26 C
Brasília, BR
quarta-feira, novembro 25, 2020

CDDF de mãos dadas com a Rota do Bem contra o câncer de próstata

O Projeto Rota do Bem em Parceria com Ação do Bem, na pessoa do seu presidente Estevão Reis (@aprovados_secretariosescolares), Conselho de Desenvolvimento do DF – CDDF e Secretaria Executiva de Qualidade de Vida da Secretaria de Economia do DF, realizou na última terça-feira 24/11, palestra sobre prevenção de câncer de próstata e palestra sobre empreendedorismo, autoestima e ferramentas para superar crises, para os colaboradores terceirizados do Anexo Buriti.
@sequalidf, @aprovados_secretariosescolares (Projeto Ação do Bem) e @rotadobemdf (Projeto Rota do Bem) foi criada pensando-se na saúde física, mental e emocional dos funcionários e equipes de trabalho.

Projeto que recicla jeans garante renda a mulheres carentes do Sol Nascente

Movimento Raízes do Sol Nascente, criado na pandemia, tem confecção feita por mulheres em situação de vulnerabilidade que reciclam o jeans

DIVULGAÇÃO/FEHSOLNA

Buscando um maior protagonismo de mulheres em situação de vulnerabilidade social da comunidade, a Federação Habitacional do Sol Nascente (Fehsolna) criou um projeto de moda que recicla roupas jeans, a marca Raízes do Sol Nascente.

“Sem poder sair às ruas para trabalhar, a situação, principalmente das diaristas, que na maioria dos casos são responsáveis pelo sustento de toda a família, estava muito complicada. Resolvemos criar a marca de roupas para ajudar essas mulheres, explorar a criatividade com a confecção das peças e a customização do jeans”, disse a fundadora, presidente da Fehsolna e idealizadora do movimento, Edilamar de Souza e Souza Correia, 48 anos.

A entidade não tem fins lucrativos. Todo o material e jeans usados para as oficinas de costura, são frutos de doações.

“Vimos que a customização estava em alta. As primeiras peças ficaram maravilhosas. Nós aprofundamos os estudos e, hoje, já estamos fabricando jaquetas, coletes, saias, blusas, entre outros itens. Até um vestido de noiva. As peças ficam novas. Também agregamos o artesanato à costura. Tudo isso vai possibilitar o lançamento da Raízes do Sol Nascente”, explicou Edilamar.

As roupas que estão sendo confeccionadas pelo movimento estarão disponíveis para venda após o desfile de lançamento da marca, previsto para ocorrer no próximo dia 5 de dezembro.

Veja imagens do Raízes do Sol Nascente:

Essa é uma nova esperança que surgiu para essas mulheres. Uma nova profissão. Como o mercado de trabalho é escasso, acreditamos que isso trará mais oportunidade de emprego e renda para elas. É um privilegio estar à frente desse trabalho. Percebo a alegria delas em estar dentro desse processo. Queremos que a primeira marca de roupas da nossa cidade possa se expandir e seja reconhecida no mundo todo

EDILAMAR DE SOUZA E SOUZA CORREIA, IDEALIZADORA DO RAÍZES DO SOL NASCENTE

A aluna Corina Batista da Silva, 66, é uma das mais de 40 pessoas que trabalham no projeto. “Comecei a participar há cinco meses. Fiquei sabendo através de uma amiga, que me informou sobre a oportunidade. Logo quis fazer parte. Já fiz coletes e vestidos. Divido a casa com mais quatro pessoas e estamos passando por necessidades. Acredito que esse projeto irá ajudar, com renda para a minha família”, afirmou.

A psicóloga da instituição, Lorrane Miranda, 28, realiza o acompanhamento dos casos e disse que já é possível perceber mudanças comportamentais nas participantes. “O projeto abre portas para que essas mulheres consigam trabalhar; saiam de suas casas e tenham um espaço na sociedade”, destacou.

“Com o Raízes, já conseguimos traçar o perfil das alunas e vamos desempenhar outras atividades em relação ao combate à violência doméstica e incentivo ao empreendedorismo. Muitas chegam aqui sem perspectiva alguma. Aqui, elas se sentem empoderadas e capazes”, acrescentou a psicóloga.

