AnalíticoAjuda a cidadão pode ser afetada opr disputa entre bolsonaro e governadores sobre coronavírus

Bolsonaro afirmou que alguns estados aumentam artificialmente a contagem de vítimas para justificar as medidas de isolamento social que estão sendo tomadas. As declarações ocorreram em entrevista por telefone ao jornalista José Luiz Datena, do Brasil Urgente, da Band.

— Agora, o que estou vendo também, em alguns estados do Brasil, se eu não estou politizando, se eu for ver, ninguém mais, quase ninguém mais está morrendo de H1N1. Todo mundo é covid-19. Parece que a intenção é de potencializar isso para falar: “Tá vendo, o que eu fiz justificou, morreram tantas pessoas. Se eu não tivesse feito, teriam morrido cinco, 10 ou 20 vezes mais”.

Doria: ‘O mundo inteiro está errado e só o presidente Bolsonaro está certo?’

Depois, voltou a insinuar que estados podem estar fraudando números para fazer “uso político”:

— Procura saber por estado quantos morreram de H1N1 até o momento. Não é que eu queira que tenha morrido, mas ano passado foram 700 pessoas mais ou menos. Vai ter que ter alguém que morreu esse ano disso daí. Se for todo mundo com coronavírus, é sinal de que tem estado que está fraudando a causa mortis daquela pessoas, querendo fazer um uso político de números.

Bolsonaro citou especificamente o caso de São Paulo, que tem o maior número de pessoas com coronavírus e é governado por seu desafeto João Doria (PSDB):

— Em São Paulo não estou acreditando nesses números  — declarou.

‘Mitos’ na Itália

Bolsonaro afirmou que “certos mitos” estão sendo desfeitos e disse que  a maior parte das mortes na Itália não foram realmente causadas pelo coronavírus. Segundo autoridades italianas, 9.134 pessoas já morreram devido à Covid-19.

— O vírus evolui, nós temos informações do mundo todo de como as coisas estão sendo tratadas, inclusive certos mitos nós estamos desfazendo. A questão das mortes na Itália, por exemplo, a maioria das mortes não tem nada a ver com o coronavírus, nada a ver. Eram pessoas que estavam em uma região fria e todos com uma média de idade de 80 anos — disse.

O presidente atribui a informação a um “estudo”, mas não explicou a qual estudo estava se referindo.

— Agora tem estudo dizendo que a grande maioria das mortes na Itália não tem nada a ver com o vírus. Foi uma região específica, mais fria e a idade média dos mortos era de 80 anos. E pessoas com duas, três outras doenças.

Segundo o presidente, algumas pessoas vão morrer de Covid-19 no Brasil, mas essa é a realidade:

— Alguns vão morrer? Vão morrer. Lamento, lamento. Essa é a vida, essa é a realidade. Não podemos para a fábrica de automóveis porque tem 60 mil mortes no trânsito no ano.

A revista científica “The Lancet”, uma das mais renomadas do mundo, citou o presidente Jair Bolsonaro em critica à demora de alguns governos para adotar medidas de isolamento social da população contra a pandemia de coronavírus. A crítica foi feita em um pronunciamento da revista divulgado nesta sexta-feira. Bolsonaro foi o único presidente citado pela publicação.

“Muitos governos federais responderam rapidamente, mas muitos ainda não levam a sério a ameaça da Covid-19 – por exemplo, ignorando a recomendação da Organização Mundial da Saúde contra aglomerações. O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, tem sido fortemente criticado por especialistas da área da saúde e enfrenta uma intensa reação pública por sua fraca resposta”, disse o texto da “The Lancet”.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Ó Globo