23 C
Brasília, BR
segunda-feira, outubro 14, 2019

Flamengo terá desfalques para duelo com o Athletico-PR. Confira quem são eles!

Confronto de rubro-negros acontece neste domingo

O Dia

Rio – Líder do Brasileiro, o Flamengo terá uma parada duríssima neste domingo. A equipe carioca irá enfrentar o Athletico-PR, campeão da Copa do Brasil, em Curitiba. Jorge Jesus terá quatro titulares ausentes na partida e também um reserva sem condições de jogo.
Na seleção brasileira, Rodrigo Caio e Gabigol não poderão entrar em campo. Em trabalho intensivo para enfrentar o Grêmio, Filipe Luís e Arrascaeta também estão vetados por lesão. Orlando Berrío, que se machucou contra a Chapecoense, também não ficará como opção no banco.
A tendência é que Jesus repita a escalação da vitória sobre o Atlético-MG. Com isso, o Flamengo deve ir para campo com: Diego Alves; Rafinha, Rhodolfo, Pablo Marí e Renê; Willian Arão, Gerson, Reinier e Everton Ribeiro; Vitinho e Bruno Henrique.
Fonte: IstoÉ

Michelle Bolsonaro se reúne com esposas de governadores

Segundo primeira-dama objetivo do encontro foi divulgar o Programa Pátria Voluntária

Nesta terça-feira (8), Michelle Bolsonaro usou as redes sociais para comentar o encontro que teve com esposas de governadores. O evento aconteceu em Brasília.

Na publicação, a esposa do presidente Jair Bolsonaro falou sobre o propósito da reunião.

‘Como fiz caixa 2 se não fiz campanha?’, diz Bolsonaro
Bolsonaro comenta entrega de prêmio a Chico Buarque
PSOL quer convocar Moro e ministro do Turismo na CCJ

– Realizamos um primeiro encontro com as primeiras-damas dos Estados brasileiros, com o objetivo de divulgar o Programa Pátria Voluntária – declarou.

Michelle compartilhou ainda sua avaliação da conversa que teve com suas convidadas.

– Conversando com elas, pude conhecer algumas das ações que já desenvolvem. Temos em comum a vontade de ajudar quem precisa e dar visibilidade a causas importantes. Juntas, podemos motivar mais pessoas a serem voluntárias e contribuírem para um Brasil mais solidário.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Pleno.News

Sem problemas, Seleção Feminina bate a Polônia por 3 x 1

Pia Sundhage, Marta, Forminha, Debinha e companhia fecham com chave de ouro a segunda data Fifa no comando da sueca

Reprodução/TwitterREPRODUÇÃO/TWITTER

Na tarde dessa terça-feira (08/10/2019), o Brasil disputou partida amistosa com a seleção da Polônia, na casa delas, na Suzuki Arena, em Kielce. A lenda Formiga abriu o placar no início do jogo, Tamires ampliou e a Seleção acabou tomando um gol de cabeça no segundo tempo, mas Debinha fechou o caixão fazendo o 3º da Seleção.

Esta foi a segunda data Fifa de Pia Sundhage no comando do Brasil e desta vez ela saiu com aproveitamento de 100%. No duelo anterior, as brasileiras enfrentaram a Inglaterra e venceram por 2 x 1, com dois gols de Debinha.

O jogo
A Seleção Brasileira conseguiu abrir o placar no início da partida, aos 8 minutos: Andressa Alves cobrou escanteio da direita, Formiga se antecipou à marcação na pequena área e cabeceou no canto direito da goleira Kledrzynek.

No decorrer da etapa inicial, o Brasil assumiu o controle da partida tocando a bola e usando as laterais para tentar agredir a defesa polonesa. Do outro lado, as europeias sofreram com a linha de impedimento montada pela técnica Pia Sundhage, sempre deixando o ataque adversário em posição ilegal.

No fim do 1º tempo, com velocidade, a Polônia conseguiu encaixar alguns contra-ataques. A melhor oportunidade das europeias, no entanto, veio de uma cobrança de falta de Ewelina Kamczyk, defendida por Bárbara no canto direito.