A família da artesã Lucilaneide Oliveira de Faria, 51, é assistida pela Fehsolna há 4 anos. Na reciclagem do jeans, ela construiu um buquê de flores com sobras de tecidos. Antes da ocupação, Neide conta que estava depressiva.

Desfile

O lançamento da marca ocorrerá no primeiro sábado de dezembro (5/12). O evento ocorrerá respeitando os protocolos e medidas de segurança para o enfrentamento da Covid-19. Será em local aberto, arejado, obedecendo a distância mínima de dois metros entre as pessoas e com o uso obrigatório da máscara de proteção facial.

Quem quiser participar ou colaborar pode entrar em contato com a federação. A entidade está localizada na Avenida P1, chácara 160, lote 1, do Sol Nascente. Doações financeiras não são a única forma de ajudar. Diversos estilos de jeans e tecidos variados também são aproveitados.

Os interessados podem acessar a página do grupo no Facebook. Para mais informações, entre em contato pelo WhatsApp: (61) 98482-9790 (Edilamar).

Fonte: Metropoles

Arrecadação de bares e restaurantes do DF cai 44% na pandemia e donos pedem mais flexibilização

Fecomércio pediu ao GDF que regra que estabelece distância entre meses seja revista

Justiça proíbe demissões mais baratas em hotéis, bares e restaurantes do DF

RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES

A pandemia do novo coronavírus fez os lucros dos donos de bares e restaurantes do Distrito Federal recuarem 44%. Levantamento da Secretaria de Economia indica que, de fevereiro a outubro de 2019, o setor arrecadou R$ 3.604.233.530,37. Na comparação com o mesmo período deste ano, amealhou somente R$ 1.999.388.161,43.

O pedido endereçado ao governador Ibaneis Rocha (MDB) propõe mudanças no Decreto n°40.939, de 02 de julho de 2020. Segundo os representantes dos estabelecimentos, mesmo após a retomada das atividades, eles continuam contabilizando prejuízos.

“Ressaltamos ser de fundamental importância a reformulação ora solicitada e dela depende a sobrevivência das empresas do setor, que, no momento, convivem com o aumento de custos e impossibilitadas de ampliar suas receitas com o atendimento”, diz um trecho do ofício.

“O que eu tenho de informação é que ele está consultando as autoridades sanitárias do governo, para dar uma resposta pra gente”, diz Francisco Maia, presidente da Fecomércio, ao Metrópoles.

“Nós fizemos essa carta porque os restaurantes até hoje não recuperaram a capacidade inteira de faturamento, está todo mundo com dificuldades”, explica.

Bares e restaurantes

Presidente do Sindicato Patronal de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Brasília (Sindhobar), Jael Antoônio da Silva afirma que a receita gerada ainda não é suficiente para arcar com os custos. “Apesar de estarmos abertos, não estamos faturando o suficiente. Inclusive, entra agora o pagamento do décimo terceiro. Se não conseguirmos aumentar o faturamento, como vamos pagar os nossos trabalhadores?”, indaga

De acordo com levantamento da categoria, no Distrito Federal existem cerca de 10 mil bares e restaurantes.

“O nosso pedido é de diminuir de 2 para 1 metro. A gente acredita que essa distância, seguindo todo o protocolo – máscara, álcool em gel -, é suficiente para manter a segurança dos clientes e funcionários”, concluiu o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), João Alberto Ribeiro.

Faturamento

Segundo a Secretaria de Economia, os dados de faturamento do setor foram levantados a partir de notas fiscais eletrônicas. A pesquisa indica que o faturamento do setor decresceu a partir de março, chegando ao ponto mais baixo em junho.

Confira:

O que diz o GDF?

Metrópoles entrou em contato com o Governo do Distrito Federal (GDF) para obter informações acerca do trâmite do pedido. “O ofício está em análise na Casa Civil”, informou o governo.

