Confira 10 dicas para prevenir infecção por coronavírus

Não há casos confirmados no Brasil, mas o Ministério da Saúde orienta cuidados básicos para reduzir o risco geral deste tipo de doença

NIAID/RML

NIAID/RML

O novo coronavírus vem causando preocupação em todo o planeta devido ao número crescente de casos confirmados. A doença já causou ao menos 106 mortes na China e há mais de 4,5 mil pessoas infectadas.

Não há casos confirmados no país, mas a Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SESMG) afirmou, na segunda-feira (27/01/2020), que uma jovem de 22 anos foi internada em Belo Horizonte (MG) com suspeita de contaminação pelo coronavírus.

Em meio ao cenário de alerta, o Ministério da Saúde orienta 10 cuidados básicos que podem reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo coronavírus:
  • Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas;
  • Lavar frequente as mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.

A pasta também pede que os profissionais de saúde tomem medidas padrões de precaução, como uso de máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção.

Grande família viral

Os coronavírus são uma grande família viral conhecidos desde meados de 1960 que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, essas infecções geram doenças respiratórias leves ou moderadas, semelhantes a um resfriado comum.

Alguns coronavírus podem causar doenças graves, como a síndrome respiratória aguda grave (Sars), identificada em 2002, e a síndrome respiratória do Oriente Médio (Mers), descoberta em 2012.

As investigações sobre transmissão do novo coronavírus ainda estão em andamento, mas a disseminação, em geral, costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal: gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, toques (como aperto de mão ou contato com objetos e superfícies contaminadas seguido de contato com a boca, nariz ou olhos).

Nessa segunda-feira (27/01/2020), a Organização Mundial da Saúde (OMS) corrigiu a avaliação do risco internacional do coronavírus que surgiu na China. O nível de risco passou de “moderado” para “alto”.

A identificação do coronavírus só pode ser feito por meio de exames após coleta de materiais respiratórios do paciente.

Não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano. No caso do novo coronavírus, é indicado repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, como o uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos).

Assim que os primeiros sintomas surgirem, é fundamental procurar ajuda médica imediata para confirmar diagnóstico e iniciar o tratamento.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Metropoles