23 C
Brasília, BR
segunda-feira, outubro 14, 2019

Os erros de “Luis” por Marieta Severo

Resultado de imagem para marieta severo e lula

Sensacional…Marieta Severo!
“Os erros de Luís!
Você errou, Luís…
Errou na mão, errou na dose, errou no tempo, errou na história…
Contra todo e qualquer argumento, Luís, você teve a oportunidade histórica de fazer diferente…
Mas escolheu fazer igual, escolheu piorar o que sempre criticou…
Esqueceu suas raízes, suas origens humildes e se aliou aos poderosos de plantão…
Esqueceu os seus amigos antigos e olhando apenas pra o próprio umbigo, Luís, abraçou a traição…
Você errou Luís…
Errou feio…
Errou no mensalão, errou no petrolão, errou ao escolher e defender Dilma e ao andar na contra-mão…
Errou ao deixar seu filho ser o “fenômeno” executivo de plantão…
Errou ao deixar o poder e a glória lhe subir a cabeça…
Errou mais ainda ao deixar que o dinheiro e a fama congelassem seu coração…
Errou em Santo André, no São Francisco, no Rio de Janeiro, em Atibaia, em Guarujá, em todo o país…
Errou na presunção de não ter ninguém à altura de sua luz…
Errou quando se equiparou em honestidade a Jesus…
Errou de forma tropega e infeliz…
Você errou muito Luís…
Errou quando transferiu a culpa pra gente que não podia mais se defender…
Celso Daniel, Marisa Letícia, acusados depois de morrer…
Errou quando disse que nada sabia, quando cinicamente mentia, insistia em não se envolver…
Errou quando foi incapaz de reconhecer um erro sequer, seu ou de seu partido…
Dos genuínos dólares na cueca às reformas e imóveis dos quais “nunca tinha ouvido”…
Como você errou Luís…
Errou ao perder um dedo, ao fazer segredo de sua voraz ambição!
Errou ao se achar “o cara”, errou na auto-vitimização!
Errou ao elogiar Chaves, Evo, Maduro, errou na manipulação…
Errou com os companheiros Dirceu, Palocci, Delcídio, Vaccari, Vargas, deixando todo mundo na mão…
E na prisão!
É Luís…
De tanto que errou, você tanto fez, que agora é a bola da vez…
Na marola do mar de lama em que se transformou o seu tempo no poder, não tinha mais como se esconder…
E embora o fanatismo de uns, o ego de outros e o interesse de tantos ainda tentem lhe absolver,
mais do que uma pena, você é digno de pena, Luís…
Todos que lhe conhecem sabem muito bem que seu maior crime foi um assassinato!
Foi você, Luís, e só você que matou o Lula…
E ao matar o Lula voce aniquilou a mais bonita militância política que um partido já teve neste país…
Uma militância legítima, espontânea, verdadeira…
Não a que você conseguiu transformar em gente paga, com pão e mortadela…
Você errou Luís…
E já passou da hora de pagar as contas por seus erros…
Quem sabe, em sua arogância insana, você até se sinta feliz…
Afinal você vai em cana! E cana é tudo o que você sempre quis!”
Marieta Severo
Fonte: Facebook

Homem que abusou de bebê de apenas alguns meses de vida é encontrado morto

O homem que aparece em vídeo abusando de bebê foi encontrado morto na cidade de La Paz, capital na Bolívia.

Segundo informações, o homem identificado apenas por “Branco” pode ter sido vítima de justiceiros que se revoltaram com o crime cometido por ele, que aparece em um vídeo abusando de um bebê de apenas alguns meses de vida.

O vídeo viralizou bastante nos grupos de Whatsapp, circulando por todo o mundo e revoltou muitas pessoas pela monstruosidade cometida pelo homem.

A cena é muito forte, um homem aparece abusando um bebê de apenas alguns meses de vida. nas imagens não mostra o rosto do abusador, o que dificultou a identificação. O vídeo é tão estarrecedor que muitos preferem não ver e se revoltam com outros usuários que o compartilham.

De acordo com as informações, Branco estaria preso no presídio de San Pedro, em La Paz na Bolívia e teria abusado da criança naquele local, após cometer a barbaridade ele teria fugido. A prisão é governada pelos presos, e os mesmos podem trazer suas famílias para morar junto com eles dentro da unidade prisional.

Localizada no oeste da Bolívia, na cidade de La Paz, o presídio de San Pedro tem drogas sendo fabricadas em massa e crianças circulando livremente, enquanto os presidiários convivem com um dia-a-dia no meio dos presos.

Fonte: P Painel

MUDA JUSTIÇA: Pai que matou após filha ser estuprada é condenado a 18 anos de prisão

‘Fiquei cego e não vi mais nada’, disse homem em julgamento

Os jurados não acolheram a tese da defesa, de que o réu agiu por violenta emoção e de acordo com a sentença, pronunciada pelo juiz Carlos Alberto Garcete, Wanderley foi condenado pelo crime de homicídio qualificado pelo motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Como respondia o processo em liberdade, Wanderley deve aguardar o tramite judicial, até o cumprimento da pena, usando tornozeleira eletrônica, conforme determinado pelo juiz. A decisão cabe recurso.

(Henrique Arakaki, Midiamax)

Ouvido no julgamento desta quinta, Wanderley disse que no dia do crime tinha ido fazer feira com a esposa e quando voltou para sua residência encontrou a filha abrindo o portão para Roni. A menina estava com semblante de choro, sendo questionada pelos pais o que havia acontecido, momento em que ela falou que tinha sido estuprada pelo rapaz.

“Perguntei para ele se havia feito mesmo aquilo e quando me respondeu que sim, eu perdi a cabeça”, disse Wanderley aos jurados. Após a confirmação de Roni, o homem mandou que a esposa e a filha fossem para a casa de sua sogra, sendo que depois da saída das duas ele entrou em luta com o rapaz.

O réu ainda contou que amarrou Roni pelos pés e mãos e colocou uma toalha na sua boca para ele não gritar o colocando dentro da camionete S-10. Ele, então, saiu sem rumo e ao chegar a um lugar isolado tirou Roni do carro. Quando viu umas pedras no chão desferiu golpes contra a cabeça da vítima, que teve o rosto desfigurado. O corpo de Roni foi encontrado dias depois em avançado estado de decomposição na MS-080.

