20 C
Brasília, BR
sexta-feira, abril 3, 2020

O trágico saldo de mortes violentas no Brasil durante os governos de esquerda

‪Nessa contagem, temos 191 mortos e 243 desaparecidos ou tidos como desaparecidos.

Nesse cálculo estão incluídos os que foram executados pelos companheiros por “traição”. E que ninguém investigou.

Para não ir muito longe e falar dos genocídios cometidos pela esquerda no mundo, aqui no Brasil nos governos de esquerda, tivemos cerca de 60 MIL mortes violentas por ano, cerca de 600 mil em dez anos.

E o establishment, por dinheiro, quer a volta disso.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Jornal da Cidade Online

Amiga matou mulher e roubou filho da vítima após fingir gravidez

A suspeita, que teve a prisão preventiva decretada, fugiu da cidade após ser descoberta pela Polícia Civil

Arquivo Pessoal

ARQUIVO PESSOAL

A mulher que foi encontrada morta dentro de casa e teve o filho levado no início deste mês, em Eunápolis, no sul da Bahia, foi assassinada por uma amiga. Segundo a Polícia Civil, ela queria roubar o bebê de 2 meses da vítima, porque fingiu a gravidez para o namorado. As informações são do G1.

A suspeita não teve a identidade revelada, mas confessou a autoria do assassinato de Silvia Letícia Araújo Pacheco por uma mensagem enviada pelo WhatsApp.

De acordo com a reportagem, ela também contou o motivo do crime: enganou o atual namorado e, por isso, decidiu matar Silvia Letícia. O corpo da vítima, encontrado em 4 de janeiro, aparentava ainda sinais de violência.

MAIS SOBRE O ASSUNTO

A suspeita é ex-companheira de um presidiário e fugiu da cidade após ser descoberta. Ela teve a prisão preventiva decretada e é procurada pela polícia.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: Metropoles

“Nem aí para a família tradicional”, diz Mariana Godoy sobre casamento com ex-padre

Crédito: Reprodução/Instagram

Em entrevista exclusiva ao UOL, a jornalista Mariana Godoy, que dedicou mais de 20 anos de trabalho à Rede Globo e resolveu pedir demissão para ir para a RedeTV!, abriu o jogo sobre o casamento com o ex-padre Dalcides Biscalquin, que há 15 anos largou a batina para construir uma família junto com a apresentadora.

“Ele era amigo de um amigo meu, que nos apresentou. Eu dei algumas dicas pro programa que eles tinham. A gente ficou muito próximo. Um belo dia… A única coisa que falei foi: ‘Olha, eu vou te beijar’. Ele sumiu! Ficou uns meses [sumido], tinha vários trabalhos pra fazer em Portugal. Quando voltou, decidiu que queria pedir a dispensa [da Igreja]. Pediu em setembro e a gente se casou em dezembro”, disse Mariana ao UOL.

A jornalista também relembrou que o marido foi alvo de críticas da comunidade católica pela atitude. Uma pessoa conhecida, segundo ela, repassou a informação e fotos do casal para um jornal na época. Mas Mariana garante que são episódios superados. “Vida que segue. Tá cheio de padre por aí. Esse resolveu casar, tchau! Get over! Supera. Eu não ligo para o que as pessoas falam, você não consegue ter uma vida completa, se ficar o tempo inteiro prestando atenção no que os outros estão falando. ‘Ah, a família tradicional católica’. Não estou nem aí!”

Fonte: IstoÉ

Ministro Mandetta entrega a Hospital do Trauma tomógrafo para uso de pacientes do SUS.

A entrega do aparelho de tomografia computadorizada contou com a presença do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, da senadora Simone Tebet (MDB), dos secretários municipal e estadual de Saúde, Marcelo Vilela e Geraldo Resende, e do presidente da Associação Beneficente Campo Grande (ABCG-Santa Casa), Esacheu Nascimento.

Do valor de R$ 1,3 milhão, R$ 700 mil foram recursos de emendas parlamentares dos então senadores Pedro Chaves, Waldemir Moka e Simone Tebet, e R$ 670 mil de contrapartida da Santa Casa.