Fonte: Metropoles

CD-Taguatinga-CDDF, apoia e participa de plantio de árvores frutífera no Taguaparque

A presidente do Conselho de Desenvolvimento de Taguatinga, Dra. Lucia Bessa, participou, nesta manhã de sábado, de um movimento belíssimo e de grande importância para a população da cidade: plantio de mais de 400 mudas de arvores frutíferas no Taguaparque.
A ação foi promovida pelas (os) voluntarias (os) e amigas (os) do Taguaparque, apoiada pela Administração Regional de Taguatinga, que assumiram a missão de cuidar do meio ambiente que compõe os 95 hectares de um dos espaços públicos mais apreciados pela população local.
O administrador Bispo Renato, acompanhou todo o movimento.

A população de Taguatinga tem um carinho imenso pelo local e frequentam, assiduamente, com suas famílias.

Para Lucia Bessa, a revitalização do parque, através do plantio, destas arvores frutíferas, garante o bem-estar e a segurança de quem utiliza esses espaços todos os dias, seja para se divertir, caminhar ou fazer exercícios. As árvores são o maior patrimônio ambiental que existe nas cidades. Queremos conscientizar as(os) moradoras (es) da importância da preservação do nosso meio ambiente e natureza, cuidando, assim, do nosso parque”
A coordenadora do Grupo de Voluntários (as) do Viveiro do Taguaparque, a advogada Mayara Coelho, afirmou que a ação teve o apoio “dos viveiros de Águas Claras, Lago Norte e também do projeto Pé de Planta, de Ceilândia”.

Portagem: http://egnews.com.br

Fonte: Ascom CD-Taguatinga

CD-Taguatinga/CDDF em ação

Aconteceu na tarde de hoje (19/10), mais um grave acidente no cruzamento da M Norte, felizmente sem vitimas fatais.

O Vice presidente do CD-Taguatinga Gilberto Barros apresentou pauta para o Portal EG NEWS, onde cobra o Administrador de Taguatinga Bispo Renato o cumprimento de um acordo feito na ultima reunião entre Administração/CDDF.

Diante desse acidente o vice presidente, aguarda uma manifestação por parte do sr. administrador, sobre as demandas apresentadas por Alessandra, e também o fechamento das rotatórias do setor que tem causado grande transtorno, onde acontecem muitos acidentes, levando em conta que a pouco tempo atrás houveram 5 mortes nesta rotatória do amor a massa.
E hoje por pouco não houveram outras mortes.
Gilberto Barros, relembra que na administração da Dra Karolyne estava tudo encaminhado para o fechamento dessa rotatória, isso já no final do governo Rolemberg, aí entrou o governo IBANES Rocha e a Dra Karolyne continuou como administradora e estava quase encaminhado para a execução da obra, quando entrou o Sr. Bomfim que paralisou tudo.

O pedido que a população faz é de fechar esta rotatória, colocar uma faixa de pedestre no local e com isso evitar maiores acidentes.

Outro problema da cidade é que com os movimentos de reformas e obras na Br 070 esse caminho virou passagem de carros que vem do setor O e Águas Lindas, causando muitos transtornos no local, pois os motoristas trafegam em alta velocidade.

Ascom CD-Taguatinga

Fonte:http://egnews.con.br

CDDF e ICSM juntos e solidários com a população de Santa Maria

O Conselho de Desenvolvimento do DF – CDDF, além das liberações de projetos de capacitação de jovens, também pensa no social, e como já vem fazendo mensalmente em entrega de cestas básicas de alimentos e de verduras para as famílias mais necessitadas, fez nesta sexta feira (13/11) mais uma doação de 70 cestas de verduras para famílias de Santa Maria.

O ICSM representada por Alzira Folha, que também é presidente do CD-Santa Maria, agradece a todos por conseguirem fazer esse projeto um sucesso, o entusiasmo, dedicação e a vontade de ajudar o próximo é muito grande entre todos que compõem essa parceria CDDF/ICSM, sinto-me muito gratificada por participar deste projeto, disse Alzira.

“Eu quero agradecer a presidente Alzira e a todos (as) que compõem o CD-Santa Maria e também aos componentes do ICMS, juntos poderemos mudar um pouco a vida dessas pessoas que mais necessitam de ajuda. E agradecer principalmente a eus por tudo o sucesso que tem feito o CDDF alcançar”, Eugênio presidente do CDDF.

