23.1 C
Brasília, BR
domingo, novembro 17, 2019

Whatsapp vai dar R$ 190 mil a quem detectar fake news

Foto: ReproduçãoFoto: Reprodução

Os melhores projetos que analisem fake news serão premiados pelo Whatsapp.

As inscrições estão abertas e vão até 12 de agosto para suas bolsas de pesquisa.

A empresa vai selecionar quem detectar as fake news e o uso da plataforma.

Além desse apoio financeiro, a iniciativa inclui duas oficinas nos Estados Unidos.

Primeiro, os pesquisadores embarcam para um workshop na Califórnia, em outubro.

Nesse momento, conhecerão mais a fundo o trabalho do Whatsapp e um contexto sobre o problema da desinformação.

O segundo encontro ainda não tem local definido, mas será em abril de 2019. Nele, devem ser apresentados detalhes das pesquisas desenvolvidas com o prêmio de até 50 mil dólares.

Como se inscrever

A prioridade é para acadêmicos que sejam de áreas das Ciências Sociais e que estudem tecnologia.

O prêmio é para pesquisa independente, em que o candidato “desenvolva ferramentas conceituais, compile e analise dados e/ou investigue questões relevantes”.

Temas

1 Processamento de informações de conteúdo problemático
2 Informações relativas a eleições
3 Efeitos de rede e viralidade
4 Alfabetização digital e desinformação
5 Detecção de comportamento problemático em sistemas criptografados

É necessário enviar detalhes sobre o projeto, bem como biografia e currículo do pesquisador com orçamento detalhado.

Todos os itens devem estar em inglês.

Para participar da iniciativa, o candidato deve estar vinculado a alguma instituição, como universidades e centros de pesquisa.

Isso porque o valor será doado diretamente à instituição, que deve estar aberta a financiamento externo.

Outros detalhes sobre o programa no site da plataforma.

Fonte: Exame

Cresce investimento no profissional que domina marketing digital

Aportes em publicidade digital no Brasil chegaram a 3,36 bilhões de dólares em 2017

 Cada vez mais, empresas buscam conquistar potenciais consumidores por meios online

Cada vez mais, empresas buscam conquistar potenciais consumidores por meios online (Getty Images/Getty Images)

O investimento em publicidade digital aumentou 15% no Brasil em 2017, chegando a 3,36 bilhões de dólares, de acordo com a multinacional de pesquisa de mercado eMarketer. As empresas, inclusive, estão priorizando Facebook Ads e Google AdWords, segundo levantamento da Content Trends.

Além disso, a crescente popularização da internet e das redes sociais, especialmente entre os brasileiros, tem transformado as estratégias das organizações. Anteriormente habituadas a trabalhar ações offline, como anúncios em revistas, panfletagens e outdoors, as equipes de marketing se viram diante de um novo desafio — conquistar potenciais consumidores por meios online.

Esse cenário evidencia uma carreira cada vez mais em alta no mercado: o profissional de marketing digital. Patricia Amaro, diretora de e-commerce e digital da Unilever na América Latina, conta que não é mais possível considerar um profissional que não entenda do assunto. “Isso é mais do que obrigatório, principalmente quando você está falando das áreas de marketing e comunicação”, diz a profissional, ressaltando que esse conhecimento adicional pode trazer vantagem competitiva durante processos seletivos na Unilever.

Diferenças

Existem duas perspectivas que diferenciam o profissional de marketing tradicional e o especialista em marketing digital. A primeira é técnica: para atuar com marketing digital é preciso ser um profissional orientado à performance. “Ele precisa entender não só sobre fundamentos de marketing, mas também de estratégia de conteúdo, redes sociais, otimização de sites, e-mail marketing e mensuração de campanhas”, explica Renata Goldfarb, gerente de produtos responsável pelo curso Nanodegree Marketing Digital da Udacity, empresa de cursos online.

Além da necessidade de saber como construir, executar e mensurar os projetos online, o segundo diferencial do especialista em marketing digital é que ele possui um perfil bem específico. “Em marketing digital, é preciso ser muito mais adaptativo, estar confortável com as transformações e conseguir ter uma visão um pouco mais à frente, além de saber encontrar oportunidades e ter disposição a riscos”, aponta Patricia Amaro, da Unilever.