2º tempo
Para a etapa final, Pia decidiu mudar um pouco o time. Saíram Poliana, Thaísa e Victoria para as entradas da Kathellen, Debinha e Luana. Logo no 2º minuto, a Luana teve a chance de ampliar em bobeada da defesa polonesa, mas chegou afobada demais. Bateu de primeira e a bola passou longe, por cima do gol.

No minuto seguinte, Debinha fez boa jogada pela direita, chegou próximo à linha de fundo e cruzou rasteiro para a área. A bola passou por todo mundo e ficou perfeita para Tamires que entrava na área. A lateral bateu de primeira e ela morreu no fundo das redes da goleiro Kledrzynek. Aos 7 minutos, o ataque polonês chegou bem e com espaço, mas Bárbara adiantou bem e tirou a bola dos pés da Ewa Pajor.

Na marca dos 12 minutos, a Polônia teve cobrança de falta pela direita e a bola foi na cabeça da Malgorzata Mesjasz. Ela teve liberdade para fazer o movimento cabeçada e diminuiu a diferença no placar para a Polônia. Aos 33 minutos, Ludmilla venceu da goleira dentro da área e cruzou à meia altura para Debinha, que sozinha e de cara pro gol, só precisou colocar o corpo para fazer o 3º da Seleção Brasileira.

GOOOOOOOOOOOOOOL! Mas QUE LAMBANÇA DA BANDEIRA, AMIGOS! Ela tinha dado impedimento. Mas jogada excelente (e LEGAL) da Ludmila pela direita, recebeu, girou, levou pra linha de fundo, cruzou e deu pra Debinha fazer o dela. Aliás, DEBIGOL!

Ludmila gira bonito, dá a assistência e Debinha manda pro gol: Polônia 1×3 Brasil

Vídeo incorporado

Fonte: Metropoles

Boato sobre caso entre Paolla Oliveira e Sérgio Guizé para na Justiça

O ator afirmou que processou “algumas pessoas” que espalharam rumores de que ele estaria se relacionando com a colega de trabalho

TV Globo/ João Miguel JúniorTV GLOBO/ JOÃO MIGUEL JÚNIOR

Em uma época na qual as fake news se tornaram um problema mundial, Sérgio Guizé mostrou que não quer saber de alimentá-las. O ator afirmou que foi à Justiça após o surgimento de boatos de que ele teria um caso com Paolla Oliveira, com quem contracena em A Dona do Pedaço.

“Fico indignado de ganharem dinheiro com a minha imagem. Processei algumas pessoas, só para elas não enganarem o próprio público”, disse o ator, que é casado com Bianca Bin. O desabafo, feito ao jornal Extra, contou ainda com uma crítica. “Fico com dó de quem precisa fazer esse tipo de coisa para sobreviver e de quem consome isso.”

Os rumores foram alimentados depois que ele e Paolla foram vistos saindo de restaurante em julho deste ano. “Estávamos numa mesa com várias pessoas jantando. Parece que querem criar uma novela paralela. É uma falta de respeito com a minha parceira de trabalho e com Bianca [Bin] também”, garantiu o intérprete de Chiclete.

O jantar era uma homenagem ao ator Osvaldo Mil, que estava de saída da trama das 21h após seu personagem, Cosme, ser morto pelo justiceiro encarnado por Guizé. O global foi ainda mais longe, reconhecendo que sofreu menos que seus pares femininos nessa história.

“É um olhar machista que tenta machucá-las. Chamaram elas de putas. Vê se me atacam assim? Não fazem isso comigo”, frisou. Sérgio e Bianca começaram a se relacionar durante as gravações da novela O Outro Lado do Paraíso.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Metropoles

Mulheres que venceram o câncer de mama contam a experiência em livro

Outubro é o mês da campanha de prevenção do câncer de mama


Resultado de imagem para Três das 40 mulheres que participaram da coletânea Nossa história, nosso milagre!
Três das 40 mulheres que participaram da coletânea Nossa história, nosso milagre!(foto: Minervino Júnior/CB/DA.Press)

“Viver a vida por mais que esteja difícil. Tentar viver da forma mais leve possível”. As palavras são da professora Suzana 

