Desespero toma conta do Capãozinho III em Brazlândia

 

Ontem 29/11 o desespero tomou conta do Capãozinho III, sem ordem judicial ou qualquer documento, fiscais do DF LEGAL chegaram com policia, funcionários e seus tratores derrubando casas e barracos, o desespero era grande.

Capãozinho III e um PUI (Parcelamento Urbano Isolado) que foi constituído a mais de 30 anos.

Existe um processo judicial tramitando na vara do meio ambiente contra os atos arbitrários da antiga Agefis no governo Rolemberg onde chagava derrubando casas sem aviso prévio.

Em campanha o atual governador Ibaneis prometeu regularizar o setor bem como acabar com essas arbitrariedades do Órgão que agora chama-se DF LEGAL.

Conforme relatos da presidente da Associação comunitária Capaozinho III. Acap DF Marcilene Souza, presente ao ate de derrubada os fiscais chegam agredindo as pessoas derrubando tudo sem ao menos deixar as pessoas tirarem seus pertences.

“Tentei falar com o chefe de operação para mostrar os documentos dos quais estão em tramitação mais foram irredutíveis, solicitei o documento expedido pelo o MP, eles também não apresentaram, relatório da operação também não existe”. disse Marcilene

Após o ocorrido Marcilene Silva dirigiu-se ao Diretor do DF LEGAL Georgiano que comprometeu-se a apurar os fatos.

Marcilene voltou a falar que a derrubada não se justifica pois em construções novas o DF LEGAL não pode agir sem notificação previa, foi promessa de campanha do governador que nenhuma casa seria demolida na gestão dele, e outra coisa todos órgãos sabiam da operação.

A revolta não para por ai, o comentário é que depois que já haviam derrubado a casa da Adriana foi derrubar uma igreja e pasmos ficaram quando os policias receberam uma ligação do Deputado Iolando para que a derrubada foi suspensa pois o filho do pastor lazinho tem um filho no gabinete do Deputado.

Marcilene se identificou como presidente da associação para o chefe de operações e mostrando os documentos que a área é passível de regularização porém sem êxito. Arrogante nem falou o nome deles, o minimo de respeito que teríamos era ele olhar os papeis que já tem um processo judicial tramitando do qual teve uma sentença final comentou.

A Terracap nos autos do processo disse que a terra é dela porém fiz o requerimento direcionei e nada de regularização.

A área é passível de regularização conforme lei 13465/17..que trouxe a flexibilidade da regularização das áreas rurais com características urbanas. Com isso fica o jogo de empurra pois pedi a regularização a Terracap fica omissa pois a Associação precisa do parecer da Terracap.

Todas as informações aqui prestadas foram feitas por Marcilene Souza

 

 

 

 

 

 

Fonte: http://egnews.com.br