Os recursos conseguidos junto aos senadores foi através de intermediação feita pelo Rotary Club. Presidente do Rotary, João Miguel de Souza, disse que a entrega do aparelho irá beneficiar muitas pessoas que precisam do exame,

“Hoje é um dia de alegria porque o Rotary está completando 114 anos trazendo esse presente para a Santa Casa e para o beneficio de todos os sul-mato-grossenses”, disse.

Mandetta destacou o trabalho do Rotary em todo o país e ressaltou a necessidade de uma recuperação do Sistema Único de Saúde (SUS) por meio de um plano de melhorias nos hospitais.

TOMÓGRAFO

O tomógrafo computadorizado é utilizado para gerar imagens de Tomografia dos órgãos de pacientes pediátricos e adultos para fins de diagnóstico, incluindo protocolos de cardiologia, equipamento multi-slice helicoidal, capacidade de reconstrução de pelo menos 16 imagens por segundo.

O exame de tomografia computadorizada é o mais eficaz para detectar nódulos, tumores, vasos pulmonares no corpo humano e também no cérebro, conseguindo detectar quaisquer alterações que venham a prejudicar ossos, órgãos, tecidos e outras estruturas do corpo por menores que elas sejam.

Ele acelera o diagnóstico e impede a realização de procedimentos mais agressivos.

Informações Correio do Estado.

Fonte: MS NEWS

Barragem da Vale em Barão de Cocais entra em alerta máximo para risco de rompimento; sirenes são acionadas

Por Humberto Trajano e Luciane Amaral, G1 Minas e TV Globo — Belo Horizonte

Barragem da Vale entra em nível máximo de alerta para o risco de rompimento em MG
Jornal da Globo
Barragem da Vale entra em nível máximo de alerta para o risco de rompimento em MG

Barragem da Vale entra em nível máximo de alerta para o risco de rompimento em MG

Uma barragem da Vale, em Barão de Cocais (MG), entrou em alerta máximo para o risco de rompimento na noite desta sexta-feira (22). As sirenes nas proximidades da Barragem Sul Superior, da mina de Gongo Soco, foram acionadas. Esta é segunda vez que as sirenes foram disparadas em pouco mais de um mês, e moradores já haviam sido retirados de suas casas no dia 8 de fevereiro.

O nível de segurança da barragem que estava em 2 foi alterado para 3. A Prefeitura de Barão de Cocais informou que não houve rompimento.

Muitos moradores não dormiram e passaram a madrugada nas ruas.

Moradores de Barão de Cocais passam madrugadas vigiando nível do Rio São João depois que barragem entrou em nível de alerta — Foto: Danilo Girundi/TV GloboMoradores de Barão de Cocais passam madrugadas vigiando nível do Rio São João depois que barragem entrou em nível de alerta — Foto: Danilo Girundi/TV Globo

Moradores de Barão de Cocais passam madrugadas vigiando nível do Rio São João depois que barragem entrou em nível de alerta — Foto: Danilo Girundi/TV Globo

Em nota, a Vale informou que a medida é preventiva e foi tomada após uma auditoria independente informar à mineradora que a barragem tem “condição crítica de estabilidade”. (Veja íntegra do comunicado no fim desta reportagem).

A orientação para a mudança do nível de alerta partiu da Agência Nacional de Mineração (ANM). De acordo com a agência, o nível 3 significa “rompimento ou risco eminente de romper”.

A barragem é do mesmo tipo da de Brumadinho, que rompeu em fevereiro e matou 210 pessoas. Outras 96 continuam desaparecidas. A estrutura tinha 12,7 milhões de m³. A Barragem Sul Superior tem 6 milhões de m³.

Barragem Sul Superior da Vale, em Barão de Cocais (MG), está com risco de rompimento — Foto: Globocop

Área evacuada

A área mais próxima à barragem foi evacuada no dia 8 de fevereiro, após sirenes serem acionadas pela primeira vez para o risco de rompimento. Moradores das comunidades de Socorro, Tabuleiro e Piteiras, que ficam na zona de autossalvamento, foram retirados de suas casas. Cerca de 150 famílias atingidas – 452 pessoas – foram levadas para hotéis em cidades da região. De acordo com a Defesa Civil, não há ninguém em área de risco.

O prefeito de Barão de Cocais, Décio Geraldo dos Santos, afirmou na noite desta sexta-feira que os moradores que continuam na área secundária “não têm motivo para entrar em pânico”. “Não houve rompimento da barragem, mas precisam ficar alertas”, disse.