Mahmud Said, 44 anos. O intuito é incentivar mulheres que descobriram recentemente o câncer de mama. Ela foi diagnosticada com a doença em julho de 2018. Um nódulo no seio direito, que apareceu inicialmente como benigno, trouxe uma das notícias mais difíceis que ouviu na vida. No entanto, preferiu encarar o lado positivo da situação. Com otimismo, fé e apoio da família, a batalha foi vencida. A cura veio neste ano.
Suzana lembra que, ao abrir o resultado com o diagnóstico do câncer de mama em casa, os filhos dela, de 12 e 19 anos, começaram a chorar. “Foi nessa hora que percebi que quem tinha de ser forte era eu”, conta. A mãe da professora teve a mesma enfermidade aos 48 anos. Após dois anos de luta, morreu devido a uma metástase. “Quando foi a minha vez, acreditei muito no que os médicos falaram. Como descobri no início, a chance de cura era grande, e eu confiei.”
Para a gerente de vendas Suramya Soares, 40, a notícia chegou de forma dura. “O médico abriu o resultado e já avisou que eu perderia o cabelo e teria que tirar uma mama. Disse que não tinha outra forma de me contar aqui. Na hora, fiz até uma brincadeira, porque foi algo que eu não quis acreditar. Não tenho casos na família e não imaginava passar por isso.” Ela lembra que saiu da consulta passando mal. O diagnóstico saiu em 7 de fevereiro de 2018. No mês seguinte, em 13 de março, foi a primeira quimioterapia.
“O cabelo começou a cair. Quando vi aquilo, engoli o choro, mas eu não quis raspar e cortei na altura do ombro. Depois de uns dias, minha irmã apareceu careca. Ela raspou antes de mim para me incentivar. Aquilo me deu uma força tão grande. O medo era do preconceito das pessoas, mas foi tranquilo. Foi tão bom tomar banho carequinha”, brinca. Em 21 de novembro do ano passado, Suramya passou pela cirurgia de retirada da mama e, hoje, espera pelo procedimento de reconstrução do órgão. Também está curada.

A publicação

Parte dos dois relatos estão no livro Nossa história, nosso milagre!, que será lançado na próxima terça-feira, no auditório da Legião da Boa Vontade (LBV). Cada uma escolheu um tema para abordar relacionado à doença. A obra relata o tratamento de 40 mulheres que tiveram ou têm câncer. Mas nem só de narrativas positivas a publicação é feita. Pessoas que perderam alguma parente vítima da doença também contaram a vida antes, durante e após o tratamento.
A ideia do livro surgiu depois de uma série de conversas informais entre médico e paciente. A mastologista Thereza Racquel de Mello, durante 11 meses, acompanhou e tratou a professora Rosilda de Souza, que descobriu o câncer em 2018. Após a trajetória, elas tiveram a ideia de escrever um livro que falasse sobre superação. Com a ajuda da oncologista Ludmila Thommen, especialista em câncer de mama, e da residente em mastologia Daniela Omar, Thereza e Rosilda se uniram ao projeto.
“Não imaginei que uma das piores coisas que aconteceram na minha vida me trouxesse orgulho depois. Quando tive a doença, chorei demais. Recebi o apoio da minha família, mensagens, cartas de alunos. Tudo isso me dava vontade de ficar boa logo”, destaca a professora. “Em toda consulta, eu falava para a doutora Racquel que estava cansada de ficar em casa. Já tinha assistido a todas as séries. Precisava fazer algo novo. Foi quando ela me chamou para fazer parte desse projeto tão legal, que pode mudar a forma de diversas mulheres verem o câncer de mama”, lembra Rosilda.
Para Thereza, a proposta é ajudar outras pacientes a enfrentarem a doença ainda no início e mostrar que existe solução e cura. “Cada história e cada tratamento são diferentes, mas as pacientes se sentem mais confortáveis quando se identificam com as outras.”