“Quero ver qual pai chega em casa, ouve a filha falar que foi estuprada, sai e vai em uma delegacia registrar um BO. Qualquer um que passar por isso faria o mesmo que eu fiz”, disse Wanderley depois de contar como assassinou Roni. O réu se disse arrependido do crime afirmando que depois disso a sua vida acabou.

Ele confessou o crime em 2014 após a polícia reunir provas indicando ele como autor do assassinato. A vítima do abuso, que hoje está com 20 anos, teria tentado se matar meses depois de ser estuprada tomando vários remédios. Após o estupro, o comportamento da menina mudou ficando mais quieta e chorosa, segundo a mãe.

Postado: http://egnews.com.br

Fonte: Midiamax

Vítimas sequestram e agridem golpista acusado de fraude milionária

Alvo de cinco inquéritos instaurados pela Polícia Civil, Marlon Gonzalez foi ameaçado e obrigado a transferir R$ 152 mil em bitcoins

Facebook/ReproduçãoFACEBOOK/REPRODUÇÃO

Apontado pela Polícia Civil (PCDF) como um dos maiores estelionatários do Distrito Federal, tendo provocado prejuízos milionários a investidores do mercado financeiro e de moedas digitais, Marlon Gonzalez Motta, 23 anos, foi sequestrado por dois empresários na manhã do último domingo (25/08/2019), quando deixava uma festa realizada na Associação dos Servidores da Câmara dos Deputados (Ascade), no Setor de Clubes Sul.

Investigadores da Divisão de Repressão a Sequestros (DRS) da Polícia Civil indiciaram os dois empresários, que renderam Gonzalez com pistolas, então o levaram para um cativeiro e o obrigaram a transferir R$ 152 mil em bitcoins para carteiras criptografadas. Os autores do rapto são credores do golpista e haviam sido enganados por ele em uma transação envolvendo moedas virtuais.

As fraudes cometidas por Marlon foram reveladas em duas matérias publicadas pelo Metrópoles nos dias 25 e 26 de agosto. O estelionatário viaja o mundo em jatos particulares, hospeda-se em hotéis luxuosos e chegou a gastar R$ 100 mil em uma balada. No entanto, por trás da ostentação está um rastro de golpes que ultrapassa a casa dos R$ 3 milhões, segundo apuração da polícia. Fingindo ser um megainvestidor, Marlon usa a lábia para convencer operadores financeiros a pagarem fortunas em transações envolvendo moedas virtuais.

Quando foi rendido, Marlon estava na companhia de três seguranças armados. De acordo com a apuração da DRS, os suspeitos abordaram Marlon e os vigilantes quando eles estavam dentro do carro. Em seguida, o golpista foi levado para um cativeiro, no subsolo de uma empresa na Asa Norte.

Durante o percurso, Marlon recebeu coronhadas na cabeça. Ameaçado e sob a mira de duas pistolas, ele foi obrigado a fazer uma transferência de bitcoins para duas contas ainda não identificadas. O valor de R$ 152 mil, supostamente, teria sido a quantia que os sequestradores haviam perdido em um golpe praticado pelo jovem. Depois que confirmaram a transferência, eles obrigaram Marlon a trocar de roupa, pois a que usava estava suja de sangue.

Em seguida, eles chamaram um motorista de aplicativo, levaram Marlon até a Asa Sul e o abandonaram próximo a uma unidade de saúde particular no Setor Hospitalar Sul. Assim que foi libertado, os seguranças de Marlon registraram a ocorrência na 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul), que repassou o caso para a DRS.

Na manhã seguinte ao sequestro, os investigadores identificaram e prenderam os suspeitos de cometer o crime. Quando entraram no local onde Marlon havia sido mantido refém, os policiais flagraram um dos supostos sequestradores limpando as manchas de sangue que havia no chão, provocadas pelo espancamento sofrido pelo estelionatário.

Os policiais ainda apreenderam um HD com imagens de câmeras de segurança, as quais mostram a ação dos autores. Os empresários foram identificados e permaneceram em silêncio durante os interrogatórios. As armas utilizadas no crime foram apreendidas, além do veículo usado na abordagem.

Os golpes

Marlon Gonzalez responde a cinco inquéritos, por crimes como estelionato, associação criminosa, denunciação caluniosa, falsa comunicação de crime e fraude a seguro. Ele entrou no radar da 17ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Norte) quando um amigo do falsário começou a ser investigado por usar a identidade funcional de outra pessoa. Entre os documentos apreendidos com o suspeito, os policiais encontraram papéis com o timbre da empresa M3 Private, de propriedade de Marlon.

Marlon teria usado o mesmo modus operandi utilizado para lesar investidores chineses e brasileiros que perderam R$ 600 mil em uma transação feita em Hong Kong: o jovem simulava a transferência das moedas digitais após a fortuna entrar em contas de laranjas.

Festas e iate

Após conseguir lesar os paulistas no início do mês, em 15 de agosto, Marlon contratou 14 modelos brasilienses e cariocas, pagando cachês de R$ 2 mil mais passagens aéreas e hospedagem. Ao todo, 15 quartos foram reservados no Hotel Windsor Leme, na Avenida Atlântica, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Cada diária no hotel de luxo da capital fluminense custa cerca de R$ 500 mais taxas. À noite, o estelionatário bancou uma noitada em um camarote na boate All Win, na Barra da Tijuca, com comida e bebida liberados para as garotas.

Na manhã seguinte, com uma equipe de filmagem e maquiadora contratadas por Marlon, todos embarcaram em um iate de 100 pés alugado por R$ 38 mil. “Nesse valor não estão inclusos os serviços de marinheiro e combustível. Para isso, é preciso pagar mais R$ 15 mil, totalizando R$ 53 mil”, contou uma funcionária da locadora de barcos em que o golpista contratou o serviço.

A mulher comentou, sem saber que estava falando com uma das vítimas do fraudador, que o valor foi pago à vista, em dinheiro vivo. Além de todo o aparato e equipamentos alugados, Marlon ainda teria contratado um grupo de seguranças armados que acompanharam as modelos durante os dias de filmagem.