Fonte: Ascom CD-Santa Maria

Inteligência Imobiliária e o fim da era do achismo 

A inteligência imobiliária vem para encerrar a era do achismo no segmento, desmontando aquelas avaliações de imóveis realizadas na correria, que erram ao fazer uma leitura de momento do mercado, enviesando a precificação devido à baixa amostragem de dados.Nessa nova era, a ciência está transformando o comportamento humano em números mensuráveis e dados analíticos. E sabe o que isso tem a ver com você? Simples, tudo isso pode ser reutilizado para empoderar pessoas e investidores. Utilizar inteligência imobiliária é estar sempre em busca de conhecimento, de olho nos movimentos do mercado e em suas inovações com o objetivo de obter maior efetividade ao tomar as decisões corretas sem se perder no meio de tantas informações. É por meio de dados confiáveis e consolidados que a inteligência imobiliária possibilita uma visão de longo prazo do comportamento mercadológico, bem como maior precisão nas avaliações e a possibilidade de tratar os imóveis como ativos financeiros, comparando-os de forma objetiva com outras modalidades de investimentos. E como ficariam os dados para precificação sem e com inteligência imobiliária?  Imagine esta cena: um corretor precisando avaliar um apartamento de 3 quartos na Asa Sul resolve compará-lo com outro anunciado na quadra ao lado, com área parecida e a apenas 100 metros de distância. Depois esse mesmo corretor consulta as planilhas da imobiliária e observa que dois outros imóveis similares foram vendidos na mesma região naquele ano e os compara ao primeiro apartamento que ele pesquisou. Sua pesquisa termina adicionando mais 6 ou 10 imóveis de anúncios da região para chegar a uma avaliação. Daí surgem diversos problemas. Primeiro, a amostragem é pequena, pois é realizada com a oferta do momento da avaliação. Mas, naquele momento, podem ter ofertas com preço fora da realidade ou de imóveis com perfil muito diferente ao do imóvel avaliado. Segundo,a escolha dos imóveis de comparação é feita por uma pessoa que, nesse caso, tem o poder de comparar o imóvel pesquisado com outros que estejam com um valor elevado para gerar uma avaliação alta, ou com imóveis de valor menor para gerar uma avaliação com preço menor. Enquanto a inteligência imobiliária utiliza uma grande base de dados, com no mínimo 3 meses de dados acumulados para entender com grande precisão os movimentos do mercado e com inteligência artificial retira da amostra dados que estejam discrepantes ou erradas e leva em consideração o tempo que esses dados estão disponíveis, pois de que adianta avaliar um imóvel comparando-o com um que está com valor elevado e que não está tendo procura ou já está com a venda estagnada há um longo período anunciado. O outro ponto é que o preço é demonstrado de acordo com o perfil do imóvel, evitando assim enviesar o preço e permitindo a análise com transparência. Assim pode-se dizer que a inteligência Imobiliária organiza grandes volumes de dados para alcançar a realidade  O problema das precificações é que ficou humanamente inviável para o profissional calcular sozinho todas variáveis necessárias para uma avaliação correta. O volume de dados necessários para serem levantados, organizados, processados e analisados para uma precificação correta está além da capacidade individual. São centenas de imóveis novos toda semana sendo colocados à venda. Com a inteligência imobiliária é possível empregar tecnologias analíticas modernas para comparar um volume colossal de dados, processando as informações com Inteligência Artificial. O resultado disso são avaliações consistentes que traduzem com grande precisão a realidade do mercado.

Pablo Bueno – MBA em Marketing corporativo / Atuação em incorporadoras imobiliárias do DF/ Presidente Associação Nacional Netimóveis – DF

Jornalista Kellen Cristina Rechetelo exclusivo para o EG NEWS

Fonte: http://egnews.com.br

Mercado Imobiliário – Imobiliária Brasiliense lança aplicativo de Precificação Digital

O aplicativo é público, gratuito e utiliza-se da inteligência artificial para a melhor precisão das informações 

Com intuito de empoderar o consumidor e clientes, sejam eles compradores, inquilinos ou proprietários, a 61 Imóveis criou o Precificador Digital. Um aplicativo que analisa com base em ferramentas estatísticas e utiliza-se da inteligência artificial para acesso a um completo banco de dados dos imóveis anunciados em Brasília.