O profissional tradicional de marketing tem mais dificuldade para entender esse novo mundo em transição. Para Patricia, é preciso conseguir compreender os sinais que indicam o que vem por aí. “Claro que tudo o que a gente fez em marketing tradicional até aqui é muito importante, mas precisamos começar a adicionar outros elementos nessa equação.”

“O conselho que eu daria para o profissional de marketing hoje é que ele se preocupe em desenvolver recursos para aprender a ler sinais em vez de buscar aprender fórmulas do sucesso. E esses recursos podem ser disciplinas adjacentes, como sociologia e psicologia, para entender o que está acontecendo com o mundo e a sociedade, além de conhecer sobre tecnologia, estar atualizado com esse novo mundo de inteligência artificial e tudo o que está sendo transformado em nossa vida”, sugere Patricia. “Isso que vai transformar os profissionais em líderes e, consequentemente, trazer trajetórias de sucesso.”

Na Unilever, a área de marketing digital foi dividida entre os setores de digital, e-commerce e business intelligence. Nos últimos anos, ela vem ganhando peso na estratégia da empresa. Há quase seis anos, a equipe era formada apenas pela atual diretora. Hoje, são cerca de 40 pessoas trabalhando exclusivamente com os projetos de digital e e-commerce.

E a tendência de contratar cada vez mais profissionais de marketing digital não é exclusiva de grandes empresas. Pequenos e médios negócios também estão apostando no profissional de mídia digital.

Sobre o curso Nanodegree Marketing Digital da Udacity

Desenvolvido em parceria com Google, Facebook, HubSpot, MailChimp, Hootsuite e Moz, o curso tem o foco em performance. O aluno planeja e executa ações para diferentes plataformas online com base em conceitos sobre marketing de conteúdo, mídias sociais, search engine optimization (SEO), search engine marketing (SEM), e-mail marketing, campanhas de display, entre outros temas.

A Udacity estimula o aprendizado por meio de atividades mão na massa. O curso é fundamentado em oito projetos em que os participantes colocam em prática tudo o que aprenderam e recebem feedback de especialistas. Por exemplo, eles recebem 125 dólares para colocar anúncios reais no ar a fim de entender o impacto prático de cada ação de marketing no ambiente digital.

Fonte: Revista Exame

Saque do PIS/Pasep é liberado para todas as idades. Veja quem pode sacar

Prazo para o saque termina no dia 28 de setembro

Brasília – O governo liberou saques do PIS/Pasep para todos os brasileiros que trabalharam entre 1971 e 1988. Até agora, apenas quem era aposentado, era portador de doença grave ou tinha mais de 60 anos podia sacar o dinheiro.

Haverá uma data limite para quem tem menos de 60 anos sacar o dinheiro: o prazo vai até o dia 28 de setembro deste ano.

Pelos dados do Ministério do Planejamento, 16 bilhões de reais estão em contas de pessoas com menos de 60 anos, Outros 18 bilhões de reais estão ainda nas contas de trabalhadores com mais de 60, que não têm prazo limite para saque.

“São contas que estão sem movimentação já há 30 anos, só com a correção, e que tinham condições de saque muito restritivas”, explicou o secretário-executivo do Ministério do Planejamento, Gleisson Rubin.

Trabalhadores de empresas privadas terão de sacar o dinheiro nas agências da Caixa, enquanto servidores públicos devem retirá-los no Banco do Brasil.

Os correntistas desses bancos devem ter os valores depositados em suas contas, enquanto os demais trabalhadores precisarão ir pessoalmente até uma agência.

O valor da cota de cada trabalhador vai depender do seu salário na época, pois o benefício é proporcional ao salário do trabalhador.

A Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil irão abrir os saques a partir da próxima segunda-feira, dia 18, até o dia 29 de junho. Depois, os saques voltarão a ser permitidos a partir de 14 de agosto.

O governo liberou no início deste ano o saque dos recursos do PIS/Pasep para pessoas com mais de 60 anos. Segundo Rubin, dos 39 bilhões de reais, cerca de 5 bilhões de reais já foram sacados por esses trabalhadores, restando cerca de 34 bilhões de reais ainda nas contas.

O governo vai disponibilizar, no total, 39,3 bilhões de reais aos trabalhadores, que podem representar, de acordo com o Ministério do Planejamento, 0,55% do PIB.