Todas as modelos que participaram da sessão de fotos e filmagens a bordo do luxuoso iate trajavam maiôs pretos com o logotipo “Marlon Gonzalez Group”, espécie de empresa supostamente criada pelo estelionatário para oferecer serviços especializados em tecnologia e operação no mercado financeiro e de moedas digitais.

Em suas redes sociais, Marlon chegou a publicar a imagem do que seria um aparelho de telefone celular desenvolvido por ele, que custaria R$ 20 mil.

REPRODUÇÃOReprodução

Monitoramento

As redes sociais de Gonzalez permanecem monitoradas tanto pelas vítimas quanto por investigadores da 17ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Norte). O golpista responde a cinco inquéritos na Polícia Civil do Distrito Federa por crimes como estelionato, associação criminosa, denunciação caluniosa, falsa comunicação de crime e fraude a seguro.

Ele entrou no radar da Polícia Civil quando um falso advogado começou a ser investigado por usar a identidade funcional de outra pessoa. Entre os documentos apreendidos com o suspeito, os policiais encontraram papéis com o timbre da empresa M3 Private, de propriedade de Marlon.

A partir daí, os investigadores descobriram um esquema montado para cooptar as vítimas. A fim de tentar passar uma impressão de investidor bem-sucedido, o falsário usa as redes sociais para simular uma vida de sucesso, com carros esportivos de luxo e viagens a locais paradisíacos. Contudo, depois de aplicar cada golpe, ele desativa os perfis e viaja para países na Europa, Caribe e Ásia.

O primeiro golpe que Marlon aplicou e que a polícia começou a apurar ocorreu em abril e teve como alvo uma operadora chinesa que trabalha com a compra e venda de moedas digitais. Baseada em Hong Kong, a DSUNDC Limited amargou um prejuízo de R$ 600 mil.

Um dos sócios da empresa é o investidor Alexandre Dantas, brasileiro radicado há anos nos Estados Unidos. Dantas conheceu Marlon por meio de um amigo em comum que mora no DF, e ambos demonstraram interesse em fazer negócios nos quais Marlon prometia vender uma grande quantidade de bitcoins.

O golpista armou um esquema com comparsas, abriu contas bancárias de fachada em nome de empresas chinesas e conseguiu concluir uma transação na qual Dantas e seus sócios transferiram US$ 150 mil para uma das contas.

Em seguida, o dinheiro percorreu caminhos desconhecidos, e Marlon não atendeu mais as ligações. Para simular legalidade na transação, o estelionatário chegou a enviar um representante para Hong Kong com a missão de concluir pessoalmente a operação.

Logo após os chineses transferirem o dinheiro, Marlon avisou por WhatsApp que o valor não havia entrado na conta, e jamais repassou as moedas digitas. O representante do golpista chegou a ser preso no país asiático e foi liberado após a polícia local descobrir que ele também havia sido enganado e não fazia ideia de que Marlon planejara aplicar o golpe.

Sempre após enganar as vítimas, o falso investidor desativa as redes sociais e viaja para países na Europa, Caribe ou Ásia, onde passa temporadas torrando os valores que são fruto das fraudes.

A reportagem entrou em contato com o delegado Sergio Bautzer, que investiga o caso. Sem entrar em detalhes, Bautzer explicou que, de fato, existem cinco inquéritos que apuram os crimes, mas todos foram remetidos à Justiça e aguardam parecer do Ministério Público. “Fizemos toda a apuração, ouvimos vítimas e colhemos provas. Depois disso relatamos os IPs”, resumiu.

O outro lado

Procurado pela reportagem, Marlon Gonzalez afirmou que seus advogados preparariam uma resposta sobre as acusações feitas pelas vítimas e as informações que fazem parte dos cinco inquéritos conduzidos pela Polícia Civil do DF. Até a última atualização deste texto, o documento não havia sido enviado. Assim que chegar, a resposta será acrescentada nesta matéria.

Fonte: Metropoles

Pai e filha são mortos após encontro com falsos compradores de carro

Por SP1

Pai e filha são mortos em SP em emboscada quando tentavam vender um carro

Pai e filha são mortos em SP em emboscada quando tentavam vender um carro

Bandidos mataram um pai e a filha dele na tarde desta sexta-feira (6) na Rodovia dos Imigrantes em Diadema, no ABC paulista. Os assassinos simularam interesse em comprar o carro que o homem vendia pela internet, marcaram encontro com as vítimas e depois renderam Wanderley e Gabriella Fernandes . Eles foram mortos com tiros na nuca. Um homem foi preso.

O pai anunciou em abril a venda do carro em uma rede social. Ele postou várias fotos do veículo. Segundo a polícia, dois criminosos entraram em contato como interessados na compra do carro e marcaram um encontro na Estação Conceição, na Zona Sul.

Criminosos marcam encontro para comprar carro e matam pai e filha em rodovia

Criminosos marcam encontro para comprar carro e matam pai e filha em rodovia

“Tratava-se de negócio de compra e venda do veículo”, disse o delegado Ricardo Eduardo Guilherme. “Os ladrões testaram o veículo e a partir do momento que tomaram posse do veículo um conversou com outro e resolveram matar as vítimas pra que não fosse descoberto o crime.

Os criminosos rodaram por mais de uma hora e executaram pai e filha no km 18 da Rodovia dos Imigrantes.

Segundo o delegado, os assassinos fugiram no carro, mas uma testemunha anotou a placa e ligou para denunciar. Izaldo Aparecido da Silva, de 27 anos, foi preso. Ele mora em Guarulhos e no depoimento disse que é estudante do último ano de engenharia.

A polícia encontrou com o suspeito uma arma de fogo e os documentos pessoais das vítimas.

Fonte: G1

LULA: Não vai ter lua de mel

Vivendo um romance há dois anos, o ex-presidente Lula pretende, ao sair da cadeia, casar-se e dar uma festa de arromba.Mas se continuar a bater na tecla da absolvição ou anulação da sentença, a comemoração será apenas uma vontade

Crédito: Lézio Júnior

Caroline Oliveira

Lula pretende se casar. A consorte é vinte e um anos mais nova do que o pretendente, é socióloga, trabalha há dezesseis anos na Itaipu Binacional e mora em Curitiba, no Paraná, o que a permite visitar o ex-presidente com freqüência. Os dois estão juntos há aproximadamente dois anos. Em maio, o petista demonstrou publicamente, por meio de uma conversa com o economista Luiz Carlos Bresser-Pereira, o arrebatamento pela nova amada. “Está apaixonado e seu primeiro projeto ao sair da prisão é se casar”, afirmou o amigo quando o visitou ao lado do ex-ministro de defesa Celso Amorim, na carceragem da Superintendência da Polícia Federal de Curitiba. Preso há um ano e cinco meses, Lula poderá sair da prisão no dia 23 de setembro para o regime semi-aberto. Mas os cenários para o casório ainda são incertos: cela da PF em Curitiba ou ao ar livre.