A Defesa Civil e Tropa de Choque foram deslocadas para a cidade, onde ficarão de prontidão, caso pessoas que moram na área 2 precisem ser retiradas de casa. Cerca de três mil casas estão na chamada zona de autossalvamento. No local será feito um treinamento de evacuação com os moradores no final de semana, de acordo com a Defesa Civil.

A Barragem Superior Sul está entre as dez que a Vale pretende eliminar. Ela foi construída pelo método de “alteamento a montante”. Considerado ultrapassado e menos seguro do que outras alternativas existentes, ele é o mesmo usado na construção de barragens que se romperam em Mariana, em novembro de 2015, e em Brumadinho, em 25 de janeiro deste ano.

Barragem Sul Superior em Barão de Cocais — Foto: Arte/G1

Barragem Sul Superior em Barão de Cocais — Foto: Arte/G1

São Gonçalo do Rio Abaixo

Segundo moradores de Barão de Cocais, a sirene foi acionada equivocadamente na cidade vizinha de São Gonçalo do Rio Abaixo, onde está o maior empreendimento da Vale em Minas Gerais, a mina de Brucutu. Os moradores saíram de casa, mas já retornaram.

Moradores se desesperam ao ouvir sirenes em São Gonçado do Rio Abaixo
G1 MG
Moradores se desesperam ao ouvir sirenes em São Gonçado do Rio Abaixo

Moradores se desesperam ao ouvir sirenes em São Gonçado do Rio Abaixo

A Vale confirmou que simultaneamente ao acionamento das sirenes em Barão de Cocais foi disparado o sistema de alerta da barragem Sul de Brucutu, em São Gonçalo do Rio Abaixo. Mas, segundo a Vale, o acionamento foi um erro técnico. A Vale informou que não há situação de emergência na localidade e nem necessidade de evacuação (Veja comunicado no final do texto).

Veja comunicado da Vale

A Vale acionou o protocolo para início do nível 3 do Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM) para a Barragem Sul Superior da mina Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG), nesta sexta-feira (22/3).

Essa medida preventiva se faz necessária tendo em vista o fato do auditor independente ter informado a condição crítica de estabilidade da barragem. Com o nível 3, foi acionada a sirene de alerta que cobre a Zona de Autossalvamento (ZAS), como reforço de medida preventiva, já que a evacuação da área próxima à barragem foi realizada em 8 de fevereiro.

A Vale reitera que continua adotando uma série de medidas preventivas para aumentar a condição de segurança de suas barragens.

Importante lembrar que a Barragem Sul Superior é uma das dez barragens a montante inativas remanescentes da Vale e faz parte do plano de descaracterização anunciado pela empresa.

Veja comunicado da Prefeitura

A Prefeitura de Barão de Cocais informa que, por orientação da Agência Nacional de Mineração (ANM), o nível de alerta da Barragem Sul Superior da Mina do Gongo Soco passou para Nível 3. A informação que temos até o momento é do toque protocolar das sirenes do Gongo, mas sem sinais de rompimento.

A Defesa Civil do Estado já está a caminho do município e a qualquer momento divulgaremos mais informações sobre as razões para a elevação do nível de alerta.

Reforçando que a Defesa Civil de Barão de Cocais já está de plantão e a postos para toda e qualquer ação necessária.

Veja comunicado da Vale sobre a barragem Sul de Brucutu, em São Gonçalo do Rio Abaixo

A Vale informa que simultaneamente ao acionamento das sirenes em Barão de Cocais, na noite desta sexta-feira (22), foi disparado o sistema de alerta da barragem Sul de Brucutu, em São Gonçalo do Rio Abaixo.

O acionamento em São Gonçalo do Rio Abaixo foi um erro técnico. Portanto, não há situação de emergência nessa localidade e nem necessidade de que as comunidades da região seja evacuadas.

Assim que a situação foi identificada, a correção foi imediatamente feita pela área técnica.

A Vale reitera que não houve alteração no nível de segurança da barragem Sul de Brucutu e que os moradores de São Gonçalo do Rio Abaixo podem manter a tranquilidade.

