Dez startups de Brasília concorrem a prêmio nacional de inovação

Amcham Arena turbina startups em todo o país e chega às finais regionais para encontrar 150 soluções inovadoras no mercado de aplicativos

iStock/Imagem ilustrativaISTOCK/IMAGEM ILUSTRATIVA

Dez startups brasilienses estão na seletiva nacional para se firmarem como uma das 150 melhores empresas do Brasil em soluções inovadoras. Os modelos de negócios disputam uma colocação pelo Amcham Arena, projeto criado em 2017 com o objetivo de dar oportunidade para as participantes se conectarem a uma das 5 mil associadas ao grupo.

As concorrentes têm possibilidade de integrar rodadas de negócio e disputam premiações, tanto nacionais quanto regionais, que irão alavancar os projetos das startups. Os ganhadores também receberão cotas de patrocínio nas atividades e associação à rede Amcham.

Além do reconhecimento, executivos participam do Arena, em diversas bancas, como chance de se criar relacionamentos com CEOs, presidentes e diretores das maiores instituições do país.

No Brasil, 800 startups em 15 cidades brasileiras disputam a premiação nacional. Em Brasília, a etapa será no dia 19 de setembro, no auditório do Sebrae Nacional. As empresas que se destacaram foram: APTAH Bioinformática, Br.ino, Kicêké, Linkfor, Mi Petit, Onsurance, Ownee, Pais a Bordo, Ribon e SisterWave.

Em seguida, no dia 17 de outubro, em São Paulo, as 150 melhores startups do país, escolhidas nas seletivas regionais, serão selecionadas por uma banca final de jurados renomados do mundo dos negócios, ligados ao universo da nova economia.

Conheça as empresas brasilienses:

1. APTAH Bioinformática

No ramo de bioinformática, a Aptah usa tecnologia que acelera o desenvolvimento de medicamentos. A empresa tem uma estrutura que identifica, desenvolve e valida moléculas para tratamento e diagnose de várias doenças, que vão de tumores a aids.

2. Br.ino

A proposta da Br.ino é popularizar o ensino de robótica ao público que não domina o idioma inglês. Em um ambiente de desenvolvimento integrado, a startup aplica conceitos de aprendizado intuitivo e em português para atingir o maior número de interessados.

3. Kicêké

Precisando de um serviço, mas não está achando? A Kicêké é um ambiente de leilão reverso, no qual o cliente escolhe quanto quer pagar. No aplicativo, o cliente seleciona o segmento ou serviço procurado e faz um lance.

4. Linkfor

No Linkfor, universitários da área de tecnologia têm oportunidade de mostrar seu trabalho a grandes empresas. Por uma taxa, a startup aproxima universitários de empresas abertas a projetos ou profissionais de tecnologia.

5. Mi Petit

A resistência do seu filho então bebê em provar novos alimentos inspirou a engenheira Valéria Freitas a criar o Mi Petit. Foi assim que a empresária criou um negócio de comidas congeladas para bebês e crianças priorizando sabor e recomendações pediátricas.

6. Onsurance

A Onsurance nasceu com a premissa de oferecer seguros por tempo reduzido. Mediante tarifa dinâmica ou comprando créditos, o cliente pode desativar a cobertura do carro quando ele estiver, por exemplo, na garagem. Para celulares, o seguro pode ser mensal em vez de anual, como praticado no mercado.

7. Ownee

Pensando em economizar na obra, a Ownee integra o proprietário aos empreiteiros em um ambiente digital. A ideia é compartilhar informações para evitar gastos excessivos e atrasos de cronograma.

8. Pais a Bordo

Acompanhar a vida escolar dos filhos no celular é possível com o aplicativo Pais a Bordo. O calendário da escola fica disponível no app, e os pais podem acessar a agenda de atividades escolares e as notas dos filhos nesse ambiente virtual.

9. Ribon

Causas sociais também geram negócios criativos. Com a Ribon, pode-se doar a ONGs sem desembolsar um centavo. O usuário adquire ribons, as moedas virtuais do serviço, acessando o app e lendo as notícias disponíveis. Assim, empresas patrocinadoras da causa social doam dinheiro real via visualização de anúncios.

10. SisterWave

A proposta do SisterWave é ser uma espécie de AirBnB para mulheres. O serviço disponibiliza uma rede de acomodação e hospedagem ao público feminino. A idealizadora, Jussara Pellicano Botelho, argumenta que o SisterWave busca criar um ambiente de segurança e garantir um direito humano fundamental, o de ir e vir.

Serviço:

Amcham Arena | Final Regional

Data: 19 de setembro

Local: Auditório do Sebrae Nacional (SGAS – 605)

Hora: 13h30 às 17h30

Contato: arena@amchambrasil.com.br ou (61) 2103-8650.

Fonte: Metropoles