Aliança de noivado

A promessa de que vai ter bolo, entretanto, já foi feita: o petista há de se casar e fazer uma festa. Para fazer do casamento um relacionamento longevo, ele estudou como se comportou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso quando este deu início ao seu relacionamento com Patrícia Kundrát, três anos após a morte de Ruth Cardoso. A oficialização da união de FHC foi discreta: levou um escrivão em seu apartamento de Higienópolis, bairro nobre de São Paulo, chamou alguns advogados e selou o contrato. “Eu até mandei pesquisar quantas matérias saíram quando o FHC apareceu com a namorada dele. Não quero que as pessoas paguem algum preço por estarem comigo”, disse Lula. A cúpula petista até tentou fazer com que Rosângela da Silva, apelidada carinhosamente de Janja, seja discreta. Mas os ânimos de um novo amor a impediram. O mesmo aconteceu com Lula: mandou incluir o nome da amada na lista de familiares e escancara sua aliança na mão esquerda, segundo amigos próximos.

Caso não queira se beneficiar da progressão do regime, Lula pode optar pela cerimônia dentro da cadeia e deixar a festa para depois

AMOR Não importa quanto tempo Lula permanecerá na cadeia: Janja quer casar (Crédito:Divulgação)

Dentro ou fora da prisão, o certo é que não haverá lua de mel, pelo menos até os próximos seis anos – isso se não for condenado em nenhum dos outros processos pelos quais responde. Alexandre Padilha, vice-presidente do PT e que pertence à “ala pessimista” do partido, afirmou à coluna de Sonia Racy, do Estadão, que acha “dificílimo” Lula deixar a prisão ainda em setembro. Por já ter cumprido praticamente um sexto da pena, o semi-aberto é uma possibilidade, mas só mediante o pagamento R$ 4,1 milhões referente à reparação de danos do réu. As coisas estão difíceis para o casal Lula-Janja. Se for do desejo do petista sair só por absolvição ou anulação da sentença, a festa continuará a ser só uma ideia.

O caminho das pedras

A partir do dia 23 de setembro, a defesa do ex-presidente poderá solicitar a progressão de regime para o petista. Ele sairia do fechado e passaria ao semiaberto. Isso significa que Lula poderá trabalhar durante o dia, mas deverá retornar à carceragem da Polícia Federal de Curitiba à noite. Isso porque, completar-se-á um sexto da sentença na data prevista: o equivalente a 17,6 meses. Mas isso só será possível se Lula arcar com as despesas processuais e multas: R$ 4,1 milhões para deixar a cadeia. Passados todos esses trâmites, Lula pode tentar a prisão domiciliar com o regime semiaberto. Mas só se não for condenado em nenhum dos outros processos pelos quais responde.

