20 C
Brasília, BR
sexta-feira, julho 10, 2020

Programa de consultas virtuais do Ministério da Saúde têm 5,9 mil profissionais cadastrados

Foto: Divulgação

Anunciada no final de abril, a iniciativa do Ministério da Saúde que visa ofertar consultas não presenciais a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), no âmbito da Atenção Primária, já conta com mais de 5.956 profissionais cadastrados para esse tipo de atendimento. A ideia é que o serviço ajude a diminuir a propagação do novo coronavírus, além de aprimorar a assistência à população.

Telemedicina ganha relevância nacional no combate à Covid-19 e outras doenças

Pacientes da Atenção Primária poderão ter consultas pela internet a partir de maio, segundo Ministério da Saúde pesquisa

Inova HFA avança e propõe melhorias na saúde por meio de novas tecnologias

O Consultório Virtual de Saúde da Família, como é denominado, está sendo implementado em três etapas. Na primeira fase, os gestores municipais cadastraram os profissionais da APS que vão atender remotamente. A segunda fase é a validação da lista dos profissionais cadastrados em duas bases de dados: Conselho Federal de Medicina (CFM) e Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). Essa é a etapa atual em que se encontra o projeto.

Na terceira e última fase, após todo o processo de conferência dos dados, é feito contato com os médicos para passar informações sobre a certificação digital ICP-Brasil e sobre o uso da plataforma.

Na avaliação da enfermeira e professora de saúde coletiva da Universidade de Brasília (UnB), Carla Pintas, a medida representa uma evolução no que diz respeito à comodidade do paciente, pois ele não precisa se deslocar até uma unidade de saúde, o que reduz riscos durante a pandemia.

“Incorporar a telemedicina é fundamental hoje na atenção primária. A gente deve dar conta de fazer o acompanhamento regular desses pacientes. Muitas vezes, não é só a consulta em si, é também a unidade retornar a ligação para o paciente, perguntar como tem sido a utilização de alguns medicamentos, como ele tem se sentido”, explica.

O cidadão poderá marcar a consulta ao fazer uma solicitação de agendamento junto à equipe de saúde que, normalmente, o atende no dia-a-dia. A consulta virtual poderá ocorrer tanto por telefone, quanto por videoconferência. Vai depender da familiaridade do paciente com cada canal de comunicação. No caso de atendimento por vídeo, os médicos vão enviar o endereço eletrônico da consulta aos pacientes.

Quem teve uma experiência semelhante ao que o Ministério da Saúde pretende implantar foi Maria Eunice Fernandes, de 73 anos, moradora de Sobral, no Ceará. A professora aposentada conta que já teve câncer e sofre com outros problemas de saúde, como pressão alta.

Com receio de estar contaminada com covid-19, Eunice foi atendida por médicos especialistas via teleconsulta. Com todas as informações e orientações recebidas pelos profissionais, conta que ficou satisfeita com atendimento à distância.

“Eles me deram dicas de como lavar bem as mãos, usar máscaras, álcool em gel e como higienizar a casa de modo geral. Para mim, foi ótimo falar com eles, pois me senti bem assistida”, relata a paciente.

No Ceará, o teleatendimento, por meio da plataforma Plantão Coronavírus, já realizou cerca de 360 mil atendimentos via chat automatizado e 63 mil por meio do WhatsApp (85) 98439-0647. A iniciativa teve início em abril e trata-se de uma parceria entre a Secretaria de Estado da Saúde (SESA) e o Laboratório de Inovação e Dados do Governo do Ceará.

A secretária Executiva de Vigilância e Regulação da SESA, Magda Almeida, esclarece que as dúvidas mais frequentes das pessoas atendidas são referentes à covid-19. Ressalta que a plataforma ajuda a detectar casos suspeitos, oferece orientação especializada com profissionais de saúde e informa sobre medidas de enfrentamento à pandemia.

“Nesse momento, foi importante evitarmos aglomerações, diminuir as filas dos serviços de saúde e manter uma avaliação de qualidade por profissionais da saúde. O telessaúde e o coronabot permitiram isso”, acredita.

Outro exemplo semelhante é praticado em Uberlândia (MG). A prefeitura disponibilizou um meio virtual para que as pessoas com sintomas suspeitos da covid-19 pudessem receber mais informações sobre a doença e atendimento médico por meio de uma consulta virtual. As consultas são realizadas por meio do WhatsApp (34) 9.9774-0616.

A assessora técnica da rede de urgência e emergência da Secretaria Municipal de Saúde, Soraya Guimarães, garante que a iniciativa foi bem aceita pela população e acredita que a medida pode ser estendida para além da pandemia.