Fonte: G1

CGU aponta falhas e irregularidades no Mais Médicos

CGU aponta falhas e irregularidades no Mais Médicos
Karina Zambrana /ASCOM/MS

Entre os principais problemas relatados pelo trabalho está a falta de transparência e de comprovação do uso dos recursos repassados pelo Ministério da Saúde

O organismo internacional, também escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) e parte da Organização das Nações Unidas (ONU), é responsável por recrutar profissionais estrangeiros para trabalhar no País na atenção básica, sobretudo em regiões onde há dificuldade de preenchimento de vagas com profissionais brasileiros. Análises de contratos que estavam em vigor entre setembro de 2013 e março de 2016 mostram que, dos R$ 4,1 bilhões repassados para a Opas como adiantamento, R$ 316 milhões não foram usados no período determinado. “Até agora, não houve nenhuma comprovação de que esses recursos teriam sido compensados em contratos posteriores”, afirmou o coordenador-geral de auditoria da área de saúde da CGU, Alexandre Gomide Lemos.

Nesse montante constam, por exemplo, verbas repassadas para a Opas para a contratação de médicos. A auditoria da CGU identificou que entre fevereiro e novembro de 2015, a meta de preenchimento de postos não foi alcançada. Na ocasião, 1.750 vagas não foram preenchidas. “Tais problemas podem ocorrer. Mas o natural é que haja, em contratos seguintes, uma compensação com o adiantamento não utilizado”, completou Gomide Lemos. O exemplo é um abatimento nos valores seguintes. “Mas até agora não foi demonstrado se tal reprogramação foi realizada.”

Passagens

As análises mostraram ainda um descompasso entre os valores de passagens pagos pela Opas e pelo Ministério da Saúde. Uma comparação mostrou que, em trechos semelhantes e nos mesmos períodos, passagens declaradas pela organização para voos nacionais custaram R$ 34,8 milhões a mais do que voos declarados pelo Ministério da Saúde. A diferença entre passagens internacionais foi ainda maior: R$ 44,8 milhões a mais. As passagens são compradas para deslocamento de profissionais que integram o Mais Médicos.

Técnicos da CGU avaliam ainda que as prestações de contas realizadas pelo organismo internacional foram feitas de forma genérica, sem o detalhamento necessário para poder fazer um acompanhamento adequado dos gastos. Auditores apontam, por exemplo, a ausência de documentação para comprovar deslocamentos realizados pelas equipes. “As observações são feitas há algum tempo ao Ministério da Saúde. Por enquanto, não houve mudanças”, disse Gomide Lemos.

Questionada, a Opas afirmou que ainda não havia tido acesso ao relatório e, por isso, não poderia fazer nenhum comentário. O organismo argumentou que formatos de prestação de contas variam de governo para governo e ressaltou que anualmente a entidade passa por auditorias internas e externas. Disse ainda que todos os relatórios financeiros do organismo estão disponíveis em seu site.

A auditoria da CGU diz considerar, no momento, os R$ 316,6 milhões destinados como adiantamento para a Opas como “potencial prejuízo” para os cofres públicos. “É preciso saber se houve efetiva reprogramação e uso desse valor”, completou. Ao longo das auditorias, a CGU fez 19 recomendações para o Ministério da Saúde relacionadas ao Mais Médicos. Dessas, apenas 5 foram consideradas atendidas.

Nacionais

As falhas nos mecanismos do Ministério da Saúde para monitorar o funcionamento do programa e o pagamento de despesas identificadas pela auditoria não se resumem ao termo de cooperação com a Opas. A CGU também registrou falhas graves para o uso de recursos na contratação de despesas de médicos formados no Brasil ou com diploma obtido no exterior validado no País.

Os dados mostram que, de um montante de R$ 87 milhões, R$ 2 milhões foram pagos indevidamente. “São pagamentos em valores em desacordo com a faixa determinada, para profissionais que já se desligaram do programa ou até mesmo que não constavam na lista de participantes do Mais Médicos”, relata o chefe de divisão da área de saúde da CGU, José Garibaldi Souza.

Além da aplicação de recursos, a auditoria apontou desobediência de critérios estabelecidos para a ocupação de vagas. Áreas consideradas mais vulneráveis e, portanto, prioritárias para o preenchimento com profissionais, foram as menos beneficiadas com o Mais Médicos.