Fonte: IstoÉ

Uma questão de Justiça a ex-prefeita de São Luís Conceição Andrade

Resultado de imagem para conceição andrade

Por: Abdon Marinho

Há muito tempo sou tentado a escrever sobre o que sempre entendi como uma incompreensão e injustiça à posição da ex-prefeita Conceição Andrade em relação a oposição maranhense.
Na esteira da escandalosa reunião de membros do governo estadual em favor do candidato oficial conduta, que como dissemos em texto anterior, extrapola os limites da legalidade e pode ter consequências aos partícipes e beneficiários, faz surgir a oportunidade de me manifestar sobre os acontecimentos.
Num texto lateral à notícia da reunião imprópria, uma jornalista escreveu sobre o que chamou de “a mágoa eterna de Conceição”. Em que pese os argumentos, acredito que devo, por amor a justiça, escrever o que penso e testemunhei.
Começo por dizer que não vi mágoas em suas palavras durante a malfadada reunião. E se caso fossem mágoas seriam justas. Entre os muitos que fizeram algo pelo projeto da oposição no estado ao longo de trinta anos, apenas Conceição não teve o reconhecimento devido ou justo pelos que escreveram sobre o assunto, para isso é necessário uma breve análise histórica.
Inicialmente cabe registrar que o primeiro mandato de ex-prefeita, em 1986, foi fruto de um consistente trabalho junto às trabalhadores rurais do Maranhão, muito diferente dos mandatos da maioria dos parlamentares de hoje, eleitos na base do poderio econômico ou por força de conchavos e, ainda, como presente de primeiro-emprego dos filhos dos poderosos. Esse mandato, pelo trabalho que empreenderam os parlamentares oposicionistas, seria facilmente renovado em 1990. Basta dizer que o mesmo grupo que elegeu, Juarez Medeiros, Conceição Andrade, deputados estaduais e José Carlos Sabóia, deputado federal, elegeram, em 1990, agora pelo Partido Socialista Brasileiro, a mesma bancada, com José Costa no lugar de Conceição que abriu mão da eleição quase certa para ser candidata ao governo estadual, criando uma terceira alternativa às candidaturas de Castelo e Lobão. Ninguém da oposição topou o encargo.
A sua candidatura em 1992, com o apoio de Jackson Lago, foi credenciada com sua boa performance na eleição anterior em nome do projeto da oposição, essa mesma de hoje, que muitos que até ontem jantava com Sarney e almoçava com Lobão, batem no peito e dizem representar.
E, em que pese o apoio e dedicação do ex-governador, não teria existido se a candidata não tivesse se viabilizado do ponto de vista politico-eleitoral. É um injusto exagero tratar alguém que já tinha militância política e trabalho a causa pública, como “criatura” ou “poste”, ainda se reconheça o apoio do então prefeito.
Diferente do que sempre foi dito, apesar de alguns equívocos no começo do governo em 1993, como é normal em toda transição, já no fim daquele ano e começo do ano seguinte, a ex-prefeita estava muito bem avaliada pela população da cidade. O enxugamento da máquina pública em mais de 4 mil funcionários contratados a título de “serviços prestados” que causara desgastes antes começaram render seus frutos, com diversas intervenções urbanas, melhoria na educação, saúde e a criação do cinturão verde. Sua aceitação era tamanha que um ex-deputado estadual até dizia, com certo exagero, que muitos já a chamavam de Nossa Senhora de Conceição. Ele ainda está aí para confirmar.
O divisor de águas na vida da ex-prefeita foi o ano de 1994, quando junto com seu partido e diversas outras lideranças políticas do estado chegaram a conclusão que o melhor candidato, naquele momento, para enfrentar a candidatura de Roseana Sarney, era a candidatura do senador e ex-governador Cafeteira que quatro anos antes deixará o governo com grande aceitação em todo Maranhão. Foi essa decisão e não apoiar o ex-prefeito Jackson Lago que a colocou o índex da oposição. Tudo é consequência dela.
Foi uma decisão errada? As opiniões se dividem sobre isso, não entraremos no mérito. A decisão, que não foi solitária, foi baseada em diversos dados e pesquisas. Cafeteira era o que poderia vencer. E venceu, segundo muitos reconhecem. Se tivesse levado a vitória, a história do Maranhão seria outra. Vinte anos depois, não estaríamos discutindo a mesma coisa. Os defeitos de Conceição que todos, hoje, fazem questão de ressaltar, seria reconhecidos como qualidades, lance de genialidade.
Seria muito mais cômodo para a ex-prefeita apoiar o ex-prefeito, ficar como queridinha da oposição e mantê-la como terceira via, com sua votação girando, no máximo, 15% (quinze por cento dos votos). Naquela época, o saudoso Dr. Jackson Lago, não era muito conhecido fora da Ilha de São Luís, os meios comunicação resumiam a rádios, TV’s e jornais, a exceção do Jornal Pequeno, todos nas mãos do grupo Sarney, diretamente ou por interpostas pessoas, tanto isso é verdade que o programa eleitoral desmontando a farsa conhecida como “Reis Pacheco” não chegou a ser exibido nem em 40% (quarenta por cento) das cidades.
O nome de Cafeteira, ex-governador que deixara o cargo com grande aceitação, era o mais viável para romper com o domínio do grupo dominante. Conceição Andrade de dedicou como ninguém ao projeto da oposição de derrotar o grupo Sarney em 1994. Foi uma decisão política e que, apesar de toda a campanha difamatória que sofreu, não levou para o lado pessoal. Já em 1996, ela e o PSB tentaram até a última hora um entendimento para apoiar o ex-prefeito, que colocara nela a alcunha de “vírus da traição”, em nome da união e do projeto oposicionista. A intransigência do grupo do ex-prefeito foi que impossibilitou aquele entendimento que poderia manter todos unidos. Não foi possível.
Eleito em 1996 contra Castelo, temos já em 1998, Jackson Lago apoiando o senador Cafeteira. Aquele que quatro anos fora o pivô da desunião da posição, inclusive colocando a esposa como candidata a vice-governadora. Naquela eleição, a oposição já não conseguia mais reunir seus protagonistas em torno de projeto comum, o que tornou a derrota uma consequência natural.
Essa é uma breve história dos equívocos da nossa oposição. A mesma que demorou um bom tempo para acolher e entender a ruptura de José Reinaldo, negando-lhe sustentação nos importantes momentos do seu governo.
Anos depois, em 2008, Jackson Lago, eleito governador com a apoio de José Reinaldo, em 2006, que fora o vice-governador de Roseana Sarney em dois mandatos, e que já apoiara Cafeteira em 1998, na eleição que sabíamos perdida, estava apoiando Castelo contra Flávio Dino. Em 2012, foi a vez de Flávio Dino apoiar Edvaldo Holanda Júnior, filho do ex-deputado Edivaldo Holanda e que fora um dos influentes secretários do governo de Conceição Andrade. Nas duas eleições ocorridas em seu quadriênio, 1994 e 1996, a prefeita apoiou seus candidatos indo para rua, não foi um apoio escondido, prova que não estava tão mal assim. Quando saiu do governo teve sua gestão esquadrinhada por uma das mais caras e famosas auditorias do mundo, a Enst & Young, se não me falha a memória. Dizem que o valor pago foi maior que os desacertos por ventura encontrado. Tanto isso é verdade que apesar das diversas auditorias acho que não chegou a responder nem cinco ações de improbidade não sendo condenada em nenhuma.
A história da oposição maranhense tem todos esses lances de esquizofrenia. Uma esquizofrenia tão autofágica que às vezes costumo dizer que não sei se melhor ganhar ou perder uma eleição.
A tão propalada e festejada união que dizem existente hoje, foi tentada e custou o sacrifício de uma carreira política. O que enxergam apenas agora, Conceição Andrade vislumbrou vinte anos antes e pagou o mais alto preço que se poderia pagar por isso. Em nome do projeto sacrificou seu governo, futuro político e foi “expulsa” da oposição. Poucos, quase ninguém, reconhece isso.
A crítica é muito fácil quando se desconhece a história. Mais fácil ainda quando não se quer conhecer.

Abdon Marinho é advogado.

Janja a noiva de Lula escanteia Gleise Hoffmann e manda no PT

Ela manda no PT

Janja, a noiva de Lula, é a nova mandachuva do partido. Sob a orientação do ex-presidente petista, a socióloga distribui ordens e escanteia Gleisi Hoffmann

Crédito: Jefferson Coppola

Chegou a “dona do pedaço”. É o que sussurram os petistas quando a socióloga Rosângela da Silva, a Janja, noiva de Lula, irrompe entre as centenas de pessoas que se acotovelam na porta da Polícia Federal de Curitiba, no distante e frio bairro de Santa Cândida. Lá, evidentemente, ela dispõe de passe-livre. No PT, Janja está mais do que à vontade. Ela é a nova mandachuva do partido. Com o aval do ex-presidente petista, com quem deve se casar em breve, a socióloga distribui ordens, enquadra dirigentes partidários, dá orientações a Fernando Haddad e Gleisi Hoffmann, presidente da legenda, e até faz as vezes de tesoureira informal, ao se ocupar de questões de natureza financeira. Empoderada, Janja, nos últimos dias, avocou para si uma nova missão: a de preparar o PT para o pós-Lula Livre — o que ela e todos os petistas acalentam.