“Isso facilitaria o acesso do usuário e diminuiria o número de pessoas dentro das unidades, reduzindo assim o risco de contaminação e transmissão da covid-19”, avalia.

Os atendimentos virtuais vão além de consultas para pacientes infectados pelo novo coronavírus. A jornalista Thays Estarque, 28 anos, mora em Brasília e conta que, ao perceber aumento do seu peso durante a pandemia, teve uma experiência positiva ao consultar uma nutricionista por meio de uma plataforma de videoconferência.

“Foi a primeira vez que fiz uma consulta virtual e eu não senti nenhuma diferença, tirando a fato de não poder me pesar ou colher o índice de massa corporal. Isso foi novo para mim. A questão de montar meu plano alimentar, de conversar como está minha alimentação, minha rotina, meu corpo e meu organismo, foi tudo a mesma coisa de uma consulta presencial, inclusive o mesmo tempo de duração”, revela.

Para o Consultório Virtual elaborado pelo Ministério da Saúde, a ideia é que sejam treinados cerca de 20 mil profissionais que atuam nas unidades de Saúde da Família para que possam acessar e navegar no sistema. O projeto prevê manutenção e suporte técnico aos médicos e enfermeiros por 24 horas, todos os dias.

Funcionamento

Por meio do Consultório Virtual, médicos, enfermeiros e multiprofissionais vão poder fazer teleconsultas e dar continuidade ao tratamento de pacientes com hipertensão e diabetes, por exemplo. A ferramenta on-line busca dar agilidade, comodidade e segurança no âmbito da Atenção Primária em Saúde.

O Ministério vai certificar, gratuitamente, os profissionais que aderirem às práticas de telemedicina e telessaúde. O Consultório Virtual é uma parceria entre a Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS) e o Hospital Albert Einstein. De acordo com o Ministério da Saúde, a iniciativa deve custar pouco mais de R$ 4 milhões.

A ferramenta vai permitir que os profissionais da Atenção Primária registrem a consulta à distância e emitam atestados e receitas. Para garantir a segurança dos dados, o suporte da plataforma vai permitir a emissão de certificação digital gratuita, com validade de cinco anos. Após o atendimento, a pessoa vai receber o resultado da consulta e uma pesquisa de satisfação.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Brasil 61 

Governo libera R$ 45,1 milhões para o saneamento básico de municípios

Ministério do Desenvolvimento Regional enviou a 19 estados e ao Distrito Federal R$ 45,1 milhões para a melhoria do saneamento básico. O recurso é direcionado a obras de abastecimento de água, esgotamento sanitário, saneamento integrado, manejo de águas pluviais, além da realização de estudos e projetos e em melhorias na gestão dos serviços.

Novo marco do saneamento pode sofrer vetos

São Paulo é o estado que vai receber a maior fatia desses recursos. São R$ 22,5 milhões – cerca de metade do valor total. O valor é destinado a obras na capital do estado: a canalização, implantação de reservatórios de amortecimento e de sistemas de galerias de águas pluviais no Córrego Ipiranga. Para esse fim foram reservados R$ 7,7 milhões. Parte do investimento também vai para o município de São Bernardo do Campo, que vai receber  R$ 7,3 milhões para integrar o saneamento e fazer obras de urbanização nos assentamentos Sítio Bom Jesus, Alvarenga Peixoto, Divinéia, Pantanal I e II e Jardim Ipê.

No Nordeste, R$ 4,7 milhões irão para dois municípios de Sergipe: Lagarto, no agreste sergipano, e Nossa Senhora do Socorro, na região leste do estado. O dinheiro será aplicado na ampliação do sistema de abastecimento de água da Adutora do Piauitinga e para a complementação do sistema de esgotamento sanitário da Bacia do Poxim.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Brasil 61

Emendas do deputado Iolando foram aprovadas na LOA e vão beneficiar o segmento da pessoa com deficiência

Emendas do deputado Iolando foram aprovadas na LOA e vão beneficiar o segmento da pessoa com deficiência

As emendas aprovadas nesta terça-feira (30), vão beneficiar o segmento da pessoa com deficiência e terão execução prioritária em 2021.

As emendas do deputado Iolando aprovadas na Lei Orçamentária Anual (LOA), no plenário desta terça-feira são três, a primeira é para a realização de censo demográfico para pessoa com deficiência, a segunda emenda, é para a construção de escola técnica especializada em pessoa com deficiência e a terceira emenda é para construir uma unidade de atenção especializada em saúde a pessoa com deficiência.

A inclusão destas demandas no anexo de metas fiscais da LOA 2021 é uma vitória importante rumo a concretização de um sonho.

A falta de um censo específico para pessoa com deficiência tem dificultado a adoção de políticas públicas direcionadas a esse segmento.