Outubro Rosa

“As mulheres precisam ter o hábito de se conhecer. Caso identifiquem algo diferente, devem procurar um médico imediatamente, seja um mastologista, seja um ginecologista. Além disso, fazer os exames todo ano. Vale lembrar que o câncer de mama também pode ser diagnosticado em homens. É mais raro, mas acontece. As pessoas pensam no câncer de mama como algo que leva à morte, mas, não, ele tem cura”, ressalta a médica.
Lançamento e autógrafos do livro Nossa história, nosso milagre!
8 de outubro (terça-feira). Auditório da Legião da Boa Vontade (LBV) — SGAS 915, Asa Sul. A partir das 19h. Para solicitar o livro, entrar em contato pelo e-mail outubrorosa2019@gmail.com

Hábitos que ajudam a prevenir o câncer de mama

• Alimentar-se de forma saudável
• Amamentar
• Evitar bebidas alcoólicas
• Evitar uso de hormônios sintéticos, como anticoncepcionais e terapias de redução hormonal
• Manter o peso corporal adequado
• Praticar atividade física
Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Números

• Estimativa de novos casos no Brasil em 2019: 59.700
• 1% do total de registros de câncer de mama no Brasil é diagnosticado em homens
• Uma em cada seis mulheres terá câncer de mama no Brasil
Fonte: Correio Brasiliense

Pressionados, Botafogo e Fluminense fazem clássico no Engenhão em busca de paz

Pressionados, Botafogo e Fluminense fazem clássico no Engenhão em busca de paz

Pressionados e vivendo um ambiente de turbulência em razão dos maus resultados recentes, Botafogo e Fluminense se enfrentam no clássico deste domingo, às 16 horas, em busca de paz. O duelo é válido pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro e será no Engenhão.

Ambos viveram dias conturbados, com pressão, invasão de torcedores ao CT e pichações. O Botafogo, apesar de estar à frente do Fluminense na tabela – o time alvinegro tem 27 pontos e o tricolor, 22 – passa por uma pressão maior. O motivo são as três derrotas consecutivas que deixaram o time longe do G6. A fase é tão ruim que o último triunfo está perto de completar um mês: foi em 8 de setembro, quando derrotou o Atlético-MG por 2 a 1.

O elenco botafoguense teve de conviver com três protestos da torcida em quatro dias. Na terça, os muros da sede do clube em General Severiano foram pichados com frases como “Time sem vergonha”. No dia seguinte, um grupo de cerca de 15 torcedores invadiu o Engenhão para cobrar os atletas, que naquele momento, estavam treinando. Os ânimos se exaltaram e o técnico Eduardo Barroca se colocou como escudo para os jogadores.

Nesta sexta, outro grupo de torcedores, composto por aproximadamente 30 pessoas, resolveu entrar na sede de General Severiano para cobrar os dirigentes. Eles não encontraram nenhum integrante da diretoria no local, mas o episódio só deixou o clima no Botafogo ainda pior às véspera do clássico.

Em campo, a tendência é de que Barroca escale a equipe no 4-4-2, com o zagueiro Carli de volta após se recuperar de lesão, o retorno de Marcinho à lateral direita – ele havia atuando improvisado no ataque – e a presença de Vinicius Tanque ao lado de Luiz Fernando na frente. Gilson, que cumpriu suspensão no último jogo, reaparece na lateral esquerda. O volante, Alex Santana, em contrapartida, continua fora por lesão.

A exemplo de seu rival, o Fluminense também conviveu com protestos, cobranças e invasão de CT recentemente, mas conseguiu respirar com a vitória por 2 a 1 sobre o Grêmio na rodada passada e viveu dias mais tranquilos na última semana.

No entanto, o time tricolor ainda não conseguiu se distanciar da briga contra o rebaixamento e precisa engatar uma série de triunfos para que o ambiente aparentemente tranquilo não se transforme em uma nova crise.

Efetivado no comando do Fluminense na sexta-feira, Marcão comandará o time pela primeira vez desde que foi oficializado no posto de forma definitiva. O treinador foi exaltado pelo presidente Mário Bittencourt e tem o apoio dos jogadores, incluindo o meia Paulo Henrique Ganso, um dos responsáveis pela demissão de Oswaldo de Oliveira ao discutir com veemência com o treinador após ter sido substituído no duelo com o Santos.