Na condição de porta-voz do ex-presidente, a socióloga foi quem transmitiu aos correligionários que o futuro marido não admitiria a progressão da pena para o regime semiaberto. “O presidente não quer deixar a cadeia com tornozeleira eletrônica: isso ele não admite de forma alguma”, disparou ela. “A liberdade não virá assinada pelos que fraudaram a Justiça”, reforçou a noiva em suas redes sociais no último dia 29 de setembro, ao comentar o pedido do Ministério Público Federal do Paraná, assinado pelo procurador da República, Deltan Dallagnol. O primeiro a receber a informação foi o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad.

CASAL 20 Lula e Janja vão se casar logo que o petista sair da cadeia, o que pode acontecer ainda este mês (Crédito:Divulgação)

O presidenciável da legenda acostumou-se rápido com estilo Janja de ser e agir. Desde a campanha os dois tocam de ouvido, mas Haddad ouve mais do que fala. Ela, ao contrário, fala mais do que ouve. A relação com a nova toda-poderosa do PT é regida por uma lógica simples. Basta entender que “Janja é Lula”, e tudo está resolvido. O mesmo se aplica quando Rosângela da Silva participa das reuniões da cúpula do PT em Curitiba e em São Paulo. Nos encontros em que Janja tem voz ativa, já se discute o futuro da legenda a partir da tão sonhada liberdade de Lula. O partido se prepara para um novo confronto contra Jair Bolsonaro em 2022. É o adversário dos sonhos.

A aposta no petismo é que o bolsonarismo chegará às vésperas do pleito em processo avançado de deterioração. A confirmar o cenário, o tom será de radicalização, dissemina Janja. Além de Haddad, Emídio de Souza, ex-presidente do PT de São Paulo, e o deputado Paulo Pimenta (RS), líder do PT na Câmara também já estão habituados com as orientações da nova primeira-dama. As recomendações estendem-se a Francisco Rocha da Silva, o “Rochinha”, um dirigente histórico do PT, que fundou o partido com Lula e nunca mais deixou a direção partidária, transformando-se num lulista incorrigível.

Fiel escudeira

Em suas incursões no PT, Rosângela da Silva é escudada por Neudicléia Oliveira, a Neudi – chefe do Movimento de Atingidos por Barragens (MAB), abrigado no PT quase como uma corrente interna, em patamares semelhantes ao do MST. Ela atua como uma espécie de ajudante de ordens de Janja. Neudi faz de tudo: paga até contas do casal e depois as cobra do PT. Para custear pequenas despesas, Neudi vale-se do “lucro” das barraquinhas que o MAB explora na porta da PF, onde são vendidas de água a camisetas do movimento “Lula Livre”.

Neudi, ao lado de Marco Aurélio Marcola, advogado e funcionário do Instituto Lula, que se auto-proclama “chefe de gabinete” do ex-presidente, são os responsáveis por montar uma espécie de cordão de isolamento à sala-cela de Lula em Curitiba, toda vez que Janja vai visitá-lo. Depois que a noiva passa pela catraca que dá acesso ao quinto andar, pavimento onde o petista está detido, Neudi e Marcola não deixam mais ninguém entrar. Nem mesmo os cinco filhos do presidente, que só alcançam Lula com a expressa autorização de Janja. Não por acaso, a maioria dos rebentos torce o nariz para a futura esposa. A exceção é Lurian, filha mais velha, que virou a “queridinha” da socióloga, a ponto de elogiá-la publicamente.

BOCA NA BOTIJA Gleisi (ao lado de Paulo Okamotto) manda de direito no PT, mas de fato quem dá as cartas é Janja (Crédito:Ricardo Stuckert)

O grupo dos petistas mais ligados a Rosângela da Silva foi batizado de “panelinha”. A turma se reúne em Curitiba praticamente todas as quintas-feiras, dia de visitas na federal. Há, no local, todo um esquema de proteção a eles. Por exemplo, só os integrantes da “panelinha” podem entrar no prédio da Polícia Federal quando chove. Já os companheiros do MST e do Movimento de Atingidos por Barragens ficam ao relento mesmo, faça chuva ou sol. Por isso, as vigílias estão encolhendo cada vez mais. Hoje, não reúnem mais do que 30 pessoas por dia. Antes, eram centenas. No início, até milhares. Agora, o público só aumenta quando as “celebridades” comparecem ao local para visitar o petista. “Nesses dias enche de gente. Vêm assessores dos deputados do PT de Brasília e aqui do Paraná mesmo. São militantes do partido e da CUT de Curitiba, além do pessoal do MST e do MAB”, contou uma fonte à ISTOÉ. Um dos momentos mais badalados, e de glória para Janja, foi o último dia 19, quando o compositor Chico Buarque de Hollanda encontrou-se com o amigo preso. Durante a visita, o músico, considerado um ícone na esquerda, foi ciceroneado o tempo todo por Janja, que não se conteve de alegria.

No início da noite, com a socióloga e Ricardo Stuckert — fotógrafo e amigo pessoal do ex-presidente Lula — à frente, o grupo invariavelmente sai para jantar, sempre com fartura de comida e bebidas, incluindo cerveja à vontade e vinhos de R$ 500 à garrafa. Um desses jantares aconteceu recentemente no Bar Jacobina, em Curitiba, com a presença de Emídio de Souza e Haddad. O encontro serviu para embalar a solenidade dos 500 dias de Lula preso. Ao presidenciável coube dedilhar o violão. O timbre, não raro, com traços de rouquidão não o impediu de soltar a voz: Haddad foi também o cantor oficial do convescote.