A ideia do censo é identificar o tipo de deficiência, Região Administrativa com maior concentração, faixa etária, sexo e assim, definir as políticas públicas mais assertivas.

A construção da escola técnica e da unidade de saúde especializada faz parte de uma demanda antiga das pessoas com deficiência, moradoras do Distrito Federal.

A próxima etapa é garantir recursos para execução de tais metas, seja por intermédio de emendas parlamentares ou alocação de recursos do Poder Executivo. Antes dessa vitória do deputado Iolando, mesmo que houvesse recurso não seria possível a execução do censo demográfico ou construção de Centros de referência para pessoa com deficiência, porque não havia previsão na Lei Orçamentária Anual.

Com informações Laezia Bezerra

Fonte: http://egnews.com.br

Carteira Verde e Amarela atenderá 30 milhões do auxílio emergencial

Crédito: Mateus Bonomi/AGIF

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou hoje (30) que o programa para geração de empregos formais, com a retomada do projeto Carteira Verde e Amarela, vai atender cerca de 30 milhões de trabalhadores que estão recebendo o auxílio emergencial de R$ 600, por parcela, pago em razão da pandemia da covid-19. A afirmação foi feita em audiência pública virtual, promovida pela Comissão do Congresso que acompanha a situação fiscal e a execução orçamentária e financeira das medidas relacionadas ao novo coronavírus (covid-19).

Segundo o ministro, com o pagamento do auxílio emergencial o governo descobriu “38 milhões de invisíveis no Brasil”. “Simplesmente não há registro. Isso vai desde a pessoa humilde, do faxineiro, do vendedor de balas nos sinais de trânsito que a gente encontra – ou encontrava – todo dia”, disse.

“Entre esses invisíveis, 8, 9, 10 milhões são realmente muito pobres. Já os outros 25 a 30 milhões são empreendedores, são trabalhadores por conta própria, é gente que está por aí se virando, ganhando a vida, e que vai ser objeto de um próximo programa nosso, que vai ser o Verde e Amarelo, para darmos dignidade a essas pessoas que lutam em defesa da própria vida, da vida das suas famílias e que estão completamente desassistidas pelo estado”, disse, na audiência virtual.

Programas sociais

No dia 9 deste mês, Guedes havia informado que haverá a unificação de vários programas sociais para a criação do programa Renda Brasil, que deve incluir os beneficiários do auxílio emergencial.

Já com o programa Carteira Verde e Amarela, umas das bandeiras de campanha de Bolsonaro, o governo pretende flexibilizar direitos trabalhistas como forma de facilitar novas contratações.

Em novembro de 2019, o governo editou a Medida Provisória nº 905, que criou o Contrato de Trabalho Verde e Amarelo, para facilitar a contratação de jovens entre 18 a 29 anos, mas ela perdeu a validade antes de ser aprovada pelo Congresso, em abril deste ano.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: IstoÉ

Após revelação de falsidades no currículo, Decotelli pede demissão do MEC

Em menos de uma semana no cargo, ele teve o doutorado e o pós-doutorado questionados, além de ter o cargo de professor desmentido

ministro educação DecotelliHUGO BARRETO/METRÓPOLES

Poucos dias depois de ter sido escolhido como o novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli entregou a sua carta de demissão ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A informação foi confirmada por auxiliares do presidente da República. A Secretaria de Comunicação (Secom) do Planalto, porém, ainda não se manifestou.

Segundo pessoas próximas a ele, antes de ir ao encontro do presidente, o professor já teria redigido uma carta pedindo a sua saída do governo.

Decotelli entrou no lugar de Abraham Weintraub, que foi exonerado da pasta após chamar ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de “vagabundos”.

A revelação de uma série de informações incorretas prestadas por Dacotelli sobre sua carreira acadêmica deflagrou uma crise dentro do Palácio do Planalto e o governo decidiu adiar a posse do ministro e fazer um pente-fino em sua carreira.

Após ter o seu doutorado e o seu pós-doutorado desmentidos entre sexta-feira (26/06) e segunda (29/06), nesta terça, foi a vez foi de a Fundação Getúlio Vargas (FGV) informar que, diferentemente do que constava em seu currículo, Carlos Alberto Decotelli não foi pesquisador ou professor da instituição.

Decotelli é próximo de Eduardo Bolsonaro e também do secretário de Alfabetização, Carlos Nadalim, que chegou a ser cotado para a pasta.

Na semana passada, o nome de Renato Feder, secretário de Educação do Paraná, ganhou força, mas ele acabou não sendo escolhido pelo presidente. Ele é um dos cotados para a substituição. O Metrópoles revelou, no entanto, que Feder foi denunciado por uma fraude milionária com governos estaduais quando era administrador de uma empresa.