Marcão terá os retornos dos zagueiros Digão e Frazan, que cumpriram suspensão contra o Grêmio. A tendência é de que o primeiro seja titular ao lado de Nino e o segundo deva ficar no banco de reservas. Com isso, Yuri Lima, improvisado na zaga na rodada anterior, volta para o meio. Ele disputa posição para saber quem joga ao lado de Allan.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: IstoÉ

Com falta de público, show de Sandy e Junior é vendido a preço de banana

Crédito: Reprodução/Instagram

Muita gente pagou caríssimo para assistir aos shows de Sandy e Junior na turnê que os irmãos fizeram pelo Brasil. Pois bem. Pelo visto, a turnê ‘Nossa História’ não anda tão bem das pernas assim fora do país. A dupla se apresenta hoje, às 20h, no Barclays Center, no Brooklyn, em Nova Iorque. E ao contrário do que ocorreu no Brasil, onde os ingressos esgotaram rápido com filas enormes de espera para comprar online, na terra do Tio Sam o show está custando a partir de 7,90 dólares, o equivalente a R$ 40.

Esses valores estão disponíveis em uma promoção no site StubHub, especializado em venda de ingressos para eventos. Já quem compra diretamente pelo site do local do show o Barclays Center, desembolsa a partir de 39 dólares. No Brasil, teve gente desembolsando 500 reais para a pista vip do evento que dava direito a open bar de água. E ainda teve quem comprasse ingressos da mão de terceiros e desembolsasse valores acima de R$ 1000.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: IstoÉ

Brasil quebra recorde nos 4x100m e termina em 4º lugar no Mundial

DOHA, QATAR - OCTOBER 04: Paulo Andre Camilo De Oliveira of Brazil competes in the Men's 4x100 relay qualifications race during the 17th IAAF World Athletics Championships Doha 2019 on October 04, 2019 in Doha, Qatar. (Photo by Serhat Cagdas/Anadolu Agency via Getty Images)

Serhat Cagdas/Anadolu Agency via Getty Images

SERHAT CAGDAS/ANADOLU AGENCY VIA GETTY IMAGES

A equipe brasileira masculina do revezamento 4×100 metros voltou a mostrar força no Mundial de Atletismo ao quebrar, neste sábado (05/10/2019), em Doha, o recorde sul-americano desta prova. O quarteto formado por Rodrigo Nascimento, Vitor Hugo dos Santos, Derick Silva e Paulo André cravou o tempo de 37s72 na final no Catar. A marca, porém, não foi suficiente para garantir um lugar no pódio ao time nacional, que terminou em quarto lugar.

A medalha de ouro foi conquistada pela equipe dos Estados Unidos, composta por Cristian Coleman, Justin Gatlin, Michael Rodgers e Cravon Gillespie, que ficou na primeira posição ao cruzar a linha de chegada em 37s10.

A prata foi obtida pela Grã-Bretanha e assegurada com a performance de Adam Gemili, Zharnel Hughes, Richard Kilty e Nethaneel Mitchell-Blake, que terminaram a prova com o tempo de 37s36. No dia anterior, eles haviam sido os líderes das eliminatórias, com 37s56.

O pódio foi fechado pelo time do Japão, formado por Shuhei Tada, Kirara Shiraishi, Yoshihide Kiryu e Abdul Hakim Sani Brown, que garantiu o bronze com a marca de 37s43.

Os brasileiros não conseguiram uma medalha, mas deixaram a pista de disputas em Doha satisfeitos com o ótimo desempenho que apresentaram, pois derrubaram uma marca continental que perdurava desde os Jogos Olímpicos de Sydney-2000. Eles já haviam igualado o tempo obtido há 19 anos na Austrália nas eliminatórias da última sexta-feira, quando marcaram 37s90 e avançaram à final, objetivo que também assegurou ao País uma vaga na Olimpíada de Tóquio-2020 nesta prova.

“Fizemos essa marca muito boa, a realidade do Brasil hoje é o 4x100m. Vamos melhorar individualmente para trazer bons resultados no 4x100m. Continuem confiando na gente, Tóquio é logo ali”, afirmou Paulo André, em entrevista ao SporTV após a final.

Rodrigo Nascimento também exaltou o desempenho do quarteto nacional. “A gente conseguiu correr na casa dos 37s, que era o nosso objetivo. Acredito que a gente saia muito feliz com tudo o que aconteceu. Vou mais enaltecer este resultado, este quarto lugar, do que lamentar”, disse o velocista.