Janja e Stuckert estavam acomodados na primeira fila da seleta mesa. Ao redor, Marcola e a mulher Nicole. A despesa foi paga por Emídio de Souza, atual tesoureiro do PT, com autorização de Florisvaldo Souza, dirigente petista, que, neste dia, ficou no Hotel Petras. Na verdade, o partido banca os custos de toda a estrutura da campanha “Lula Livre” em Curitiba e País afora. Conforme revelou ISTOÉ em reportagem de julho deste ano, boa parte deste dinheiro é público e oriundo do Fundo Partidário. Incluindo as passagens aéreas para deslocamentos a Curitiba, adquiridas junto a uma agência de viagens que presta serviços ao PT na cidade, atendendo muitas vezes a solicitações feitas por Marta Romano e Otávio Augusto, donos de uma agência Urissanê Comunicação, de propriedade de Martha Romano e Otávio Costa. A empresa é conhecida também como “Agência do PT”. Muitas vezes as viagens são solicitadas por Cláudio Kabne, do Instituto Lula, e assessor de Stukinha, o fotógrafo oficial do PT

BIFE A CAVALO A pedido de Janja, Lula parou de fazer as refeições oferecidas pela PF. Agora, o petista só come o que Eduardo (à esq.) prepara no Empório Zambrano (Crédito:Divulgação)

Na campanha de Fernando Haddad a presidente da República, Kabne ajudou nas viagens do petista pelo Brasil, em especial, na reta final da eleição. Àquela altura, Janja integrava a comitiva do candidato e já dava as cartas em nome de Lula. Quando, no segundo turno, Haddad coloriu a bandeira petista de verde e amarelo e reduziu as idas a Curitiba na tentativa de se dissociar de Lula (ao menos publicamente), Janja era quem lhe confiava as preciosas orientações do ex-presidente. Inclusive sobre como amealhar recursos para a campanha. Dinheiro não faltou e, pelo visto, não faltará aos projetos eleitorais do partido para 2020 e 2022.

Recentemente, a equipe liderada por Rosângela da Silva ganhou um reforço de peso: a milionária Rosane Gutjahn, cujo marido foi um dos 154 mortos no acidente da Gol no Mato Grosso em 2006. A viúva rica “abraçou” a causa Lula e estaria doando R$ 100 mil por mês ao grupo. Recentemente, ela arrematou todas as fotos que Ricardo Stuckert expôs num leilão em Curitiba a fim de arrecadar dinheiro para o movimento. Rosane doou as fotos depois para os próprios petistas, incluindo Paulo Okamoto, presidente do Instituto Lula, e Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT.

Gleisi no córner

Glesi, a propósito, foi quem mais perdeu com a ascensão de Janja ao Olimpo petista. Apesar de também morar em Curitiba e ter sido habituê nas visitas à sala-cela de Lula, “ela foi jogada para escanteio” por Rosângela, asseguram fontes petistas. Para se ter uma ideia da confusão, a ex-senadora teve de alterar os hábitos para não ter de “trombar” com a noiva do ex-presidente: só visita Lula às sextas-feiras, na condição de advogada, e não mais às quintas, quando a “panelinha” de Janja costuma dominar o ambiente. Ninguém sabe ao certo o motivo da rusga. Em tempos de PTinder, há quem diga que Gleisi despertaria ciúmes em Janja. O fato é que não deu “match” entre as duas. Não só. O ex-senador Lindberg Farias (RJ) é outra persona non grata no PT que se curva aos desígnios de Rosângela da Silva. Em meio ao evento dos 500 dias da prisão de Lula houve um entrevero entre os dois. Lindbergh queria ser um dos que subiriam ao palco para proferir um discurso. Foi admoestado por Neudi, a pedido de Janja. “O Lind não vai discursar”, sentenciou Neudi, cumprindo ordens da nova primeira-dama.

A filha mais velha de Lula, Lurian Lula da Silva, é a única dos cinco filhos do ex-presidente que mantém uma relação cordial com Janja (Crédito:Divulgação)

Ao menos enquanto Lula estiver preso, será difícil saber até onde os desejos manifestados por Janja expressam as vontades de Lula. Pelo sim, pelo não, a maioria a respeita. A socióloga — todos concordam — faz de tudo para agradar o futuro marido. Desde que assumiram o noivado, ela passou a controlar até mesmo sua alimentação. Não deixa mais o petista se servir da comida da cadeia, embora seja de excelente qualidade — trata-se do mesmo cardápio dos delegados da Superintendência da PF. Agora, Lula só se alimenta da quentinha preparada por Eduardo, o dono do Empório Zambrano, restaurante instalado defronte o prédio da PF. Zambrano é casado com uma funcionária da PF e é querido por todos, Janja incluída. O que mais dá prazer a Eduardo é preparar o prato preferido do ex-presidente: bife a cavalo com ovos mal passados.

O fotógrafo Ricardo Stuckert, que também goza de prestígio no local, tem um prato com seu próprio nome. O recinto dedicado às refeições tem o sugestivo nome de “Espaço Marielle”. Os preços é que são meio salgados para os militantes: uma cerveja custa R$ 8. Mas como é Neudi quem assina as contas de Lula, com dinheiro do PT e das barraquinhas do MAB, não há problema algum. Janja também tem renda própria. Como funcionária da Itaipu Binacional, ela ganha R$ 17,5 mil por mês. Rosângela foi alçada ao cargo por Gleisi Hoffmann, quando ela era diretora financeira da estatal, cumprindo ordens de Lula, claro. Recentemente, os 142 funcionários de Itaipu em Curitiba foram transferidos pelo presidente Jair Bolsonaro de volta a Foz do Iguaçu, sede da estatal.

Janja segue lotada na estatal, mas não se sabe onde realmente ela presta expediente e durante quantas horas por dia. As horas ela conta para “poder viver seu amor” com Lula na plenitude. “Vou me casar virgem”, brincou o ex-presidente, ao lembrar que não pôde manter relações sexuais com a socióloga na cadeia. Janja não é mais virgem. Da política partidária.