Os militares do governo apoiam o nome do educador Antônio Freitas, que também estava entre os avaliados antes da nomeação de Decotelli, e de Antônio Testa, que chegou a fazer parte do MEC e foi demitido pelo ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez.

Fonte: Metropoles

CLDF vota reforma da Previdência. Veja o que pode mudar na aposentadoria do servidor

Casa pautou para esta terça-feira (30/06) a análise da proposta do GDF, que deve ser votada até o dia 31/07 sob pena de sanções da União

CLDFFELIPE CARDOSO/ESPECIAL PARA O METRÓPOLES

Incluído na pauta de votações da Câmara Legislativa (CLDF) desta terça-feira (30/06), o projeto que estabelece o desconto linear de 14% para todos os servidores públicos ativos da administração direta, indireta e de autarquias ligadas ao Governo do Distrito Federal (GDF) deve sofrer modificações pontuais antes de ser analisado. A aprovação da reforma da Previdência é necessária para adequação ao texto aprovado pelo Congresso Nacional em 2019.

Os parlamentares não descartam, ainda, sugerir uma tabela progressiva de alíquotas para determinadas categorias, que pode variar de 11% a 14%, o que flexibilizaria o desconto a depender da realidade de cada classe profissional.

“Nossa intenção é construir um texto que prejudique menos possível os servidores do DF. É bom lembrar que a proposta encaminhada pelo governo não mexeria com aposentados por invalidez e de regimes especiais, como os professores, mas para garantir uma segurança, então é importante deixar isso claro no projeto final”, explica o vice-presidente da Casa, deputado Rodrigo Delmasso (Republicanos).

Porém, há dentro das discussões, a ideia de adiar a aplicação da nova regra para janeiro de 2021. “Estamos discutindo o assunto e vendo quais emendas podem ser apresentadas, ou se vai ser apresentado um substitutivo para que o projeto saia de forma sensata, sem prejudicar quem não deve ser prejudicado, como os aposentados e pensionistas com algum tipo de deficiência”, afirmou o deputado Eduardo Pedrosa (PTC), líder do do bloco Brasília em Evolução, um dos mais expressivos da Câmara Legislativa.

Repasses da União

O líder do governo, deputado Cláudio Abrantes (PDT), lembrou que a aprovação do novo texto é obrigatória até o dia 31 de julho, sob pena de a União suspender repasses para o Distrito Federal.

“Essa reforma é um item obrigatório, por conta da reforma feita pela União, e estamos trabalhando para melhorar o texto de forma que não haja prejuízo aos trabalhadores. A Câmara está mais do que disposta a analisar a medida que se faz tão necessária para os ajustes das contas do Distrito Federal, que é o principal objetivo dessa iniciativa”, explicou.

“Os estados tinham de ter reagido na época da tramitação da reforma no Congresso e agora esse preço terá de ser pago pelos trabalhadores, que estão há anos sem reajuste salarial e agora, com essa nova alíquota, terão os salários achatados em mais 3%”, criticou.

Alíquota linear

Em maio, o governador Ibaneis encaminhou para a Câmara Legislativa (CLDF) o texto base para estabelecer o desconto linear de 14% para todos os servidores públicos ativos da administração direta, indireta e de autarquias ligadas ao Governo do Distrito Federal (GDF).

Até então, por meio de circular, o governador havia comunicado que a alíquota seria escalonada e poderia chegar a até 22%, a depender do salário recebido por cada funcionário público, mas a novidade não foi bem recebida pelas entidades que representam os servidores distritais.

Pelos cálculos do GDF, a alíquota de 14% garantirá uma receita mensal em torno de R$ 112 milhões, enquanto a aplicação da progressiva se aproximaria da casa dos R$ 100 milhões. Atualmente, o funcionalismo público local era descontado em 11% do salário bruto, independentemente da faixa remuneratória.

A nova proposta se aproxima do mesmos moldes adotados por outras unidades da Federação. Ainda segundo a justificativa apresentada para o reajuste, a nova alíquota surtirá efeitos somente a partir do primeiro dia do quarto mês subsequente ao da publicação da norma.

Adesão necessária

A adesão à nova modalidade é determinante para que os entes federativos continuem recebendo transferências voluntárias federais e financiamentos de bancos públicos federais. Quem estiver às voltas com déficits e rejeitar a revisão será cortado dos auxílios da União, como o Fundo Constitucional.

“Assim, a elevação da referida alíquota, no âmbito do Distrito Federal, decorre de imposição constitucional, bem como das orientações expedidas pelos órgãos técnicos federais”, justifica o presidente do Instituto Previdenciário dos Servidores do DF (Iprev-DF), Ney Ferraz.

