar o material encontrado

CARLOS MADSON REIS, SUPERINTENDENTE DO IPHAN

As ferramentas coletadas no sítio serão catalogadas e levadas para o Museu de Geociências da Universidade de Brasília (UnB). Quando a pesquisa no local for encerrada, um relatório será produzido e encaminhado ao Iphan. A previsão é que o estudo seja concluído ainda em 2018 e uma exposição deverá ser montada no ano seguinte como forma de retorno do conhecimento e dos achados produzidos.

Os tipos de sítio existentes

Fonte: EG NEWS com informações do Metropoles