Com isso consegue determinar com grande precisão o preço de venda ou locação de imóveis com base no perfil e particularidades de cada imóvel. A precificação deve levar em conta as características físicas do imóvel assim como suas características estéticas. O precificador da 61 Imóveis permite a análise do preço para 9 diferentes perfis de imóveis: Original 1, 2 e 3, Semi-Reformado 1, 2 e 3 e Reformado/Novo 1, 2 e 3. Assim o cliente consegue analisar o seu imóvel com grande precisão e se protege na hora de uma negociação.

Nós temos, por exemplo, em um mesmo prédio diferenças de até R$2.000,00 por m2 entre um apartamento original e um outro reformado.  Então é falsa a ideia que um preço médio represente o valor real de um apartamento de 3 quartos com garagem na Asa Sul. “A avaliação Imobiliária hoje é em grande parte um achismo onde o profissional “prova” ao cliente o preço que ele deseja que o imóvel seja anunciado e não o preço que realmente vale gerando perda de tempo no processo de venda ou locação e grande prejuízo financeiro” explica Pablo Bueno, diretor da 61 Imóveis.

Com o Precificador Digital o poder da avaliação migra do profissional imobiliário para o cliente já que a inteligência artificial gera o preço com base na análise de um banco de dados extenso que um ser humano não conseguiria analisar os dados de tantos anúncios com informações e precisão de estatística.

Fonte: Jornalista Kellen Cristina Rechetelo exclusivo para o EG NEWS

Comércio da Asa Sul vive crise com viadutos fechados para obra há 5 meses

Segundo lojistas das quadras 107/108 Sul e 111/112, a demora nas reformas dos elevados tem contribuído para a forte queda nas vendas

Tesourinha 107 Sul interditada

JACQUELINE LISBOA/ESPECIAL METRÓPOLES

Lojistas da Asa Sul passam por transtornos com a interdição de viadutos de tesourinhas para obras há pelo menos cinco meses. Segundo comerciantes das quadras 107/108 e 111/112 Sul, a demora na liberação das pistas situadas embaixo dos elevados tem dificultado a entrada de clientes nas ruas e, consequentemente, contribuído para a queda nas vendas do comércio local.

Flauene Almeida, 32, é supervisora da lanchonete Bolos do Flávio, na 108 Sul. Ela relata que, desde a interdição do viaduto, clientes reclamam da dificuldade para chegar ao local de carro.

“Tem gente que vinha três vezes na semana e, agora, só vem uma, porque pensa na volta que precisa dar para chegar aqui. Infelizmente, temos de esperar alguma conclusão dessa obra para as vendas voltarem ao normal”, comenta.

Também comerciante na quadra, a gerente da loja de utensílios Multicoisas, Meire Sevioli, 46, chegou a gravar um vídeo comentando sobre a situação no local. Veja abaixo:

“Temos clientes fidelidade da loja que não estão conseguindo acesso e reclamam muito. A gente está para enlouquecer. Estamos apavorados mesmo, pois está muito complicado”, disse Meire ao Metrópoles.

Na 111/112 Sul, as obras estruturais no viaduto começaram no dia 15 de julho e foram concluídas em 15 de outubro, de acordo com a Novacap. As reformas urbanísticas, por sua vez, tiveram início nessa segunda-feira (26/10), com serviços de jardinagem, e devem ser entregues “na primeira quinzena de novembro”. Segundo os comerciantes, ao menos quatro estabelecimentos da região fecharam em 2020.

Para Paula Carneiro, 45, dona de uma loja de roupas no local, a obra é necessária, mas a demora na finalização é o que tem preocupado os empresários. “Nós fechamos a loja em março por conta da pandemia. Retomamos em maio e, logo depois dessa volta, eles fecharam a tesourinha”, relata.

“A gente não está suportando mais, porque foi uma coisa atrás da outra. Como a rua fica fechada, o cliente não passa por aqui. Estamos tentando segurar os funcionários, mas no último suspiro já”, afirma.