O novo regime entrou em vigor em 1º de março, após a Previdência Social ter editado e publicado uma nova portaria, em fevereiro, com a correção dessas alíquotas.

Aposentados

Em relação aos aposentados e pensionistas, a alíquota de 14% incidirá apenas sobre o valor de provento e pensão que supere o limite máximo estabelecido pelo Regime Geral de Previdência Social (RGPS), que é de R$ 6.101,06. Nesse caso, cada governo levará em conta a totalidade do valor do benefício para fins de definição das alíquotas aplicáveis.

Até então, eram cobrados também 11% sobre a remuneração do excedente do mesmo teto do Regime Geral de Previdência Social (RGPS), de responsabilidade dos aposentados e pensionistas. Naquele cenário, o GDF arcava com 22% sobre a remuneração total desses servidores.

Desde que a portaria foi editada, o governo federal orientou os Executivos estaduais, municipais e do Distrito Federal a aprovarem as mudanças nas respectivas câmaras ou assembleias legislativas até o dia 31 de julho de 2020. A partir da data referendada, teriam o prazo de 90 dias para implementar a nova cobrança.

fonte: Metropoles

Lucia Bessa, Presidente do CD-Taguatinga/CDDF, visita a DEAM II

LUCIA BESSA, PRESIDENTE DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DE TAGUATINGA, VISITA A DEAM II – DELEGACIA ESPECIALIZADA DE ATENDIMENTO Á MULHER, EM CEILÂNDIA – UM SONHO REALIZADO

A Presidente do Conselho de Desenvolvimento de Taguatinga, Presidente da Comissão de Combate à violência Doméstica da OAB Subseção Taguatinga e Presidente do Instituto VIVA Mulher – Direitos e Cidadania, LUCIA BESSA e as Dras. Lúcia Lopes , Fernanda, Claudilene Alves e Ângela Chaves, visitaram nesta quinta-feira (25/06/2020), as dependências da Delegacia da Mulher – DEAM II – Ceilândia.
Recebidas pela delegada chefe, a doutora Adriana Romana e a delegada substituta, Karina Duarte, Lucia Bessa e as demais advogadas ouviram, atentas, os projetos, expectativas e resultados já alcançados nos 17 dias de atuação da DEAM II. As delegadas, informaram que, até a data da visita, a delegacia atendeu 174 mulheres vítimas de violência.
Recebemos com muita alegria e esperança a instalação da segunda Delegacia especializada no atendimento à Mulher, reivindicação antiga das Mulheres do DF, especialmente da região de Ceilândia, local de maior incidência de feminicídios e violência contra a Mulher no DF. É uma grande conquista, fruto de muita luta, afirma Lucia Bessa.
Lucia Bessa, colocou as instituições que representa à disposição, afirmando que a parceria com a população é de suma importância para o combate e enfrentamento á violência contra Mulheres e Meninas.
Segundo a delegada Chefe, Dra. Adriana Romana, a DEAM II, conta com 10 delegados e 38 agentes, 02 viaturas, sendo uma caracterizada e uma descaracterizada.
Conta com instalações completa do IML (Instituto Médico Legal), e duas peritas médicas legistas, a exemplo da Dra. Jaqueline, que recepcionou a comissão de advogadas, com capacidade para oferecer todos os exames necessários.
A DEAM II atuará somente na região administrativa de Ceilândia.
Quanto à abrangência da atuação, a DEAM II atuará somente na região administrativa de Ceilândia. No entanto, segundo a delegada Chefe, todas as mulheres, independente da Região Administrativa que resida, será assistida. A DEAM II irá efetuar o atendimento inicial, os exames necessários, fará os encaminhamentos necessários, inclusive envio das mulheres para casa abrigo e solicitação das Medidas Protetivas de Urgência, e, só depois, os autos serão encaminhados para a delegacia da localidade respectiva, disse Adriana Romana.
Nos colocamos á disposição, sim, e estaremos atentas, vigilantes e fiscalizando o atendimento a todas as Mulheres, pugnando, sempre, pelo fim da violência de gênero, finalizou Lucia Bessa.

Com informações ASCOM/CD-Taguatinga

Fonte: http://egnews.com.br

ENTREVISTA EXCLUSIVA: Erika Filippelli conta sua história ao Olhos de Águia

Entrevista exclusiva ao Blog Olhos de Águia da Secretária da Mulher Erika Filippelli

Notando a aceitação por parte da população e principalmente das mulheres do DF, sobre as ações executadas pela Secretaria da Mulher do DF, resolvi fazer esta entrevista com a secretária Erika Filippelli onde fala com muita presteza e abre as portas do seu gabinete para o Blog Olhos de Águia contando sobre sua estada à frente dessa secretaria.