Outra falha foi a substituição de equipes de atenção básica por médicos do programa. De acordo com a auditoria, de 222 equipes de Saúde da Família avaliadas na amostra, 44 tiveram a substituição de um profissional da equipe por um do Mais Médicos.

Em nota, o Ministério da Saúde afirmou que vem respondendo às recomendações da CGU. De acordo com a pasta, o prazo para as melhorias vai até outubro deste ano. O ministério afirmou já ter requisitado o ressarcimento dos valores pagos indevidamente e ressaltou que vem “implementando mecanismos de monitoramento e controle para não reincidência dos fatos”. A pasta afirmou ainda que criou um grupo de trabalho para analisar os dados de prestação de contas a cada seis meses.

Aceitação

Criado em 2013, para tentar driblar a falta de médicos na atenção básica, sobretudo em áreas mais distantes, o Mais Médicos ganhou rapidamente apoio da população e, sobretudo, de prefeitos – que passaram até a defender a ampliação de postos. Isso porque a iniciativa, além de trazer uma melhora no atendimento, ajudou a reduzir custo de prefeituras – as bolsas dos médicos integrantes do programa são financiadas pelo Ministério da Saúde.

A boa aceitação, no entanto, não foi consenso. Logo no início do programa, entidades de classe questionavam a iniciativa, a qualificação de profissionais estrangeiros recrutados para participar do programa e, sobretudo, as dificuldades que poderiam surgir na comunicação entre o médico estrangeiro e o paciente.

A auditoria da Controladoria-Geral da União, no entanto, mostrou que esse último receio era infundado. Em uma pesquisa feita com 1.064 pacientes, ficou demonstrado que a comunicação é muito boa. Somente 2% dos pacientes afirmaram que o idioma acabou trazendo prejuízos para o atendimento.

Exemplo

No Brasil desde junho deste ano, o médico cubano Yacer Diaz Fernandez comprova a estatística. À frente da Unidade Básica de Saúde de Brazlândia, cidade a 50 quilômetros de Brasília, desde julho deste ano, Fernandez já mostra desenvoltura para conversar com os pacientes. “Nas primeiras duas semanas, tive o auxílio da equipe”, conta. Durante esse período, a enfermeira Sílvia Menezes esteve ao seu lado em todos os atendimentos. “Mas não era preciso, ele já chegou com um português fácil de ser entendido”, diz ela.

Antes de se mudar para o Brasil, Fernandez fez cursos de português em Cuba, durante o treinamento. Ao chegar em Brasília, durante um curso oferecido pela Opas, a ênfase maior foi com questões ligadas à saúde do País. “Ali a preocupação não era o português.”

Hoje, ele atende entre 25 e 40 pacientes por dia na UBS. “Os problemas maiores são doenças crônicas que fogem do controle, por falta de adesão ao tratamento”, sentencia.

Sílvia não fica mais a seu lado durante os atendimentos feitos no local. “O progresso foi imenso. Pacientes sempre falam devagar. Mas agora nem isso é necessário”, avalia a enfermeira.

Fonte: Agência Estado

Governo publica MP que transfere Coaf para o Banco Central

O novo órgão vai se chamar Unidade de Inteligência Financeira e terá o presidente e conselheiros indicados pelo próprio BC

Raimundo Sampaio/Especial para o MetrópolesRAIMUNDO SAMPAIO/ESPECIAL PARA O METRÓPOLES

O ato é assinado por Jair Bolsonaro (PSL), presidente da República; Paulo Guedes, ministro da Economia; e Roberto Campos Neto, titular do BC.

mudança do Coaf para o Banco Central já havia sido decidida pelo chefe do Executivo nacional com o objetivo de retirar o órgão de fiscalização financeira do “jogo político”. Anteriormente, o Coaf estava sob os cuidados do Ministério da Justiça, mas foi transferido para a pasta da Economia com a aprovação da MP da reforma administrativa no Congresso.

“A Unidade de Inteligência Financeira é responsável por produzir e gerir informações de inteligência financeira para a prevenção e o combate à lavagem de dinheiro, ao financiamento do terrorismo e ao financiamento da proliferação de armas de destruição em massa e promover a interlocução institucional com órgãos e entidades nacionais, estrangeiros e internacionais que tenham conexão com a matéria”, diz o texto do documento.

Com a transferência, o Banco Central ficará responsável por nomear o presidente do órgão e os conselheiros.