Quem é a musa de Lula

“A liberdade não virá assinada pelos que fraudaram a Justiça” – Rosângela da Silva, comentando o pedido de liberdade para Lula, expedido pelo MPF do Paraná (Crédito:Divulgação)

• Rosângela da Silva, a Janja, de 52 anos, socióloga, é noiva do ex-presidente Lula desde abril deste ano, quando completou um ano de cadeia na sede da PF, em Curitiba

• Apaixonados, os dois pretendem se casar assim que o petista deixar a prisão

Foi em 2002, durante a caravana da cidadania pelo Paraná, na campanha para presidente, que Janja conheceu Lula

• É filiada ao PT desde 1980

• Em 2003, o então presidente ordenou que Gleisi Hoffmann – que àquela altura era diretora financeira de Itaipu Binacional – lhe arrumasse emprego no escritório da empresa em Curitiba

• R$ 17.537,00 é o salário que Janja recebe da estatal

• Em 2012, quando Lula já tinha deixado o governo, Janja foi transferida por Dilma para a Eletrobrás, no Rio. Retornou a Itaipu em fevereiro de 2017

Postagem: http://egnews.com.br

Fonte: IstoÉ

Supremo proíbe uso do amianto em todo o país

Decisão foi tomada por 7 votos a 2

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (29/11) proibir uso do amianto do tipo crisotila, material usado na fabricação de telhas e caixas d’água. A decisão dos ministros foi tomada para resolver problemas que surgiram após a decisão da Corte que declarou a inconstitucionalidade de um artigo da Lei Federal 9.055/1995, que permitiu o uso controlado do material.
Com a decisão, tomada por 7 votos a 2, não poderá ocorrer a extração, a industrialização e a comercialização do produto em nenhum estado do país. Durante o julgamento não foi discutido como a decisão será cumprida pelas mineradoras, apesar do pedido feito por um dos advogados do caso, que solicitou a concessão de prazo para efetivar a demissão de trabalhadores do setor e suspensão da comercialização.

Em agosto, ao começar a julgar o caso, cinco ministros votaram pela derrubada da lei nacional, porém, seriam necessários seis votos para que a norma fosse considerada inconstitucional. Dessa forma, o resultado do julgamento provocou um vácuo jurídico e o uso do amianto ficaria proibido nos estados onde a substância já foi vetada, como em São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, mas permitida onde não há lei específica sobre o caso, como em Goiás, por exemplo, onde está localizada uma das principais minas de amianto, em Minaçu.

As ações julgadas pela Corte foram propostas pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria (CNTI) há dez anos ao Supremo e pedem a manutenção do uso do material. A confederação sustenta que o município de São Paulo não poderia legislar sobre a proibição do amianto por tratar-se de matéria de competência privativa da União. Segundo a defesa da entidade, os trabalhadores não têm contato com o pó do amianto.

De acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e outras entidades que defendem o banimento do amianto, apesar dos benefícios da substância para a economia nacional – geração de empregos, exportação, barateamento de materiais de construção -, estudos comprovam que a substância é cancerígena e causa danos ao meio ambiente.

Fonte: Agência Brasil

Letícia Almeida transou com concunhado enquanto mulher dele dormia

O imbróglio familiar rendeu nas redes sociais e promete causar ainda mais. Em entrevista para o Extra, Marcio Matos, pastor e pai de Saulo Poncio e Sarah Poncio — atual esposa de Couto — contou os bastidores da traição da atriz global.

Stela Woo/Metrópoles

STELA WOO/METRÓPOLES

Segundo Matos, a relação entre o filho e Letícia nunca foi saudável. “Ela era obreira da nossa igreja, todos se conheceram lá. Ela e meu filho, Saulo, tiveram um namoro conturbado, de idas e vindas. Numa destas voltas, o Saulo foi fazer um show em Brasília. Ela ficou sabendo que ele estava lá de brincadeira com umas meninas e não gostou”, relatou.

Letícia, então, teria discutido com o cantor e ido à casa da ex-cunhada Sarah na intenção de desabafar. Grávida do seu primeiro filho com Jonathan, a menina decidiu dormir mais cedo. Enquanto isso, a atriz ficou conversando e tomando vinho com o ex-concunhado. “Letícia ficou lá com o Jonathan e aconteceu de eles terem uma relação”, revelou Márcio.

O pastor alegou que após o acontecido, Saulo e Letícia chegaram a terminar o relacionamento e dias depois, ela apareceu com a notícia de que estava esperando um filho dele. “Imediatamente, ele assumiu a responsabilidade e a levamos para minha casa. Fizemos um quarto para ela e o bebê, e eu pensava que desta vez eles iriam se acertar”, declarou.

Matos também contou que após o nascimento de Maria Madalena, Saulo recebeu mensagens nas redes sociais sobre supostas traição da moça e especulações de que a menina não seria dele. “Ele ficou incomodado, conversou com ela e disse que queria um teste de DNA. A Letícia topou numa boa”, revelou.

O pai de Saulo afirmou que a atriz chegou a forjar o teste de DNA, mas que o filho descobriu a verdade quando foi buscar uma cópia na clínica em que foi realizado o procedimento.

Entenda a confusão
No começo do ano, uma confusão envolveu o nome da atriz Letícia Almeida, conhecida pelo papel na minissérie Dois Irmãos da TV Globo. Isso porque a jovem dizia que a filha era fruto do relacionamento dela com o cantor Saulo Poncio, da banda Um44k. No entanto, após um teste de DNA, descobriu-se que a menina não era dele.

Tempos depois, outro namorado de Letícia fez o mesmo teste. Pablo Morais também postou nas redes sociais que o resultado deu negativo. “Não é meu”, escreveu o jovem nas redes sociais logo que soube que não era o pai.

Agora, seis meses depois, Letícia decidiu desabafar no Instagram e revelou quem é o verdadeiro pai da criança. Trata-se de Jonathan Couto, ex-vocalista da banda P9, que é cunhado de Saulo Poncio e, assim, ex-concunhado dela.

Por meio do Instagram, ela disse: “Hoje é o dia que eu dou um basta, definitivamente, em toda e qualquer especulação sobre minha vida pessoal e da minha filha. Espero que a partir desse dia eu não receba mais mensagens negativas direcionadas a mim e a minha família. Chega!”.

“Agora, venho publicamente anunciar que (como a maioria já especulava), sim, a Madah é filha do Jonathan Couto. E, como MULHER, peço que qualquer tipo de preconceito e julgamento sejam deixados de lado nesse momento pra que vocês entendam de uma vez por todas que a VERDADE é só uma, e ela não vai mudar”, explicou.

Letícia ainda fez um apelo. “Apesar de ser uma figura pública, certos detalhes da minha vida prefiro que permaneçam em minha PRIVACIDADE, e espero que entendam e respeitem isso. Não só por mim, mas também por um serzinho que não entende nada que está acontecendo e precisa, mais do que nunca, de uma mãe presente e forte em sua vida”, afirmou.

Fonte: Metropolis