Erika Filippelli, é publicitária, secretária de Estado da Mulher, presidente do MDB Mulher no DF e tesoureira do MDB nacional, com uma experiência na Secretaria Nacional de Políticas Públicas para as Mulheres (SPM), onde chegou a substituir a secretária nacional da pasta, em 2018, sendo também por mais de dois anos diretora de Articulação e Fortalecimento Institucional na SPM onde passou por grandes desafios na gestão e desenvolvimento de políticas públicas para as mulheres de todo o Brasil, como a Rede Brasil Mulher, uma articulação entre governo federal e diversas organizações privadas que trabalham conjuntamente para melhorar a vida das mulheres.

Foi o segundo nome do primeiro escalão da atual gestão do Governo do Distrito Federal a ser anunciado pelo governador Ibaneis Rocha, no dia 01 de janeiro de 2019.

OLHOS DE ÁGUIA: Secretária, me conte um pouco da sua história em Brasília.

ERIKA FILIPPELLI: Sou filha de nordestinos, meu pai chegou aqui em 1961 e minha mãe veio na década de 70. Nasci, estudei, me formei e casei em Brasília. Amo essa cidade! Sou casada há 17 anos com Roberto Filippelli e somos pais de dois meninos, Enzo e Lucca, de 16 e 11 anos, respectivamente. E apesar de ter escolhido a Publicidade como minha profissão, foi na política que eu me encontrei. Em 2011, assumi a presidência regional do MDB Mulher e a Tesouraria Nacional do núcleo e desde então, tenho lutado pela participação de mais mulheres na política.

OLHOS DE ÁGUIA: A Senhora viveu em um círculo político e é casada com o filho de um político de grande expressão no DF. Isso te incentivou a seguir por esse caminho?

ERIKA FILIPPELLI: Claro que sim. Desde 1996, a realidade da política se fez presente na minha vida. Vivenciei as campanhas, as disputas, a rotina dos meus sogros, mas, apenas a partir de 2010, quando aceitei o convite para coordenar as equipes de campo da campanha do Filippelli/MDB, que eu fui para frente da batalha. Com certeza, essa decisão me permitiu conhecer de perto a realidade das pessoas e também para perceber que poderia ajudar de alguma forma. A campanha de 2010 foi tão marcante que, desde àquela época, a política passou a ser a minha vida, a minha rotina.

OLHOS DE ÁGUIA: Nessa nova fase de mais mulheres na política como é conciliar a maternidade, o cuidado com a casa e ainda ocupar um cargo tão importante como o de Secretaria da Mulher do Distrito Federal?

ERIKA FILIPPELLI: Não é tarefa fácil. As mulheres cumprem, infelizmente, jornada dupla e às vezes até tripla de trabalho, o que as impede muitas vezes de conquistar lugares e posições mais altas, que exijam maior dedicação e disponibilidade. Creio que com o passar do tempo, os papeis serão repensados. Dedico todo o tempo que posso para minha família, mas não posso deixar de reconhecer o apoio que sempre recebi do meu marido Roberto e a compreensão dos meus filhos, que respeitam a missão que assumi e reconhecem a importância do que faço.

OLHOS DE ÁGUIA: Antes de assumir a Secretaria de Estado da Mulher a senhora disputou eleições para Deputada Distrital. Quais lições trouxe dessa campanha?

ERIKA FILIPPELLI: Logo no início percebi que não seria uma campanha fácil então, desde o primeiro dia, decidi que daria o meu melhor. Acordava muitíssimo cedo, dormia de madrugada e fazia questão de cumprir toda a minha agenda com alegria e determinação. Apesar de não ter chegado à vitória, pude conhecer o nosso Distrito Federal de uma outra forma, com um novo olhar, ao aprofundar o conhecimento das demandas de cada setor, assim como conviver com pessoas muito especiais que me apoiaram e foram fundamentais para que eu enfrentasse com alegria essa batalha.

OLHOS DE ÁGUIA: O seu trabalho à frente da Secretaria da Mulher vem sendo muito elogiado. O que tem sido feito em prol das mulheres? Quais os resultados alcançados?

ERIKA FILIPPELLI: De janeiro de 2019 até hoje, foram lançados inúmeros programas como a Rede Sou Mais Mulher, uma articulação que tem por objetivo engajar instituições públicas e privadas para implementarem ações e políticas para mulheres; a criação do espaço Empreende mais Mulher, dedicado à capacitação e também ao acolhimento às mulheres em situação de violência; o programa Amor sem Violência nas escolas; e o Jornada Zero Violência contra Mulheres e Meninas, com o Fundo de População das Nações Unidas como parceiro para alcançar a meta de três zeros até 2030: zero necessidades insatisfeitas de contracepção, zero mortes maternas evitáveis e zero violências ou práticas nocivas contra mulheres e meninas.