Por fim, a MP determina que os ministérios da Economia e da Justiça e Segurança Pública prestem apoio técnico e administrativo ao órgão de fiscalização.

Fonte: Metropoles

Gustavo Bebiano ex-aliado do presidente Bolsonaro morre de infarto fulminante

Ex-secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno morre aos 56 anos

Resultado de imagem para gustavo bebiano
O ex-ministro Gustavo Bebianno morreu aos 56 anos após ter um infarto fulminante na madrugada deste sábado em seu sítio em Teresópolis. Coordenador da campanha de Jair Bolsonaro em 2018, ele era pré-candidato a prefeito pelo PSDB no Rio.

As informações são do presidente estadual do PSDB no Rio, o empresário Paulo Marinho. Bebianno estava em casa com seu filho quando se sentiu mal, por volta das 4h, Ao ir ao banheiro tomar um remédio, ele desmaiou.

Bebianno foi levado para um hospital da cidade, onde morreu. Ainda não há informações sobre o velório.

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: IstoÉ

Filho de Flordelis e Anderson: “Dói muito, ela é minha mãe”

Daniel saiu da casa dos pais após a morte de Anderson do Carmo

Ato de homenagem ao pastor Anderson do Carmo aconteceu neste domingo Foto: Pleno.News

Familiares e amigos do pastor Anderson do Carmo prestaram homenagem ao religioso neste domingo (21), em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O ato foi organizado por três filhos de Anderson e Flordelis. Durante a homenagem, o filho biológico do casal, Daniel dos Santos de Souza, de 21 anos, que teria saído da casa da mãe, falou sobre Flordelis.

– Dói muito, pois ela é minha mãe. A gente organizou esse ato em homenagem a nosso pai. Acabaram de destruir esse sonho que ele tinha [construir a igreja]. Estamos aqui lutando por ele, e por ele vamos lutar por justiça – disse o rapaz em entrevista para a Folha de São Paulo.

Flordelis justifica ausência em homenagem a pastor
Mãe de Anderson do Carmo: “É angustiante. Estou doente”
Mais um filho rompe com Flordelis e sai da casa dos pais

Outro filho do casal, Alexander Felipe Matos Mendes, também conhecido como pastor Luan, deixou a congregação que Carmo e Flordelis mantinham juntos.

– É impossível dizer que ela esteja envolvida. Mas, como falei, seja quem for [culpado], não pode acabar em pizza. A gente não pode deixar que isso aconteça – afirmou o pastor.

Apesar disso, ele evitou culpar a mãe pela morte do pai.

– A gente não está dizendo aqui que ela é culpada, embora ter um culpado ou os culpados seja importante. Queremos que a polícia esclareça tudo. Pedimos justiça, e que a verdade prevaleça – declarou.

Terceiro filho que se afastou da congregação Ministério Flordelis, Vagner de Andrade Pimenta, também conhecido como vereador Misael, evitou falar em rompimento.

– Não tem rompimento. Queremos justiça, é verdade. Não estamos rompidos. Se todos nós queremos a verdade, era para todos estarmos aqui. O ato é em memória do meu pai, essa igreja era o sonho dele. Ele tinha expectativa de construir a igreja até setembro. Que a justiça e a verdade prevaleçam, seja quem for – afirmou o vereador.

Já a mãe de Anderson do Carmo admitiu que não tem mais contato com Flordelis desde a morte do filho.

– Não sei se ela [Flordelis] tem envolvimento. Nós não sabíamos de nada. Eu quero justiça, eu quero muita justiça pelo que fizeram com ele. Por que fizeram isso? Um pedaço de mim foi arrancado. Não houve nenhuma consideração com a família dele – apontou.

O CASO
O pastor Anderson do Carmo foi assassinado na madrugada de domingo (16) na garagem de casa, em Pendotiba, Niterói (RJ). O laudo mostrou 30 perfurações pelo corpo, a maior parte nas costas, peito e região da virilha. Anderson era casado há 25 anos com Flordelis, pastora e deputada federal pelo Rio de Janeiro. Sempre ao lado da esposa, ele atuava como secretário-geral do PSD no Estado.