Derick Silva, por sua vez, destacou que a equipe brasileira corrigiu os erros cometidos no qualificatório de sexta-feira para melhorar a performance neste sábado. “No aquecimento hoje conseguimos ajustar o que a gente errou nas eliminatórias e dentro da prova a gente acertou o que a gente tinha errado ontem e deu este resultado que deu hoje”, disse. “O resultado foi um recorde sul-americano fantástico”, acrescentou Vitor Hugo.

Prova feminina
A final prova feminina do revezamento 4x100m do Mundial foi vencida pela equipe jamaicana, com Natalliah Whyte, Shelly-Ann Fraser-Pryce, Jonielle Smith e Shericka Jackson brilhando com o tempo de 41s44, novo recorde da competição.

A prata ficou com a Grã-Bretanha, com 41s85, e bronze com os Estados Unidos (42s10). O Brasil chegou a se classificar para a final na última sexta-feira, mas foi desqualificado pouco depois da prova pela Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês), que apontou que uma das brasileiras invadiu a raia de uma adversária durante a disputa.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Metropoles

Andressa Suita fala sobre suposto aborto de filho de Théo Becker

A modelo disse que irá tomar medidas legais contra veículos de comunicação que repliquem acusações infundadas com intuito de audiência

Reprodução/InstagramREPRODUÇÃO/INSTAGRAM

ATUALIZADO 05/10/2019 16:55

Após o ator Théo Becker falar que Andressa Suita, a atual esposa do cantor Gusttavo Lima, teria abortado um filho seu sem consentimento, a modelo emitiu uma nota para esclarecer os fatos e dar sua versão da história, nesta sexta-feira (04/10/2019).

“A senhora Andressa Suita, através de sua assessoria de imprensa, informa que medidas legais serão tomadas contra todos os veículos de comunicação que replicarem na mídia acusações infundadas com um único intuito de audiência. Algumas subcelebridades fazem de tudo para permanecer na mídia e a imprensa tem o dever de discernir o que é notícia e o que é nada mais, nada menos do que manipulação, com o único intuito de permanecer na mídia. A imprensa e os jornalistas precisam ter mais cuidado e respeito e, principalmente, avaliar de onde partem as ‘acusações’”, constava na nota.

O ex-galã de novelas e a modelo terminaram o namoro em 2009, mesmo ano em que Becker participou do reality show A Fazenda. Atualmente casada com Gusttavo, Andressa é mãe de duas crianças.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Metropoles

Corredora que perdeu patrocínio por causa da gravidez bate recorde de Bolt

Allyson Feliz na corrida e com a filha - Fotos: reprodução / Instagram

Allyson Feliz na corrida e com a filha – Fotos: reprodução / Instagram

A força da mulher! Dez meses após dar à luz, a corredora Allyson Felix conquistou esta semana sua 12ª medalha de ouro e se tornou na única atleta do Mundo com essa marca em Campeonatos do Mundo.

Ela superou o jamaicano Usain Bolt, que tem 11 medalhas. O curioso é que Allyson Felix  foi desacreditada pelos patrocinadores quando engravidou. Na época, perdeu o apoio financeiro porque as marcas temiam que ela não teria o mesmo desempenho de antes.

Mas dois meses o nascimento da filha – que teve gestação de risco, pré-eclâmpsia e uma cesariana com 32 semanas de gravidez – Allyson voltou a treinar.

Agora, 10 meses após o nascimento da filha a velocista norte-americana mostrou o que é empoderamento e venceu o segundo segmento na estafeta mista 4×400 metros no Mundial de Doha.

Luta pelas mulheres

A atleta medalhista é conhecida por lutar pelos direitos das mulheres no esporte, que costumam não receber patrocínio durante e após a gravidez.

Eu tive que lutar muito este ano – pela minha saúde, pela minha filha, pelas mulheres e mães, pelo que eu mereço e pelo meu condicionamento físico. Estou realmente orgulhosa de estar no meu 9º campeonato mundial e este é mais especial, porque minha bebê está no estádio para assistir a tudo”, escreveu Allyson no Instagram ao lado de uma foto com a filha.

Que os patrocinadores tenham aprendido, após essa prova de superação, com direito a tapa com luva de pelica.

Postagem: http://egnews.com.br

Com informações do Estadão e Claudia