Também estamos implantando um sistema para registro de todos os atendimentos realizados pela Secretaria da Mulher; os Centros Especializados de Atendimento à Mulher também foram todos reformados e já iniciamos, inclusive, o processo para a construção de quatro novas Casas da Mulher Brasileira.

No próximo dia 29, será lançado o Observatório da Mulher, um portal inovador que traz estatísticas e informações sobre a realidade da mulher em diversas áreas como Saúde, Educação, Segurança, Trabalho, Assistência Social e Direitos Humanos. Para enfrentar o período de pandemia provocado pela Covid-19, lançamos a campanha “Mulher Você não está Só”, disponibilizando canais de WhatsApp e tele atendimento para as mulheres em situação de violência. No primeiro trimestre deste ano, foram realizados quase 1.400 atendimentos durante a campanha.

Lançamos outro programa, o “Oportunidade Mulher, voltado a incentivar o empreendedorismo e a autonomia econômica das mulheres. A Secretaria oferece cursos gratuitos on line, sobre diversos temas como mídias digitais, finanças, vendas, comunicação, entre outros. Com certeza avançamos muito com esse programa porque, de uma forma muito especial, essa é uma pauta prioritária para o Governador Ibaneis e contamos ainda com o apoio de todos os Secretários do governo que são grandes parceiros e estavam sempre juntos em todas essas conquistas.

OLHOS DE ÁGUIA: E quanto aos seus projetos futuros o que pode nos adiantar?

ERIKA FILIPPELLI: A pandemia do novo coronavírus trouxe ao mundo uma nova realidade e grandes desafios. Para as mulheres, temos que garantir a ampliação da rede de acolhimento e para isso, instituímos o tele atendimento e o acolhimento também via WhatsApp às vítimas de violência doméstica e familiar. Para o futuro, reforço a construção das quatro novas unidades da Casa da Mulher Brasileira nas cidades de Sol Nascente, Sobradinho II, São Sebastião e Recanto das Emas.

OLHOS DE ÁGUIA: Estamos em meio a uma pandemia o que a Senhora pode falar sobre esse momento?

ERIKA FILIPPELLI: Não temos precedentes na história sobre esse tempo que estamos vivendo. Um tempo de insegurança por causa da falta de informações mais precisas do novo coronavírus e também por todo o impacto econômico e social que a pandemia tem causado. Creio que é tempo de nos unirmos, governos, sociedade e organizações.

OLHOS DE ÁGUIA: Como a Senhora tem avaliado a atuação do Governador Ibaneis Rocha?

ERIKA FILIPPELLI: O Governador Ibaneis Rocha agiu rápido, com responsabilidade e muita seriedade. Por esse tempo de trabalho e convivência posso dizer que essas são qualidades que ele sempre apresentou e agora é destaque em todo Brasil. Nesse momento de pandemia, todas as ações são estudadas priorizando sempre a vida, as pessoas e isso é motivo de muita satisfação e segurança para nós que trabalhamos diretamente com ele e para toda população. Creio que o DF encerrará esse ciclo de pandemia como um exemplo para a nossa Nação.

OLHOS DE ÁGUIA: O Governador Ibaneis Rocha luta para que o comércio seja reaberto, a senhora concorda com ele?

ERIKA FILIPPELLI: Pela forma como o Governador Ibaneis Rocha tem agido, com avaliação de dados e atendendo as recomendações da ciência, concordo sim. Todos os protocolos foram criados de forma criteriosa para garantir a segurança e a saúde de todos e também, para que a atividade econômica do DF seja retomada evitando impactos ainda mais drásticos no futuro. Com a consciência e o comprometimento de toda a população, temos como avançar.

OLHOS DE ÁGUIA: Secretária, deixe uma mensagem para as mulheres do DF:

ERIKA FILIPPELLI: Mulheres, Saibam que por iniciativa do Governador Ibaneis Rocha temos uma secretaria de estado voltada para desenvolver ações e políticas para as todas as mulheres do DF, para que tenham a garantia de seus direitos e acesso ao mercado de trabalho, a oportunidade, a políticas de saúde e assistência. Não sofra calada. Você não está só! Acesse os nossos serviços por meio do portal da mulher: http://mulher.df.gov.br  e pelo nosso WhatsApp 99415-0635, peça ajuda, de sua sugestão e participe das nossas ações.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: http://olhosdeaguianoticias.com.br

A união que trará o desenvolvimento para o Itapoã

Hoje (24) quarta-feira, tive a satisfação de receber em minha casa o novo administrador da Cidade do Itapoã, MARCUS VINÍCIUS COTRIM MENDES e seu chefe de gabinete Raimundo Paz. É muito gratificante sentir o reconhecimento do trabalho feito em prol da cidade que se mora.