Dois filhos da pastora estão presos preventivamente, Lucas dos Santos, de 18 anos, e Flávio dos Santos Rodrigues, de 38 anos. O mais velho assumiu ter efetuado seis tiros. Lucas teria ajudado comprando a arma, mas não estaria em casa no momento dos disparos. Os agentes ainda estão investigando os pontos contraditórios.

Um terceiro filho teria afirmado, em depoimento, que não ouviu discussão, barulho de carro ou moto em fuga. Que quando chegou na cena do crime encontrou o irmão Flávio próximo ao pai, caído. Ele garantiu ainda que o celular de Anderson, que está sumido, foi entregue a Flordelis.

Ainda em depoimento, o filho disse que o pastor já recebeu uma mensagem com ameaça de morte e uma das irmãs ofereceu R$ 10 mil a Lucas para que cometesse o crime. Flordelis e três filhas já teriam colocado remédios na comida de Anderson, por isso, sua saúde estava debilitada.

Fonte: Plano.News

Após relator votar pela redução da pena de Palocci, pedido de vista suspende julgamento

Após relator votar pela redução da pena de Palocci, pedido de vista suspende julgamento

(Arquivo) Foto mostra o ex-ministro Antonio Palocci chegando ao Instituto Médico-Legal de Curitiba, em 26 de setembro de 2018 – AFP

O relator da Operação Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, desembargador João Pedro Gebran Neto, votou nesta quarta-feira, 24, pela progressão da pena do ex-ministro Antonio Palocci (governos Lula e Dilma) para o regime semiaberto domiciliar, com o uso de tornozeleira eletrônica.

Gebran Neto, inicialmente, se manifestou pelo aumento da pena imposta a Palocci pelo juiz Sérgio Moro (12 anos e 2 meses de reclusão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro) para 18 anos. Em seguida, o magistrado votou pela redução à metade (9 anos e 10 meses), levando em conta a delação premiada de Palocci fechada com a Polícia Federal. O julgamento, no entanto, foi adiado para o dia 28 de novembro, com pedido de vista do desembargador Leandro Paulsen.

Palocci está preso desde setembro de 2016, alvo da Operação Omertà, desdobramento da Lava Jato. O juiz Moro o condenou em uma primeira ação a 12 anos e dois meses de reclusão.

O colegiado julga apelo do ex-ministro contra sua condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A defesa pede que sejam concedidos a ele os benefícios de sua delação premiada, já homologada pelo desembargador Gebran.

Os advogados de Palocci já citaram em recurso que o ex-ministro prestou 141 horas de depoimentos no âmbito da Lava Jato, além de ter entregue diferentes tipos de provas, como contratos simulados, rastreadores e veículos, e a indicação de três testemunhas que teriam presenciado ilícitos.

No mesmo julgamento, o braço-direito do ex-ministro, Branislav Kontic, teve sua absolvição, já proferida pelo juiz Sérgio Moro, confirmada pelo relator da Lava Jato no TRF-4. Também, neste caso, o julgamento só será concluído no dia 28.

Depoimentos. Nos autos de ação na Lava Jato em que o ex-presidente Lula é réu por supostos R$ 12,5 milhões da Odebrecht, um dos termos do acordo foi tornado público pelo juiz federal Sérgio Moro.

O anexo narra suposto loteamento de cargos na Petrobrás em troca do abastecimento de campanhas políticas.

O ex-ministro reafirmou que Lula ‘tinha conhecimento, desde 2007’, de supostos esquemas de corrupção na Petrobrás. Palocci revelou que 90% das Medidas Provisórias nos governos do PT estavam relacionadas ao pagamento de propinas e ainda disse que as campanhas que elegeram a ex-presidente Dilma Rousseff, em 2010 e em 2014, custaram R$ 1,4 bilhão, valor bem acima do declarado ao Tribunal Superior Eleitoral.

Os demais anexos da delação de Palocci permanecem sob sigilo.

O criminalista Tracy Reinaldet, que defende o ex-ministro Antonio Palocci, informou que “a defesa vai aguardar o término do julgamento para se pronunciar”.

“O que eu posso dizer, primeiro, é que tecnicamente, a Câmara é de um nível superior. E, em segundo lugar, que o voto do relator realizou a justiça em relação ao Branislav, que já tinha recebido justiça com a decisão do Moro”, diz o advogado José Roberto Botochio, que defente Brani.

Fonte: IstoÉ