Morador da Asa Sul, Marcos Simas, 57, é dono da sorveteria Moka’s, que está há 40 anos na 111/112. Neste ano, ele vive o drama de uma crise financeira sem precedentes. “A obra já está pronta, mas essa segunda fase é que demora muito e não conseguimos entender. Por que ainda temos de esperar uma máquina vir recapear uma coisa que já está boa?”, desabafa.

Conforme considera o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do DF (CDL-DF), José Magalhães, “falta celeridade do governo nesse quesito”. “A estrutura [obra no viaduto] precisa ser feita porque, se não cuidamos hoje, amanhã podemos pagar mais caro. Mas a questão é a demora na entrega. Se o cliente que costumava ir na quadra perde esse hábito da compra, para ele voltar depois é mais difícil”, pontua.

“Os bares e restaurantes nessas quadras estão altamente prejudicados. Já tem a questão da pandemia, que leva os estabelecimentos a só permitirem 50% da capacidade. Agora, com isso, tem lugar que você vai e está totalmente vazio. Esses serviços [obras] precisam ser agilizados”, enfatiza.

O que diz a Novacap

Em nota, a Novacap detalhou os dois trabalhos que estão sendo realizados nos conjuntos de viadutos da Asa Sul:

  1. Reforma estrutural: realizada por empresa contratada após processo licitatório. São os serviços de reforço estrutural, revitalização e pintura dos viadutos.
  2. Serviços de urbanização: realizados por equipes compostas por empregados da Novacap, que se revezam entre tesourinhas e serviços emergenciais. São os trabalhos de reforma no pavimento e asfaltamento das vias que passam pelo conjunto de viadutos, plantio de grama, poda de árvores, limpeza, troca ou reforma das bocas de lobo existentes (se necessário) e recuperação das calçadas.  Em parceria com o Detran-DF e o SLU, também são realizados os serviços de implantação da sinalização de trânsito e limpeza geral.

Na Asa Sul, o contrato vigente de reforma de viadutos, com investimento de R$ 3.382.888,95, contemplou as tesourinhas das quadras 103/104, 107/108, 111/112 e 115/116. As das quadras 101/102, 105/106, 109/110, 111/112 (agulinha) e 113/114 serão reformadas por empresa a ser escolhida em uma nova licitação.

  • 101/102: a licitar
  • 103/104: entregue
  • 105/106: a licitar
  • 107/108: obras estruturais concluídas. Iniciadas obras de urbanização, com prazo para entrega de três semanas.
  • 109/110: a licitar
  • 110/111: a licitar (agulinha)
  • 111/112: obras estruturais concluídas
  • 113/114: a licitar
  • 115/116: entregue
Fonte: Metropoles

Empresários de Santa Maria e Gama se reúnem com o Secretário de Empreendedorismo do DF

Setor produtivo de Santa Maria e Gama se reuniram com o Secretário de Empreendedorismo para resolver a situação de empresas que esperam pela regularização há anos

Frazão (presidente da AMPEC Gama), Demerval (presidente da AMPEC SANTA MARIA) e SAMUKA da (Associação dos Empresários de Santa Maria) em reunião com
o Secretário de Empreendedorismo MAURO ROBERTO DA MATA e o Secretário Adjunto MÁRCIO

No ultimo dia 20, o setor produtivo de Santa Maria e Gama se reuniram com o Secretário de Empreendedorismo MAURO ROBERTO DA MATA e o Secretário Adjunto MÁRCIO, para resolver a situação dos empresários que estão aguardando a regularização há anos no programa de incentivo.

Na reunião Frazão (presidente da AMPEC Gama), Demerval (presidente da AMPEC SANTA MARIA) e SAMUKA da (Associação dos Empresários de Santa Maria) enfatizaram a importância da regularização de muitas empresas no programa de incentivo. Ao receber os representantes da classe empresarial da região, o Secretário Mauro deixou bem claro que a orientação do governador IBANEIS ROCHA, é para resolver a situação dos empresários que estão aguardando regularização.

Finalizando a reunião foi firmado entre ambas as partes que serão entregues os primeiros títulos de implantação após a criação do desenvolve DF na ADE do Gama ainda no início do mês de novembro com data a confirmar.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Jornal O Democrata