Falo em virtude de que logo que existe a troca de gestores públicos para administrar a cidade, o nome de Eugênio Piedade é colocado como um dos primeiros a serem visitados. Administradores indicados por diversos parlamentares entram e saem da direção desta cidade.

Em estas visitas que recebo sempre procuro transmitir conhecimento da região e também passar experiencias de quase 40 anos de vida política, desses, 22 anos de morador do Itapoã.

Aos que não tem conhecimento, como empresário da construção civil, prestei diversos serviços relevantes na cidade, tais como a construção da quadra poliesportiva da DF-250, arquibancadas e iluminação do ginásio coberto e outros.

 

Na Área Social reunindo entidades como a Associação dos Deficientes do Itapoã, Associação das Mãezinhas do itapoã que juntas com o Conselho de Desenvolvimento do DF – CDDF fazem um trabalho humanitário como entrega de cestas básicas e o Sopão Solidário.

 

Fui também colaborador do projeto “Troque uma tampinha de garrafa pet por um livro”, trabalho da amiga “LICA”, ação que hoje não vejo mais como prioridade da administração.

Na área de atendimento a jovens da cidade, trouxe os projetos “Superempreendedores” e “5 passos para o Desenvolvimento Econômico”, onde capacitamos e incentivamos diversos jovens de escolas da rede pública da cidade a desenvolverem suas aptidões empreendedoras, onde contamos com a colaboração do seu diretor regional de ensino Sr. Isac, que cedeu todo o apoio para a realização do projeto.

   

Sou totalmente a favor da volta e implantação da Feira do Itapoã (trabalho que sempre lutei juntamente com o amigo Brito).

Relembrando das visitas com os administradores que já passaram pela cidade, como Gesiel, Deliomar, Waldemar e agora Marcus, me sinto muito gratificado e ciente que realmente contribui para o crescimento da cidade.

Gostaria de agradecer ao administrador Marcus e ao seu chefe de gabinete Raimundo pela visita e me colocar juntamente com o Conselho de Desenvolvimento do DF – CDDF à disposição para ajuda-los no que for necessário para o crescimento e uma qualidade de vida melhor para os moradores da nossa cidade. O que me incentiva é reconhecer o alinhamento de ideias que tive com o administrador Marcos, as quais posso dizer: todas elas farão do desenvolvimento da nossa cidade um futuro mais próspero.

Juntos somos mais fortes!

Fonte: http://egnews.com.br

Jaqueline Silva usa outdoor para autopromoção e expõe Ibaneis

Assessoria do governador nega autorização e distrital diz que não é responsável. Fontes ouvidas pela coluna dizem iniciativa é de familiares

Outdoor "sem dono" agradece obra e promove Ibaneis e Jaqueline SilvaMATERIAL CEDIDO AO METRÓPOLES

Um outdoor instalado na entrada de Santa Maria nesta semana anuncia o início da obra de pavimentação da Vicinal-371 na região e agradece a intervenção, que conta com emendas parlamentares da deputada distrital Jaqueline Silva (PTB). Na foto, ao lado dela, aparece o governador Ibaneis Rocha (MDB).

“Asfaltamento da Vicinal 371. As obras vão começar!! Obrigado! Deputada Jaqueline Silva. Governador Ibaneis Rocha”, diz o outdoor. A mesma peça que hoje está na entrada da cidade foi usada no evento que marcou o início da intervenção na VC-371, na quinta-feira (18/06).

MAIS SOBRE O ASSUNTO

A assessoria do governador do DF disse que a iniciativa não tem autorização de Ibaneis e que vai alertar a deputada para retirar imagem do chefe do Executivo local. A questão, porém, é que a distrital não reconhece a autoria do empreendimento, embora ela seja a estrela do cartaz.

Alvo do empreendimento, a obra de pavimentação da VC-371 abrange um trecho de 4 quilômetros. Dos R$ 6,7 milhões destinados para a intervenção, R$ 4 milhões são de emendas parlamentares de autoria de Jaqueline.

Recentemente, o governador mostrou desprendimento em relação à deputada distrital quando trocou o administrador de Santa Maria, na terça-feira (16/06), e tirou de Jaqueline a indicação do comandante da cidade.

Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) informou à coluna, após a publicação desta matéria, que a Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep) vai instaurar um procedimento para requisitar informações sobre o outdoor.

Fonte: Metropoles