“Comemoramos muito os 44 bilhões dos saques do FGTS. Agora, são 39 bilhões que podem se inserir na economia brasileira”, disse o presidente Michel Temer em cerimônia no Palácio do Planalto.

No ano passado, os saques totais às contas inativas do FGTS somaram 44 bilhões de reais, ajudando a dar algum ímpeto à economia após dois anos de profunda recessão. Em agosto do ano passado, o Planejamento estimava o impacto dos saques do FGTS no PIB de 2017 em 0,6 ponto percentual.

Entenda

Até 1988, os empregadores depositavam o dinheiro do PIS/Pasep em contas vinculadas aos trabalhadores, como fazem hoje com o FGTS. Após uma mudança na Constituição, os empresários deixaram de depositar o dinheiro para os trabalhadores e passaram a depositar o dinheiro à União, que passou a administrar esses recursos para o pagamento do seguro-desemprego e do abono salarial.

Desde então, foram estabelecidas condições específicas para saque dos valores depositados nas contas vinculadas antes da alteração constitucional. O trabalhador teria de se aposentar, completar 70 anos de idade ou apresentar alguma doença grave, listada na lei.

Em 2017, o presidente Michel Temer enviou ao Congresso Nacional a Medida Provisória 797, que reduziu a idade dos saques para 62 anos, no caso das mulheres, e 65 anos, no caso dos homens. Em seguida, editou uma nova MP, a 813, que reduziu a idade para 60 anos tanto para mulheres quanto para homens. Agora, com a sanção do projeto de lei enviado pelo Congresso, acabaram os limites de idade, e o saque pode ser feito por todos os trabalhadores com recursos depositados no extinto fundo PIS/Pasep. 

Fonte: Revista Exame

Herdeiros podem sacar dinheiro do PIS/Pasep de pessoas falecidas

Herdeiros devem ir à agência da Caixa ou do Banco do Brasil com documentos para retirar o dinheiro

São Paulo — Se o beneficiário tiver morrido, seus herdeiros podem sacar o saldo da conta do PIS/Pasep. Para isso, é preciso ir à agência da Caixa, se a pessoa falecida tinha PIS a receber, ou à agência do Banco do Brasil, se a pessoa falecida tinha Pasep a receber.

O herdeiro que pretende realizar o saque do dinheiro em uma agência da Caixa deve levar o seu RG e a certidão ou declaração de dependentes habilitados à pensão por morte expedida pelo INSS; ou um atestado fornecido pela entidade empregadora (no caso de servidor público); ou um alvará judicial designando o sucessor/representante legal e Carteira de Identidade do sucessor/representante legal (na falta da certidão de dependentes habilitados); ou ainda uma escritura pública de inventário e partilha.

No BB, é necessário apresentar uma certidão de óbito e certidão ou declaração de dependentes (beneficiários) habilitados à Pensão por Morte emitida pelo INSS, na qual conste o nome completo do dependente, data de nascimento e grau de parentesco ou relação de dependência com o participante falecido; ou certidão de óbito e certidão ou declaração de dependentes (beneficiários) habilitados à Pensão por Morte emitida pela entidade empregadora, para os casos de servidores públicos, na qual conste o nome completo do dependente, data de nascimento e grau de parentesco ou relação de dependência com o participante falecido; ou alvará judicial designando os beneficiários do saque, caso o alvará não faça menção ao falecimento do participante deve ser apresentado a certidão de óbito; ou escritura pública de inventário, podendo ser apresentado formal de partilha dos autos de processo judicial de inventário/ arrolamento ou escritura pública de partilha extrajudicial lavrada pelo tabelião do cartório de notas.

Fonte: Revista Exame

Jovens, ricos e engajados, eles querem salvar o Brasil dos maus políticos

Em meio à descrença na política brasileira, herdeiros da elite empresarial têm discutido como tornar o Estado mais eficiente e menos corrupto

menos de quatro meses de o país ir às urnas, o cenário atual da política brasileira é de terra arrasada. O presidente Michel Temer segue investigado pela Operação Lava-Jato. Boa parte do Congresso busca um novo mandato em outubro para garantir foro privilegiado e fugir de juízes implacáveis da primeira instância, como Sérgio Moro. Políticos de longa data, como os ex-governadores Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB), pré-candidatos à Presidência, sofrem para vencer a raiva disseminada entre a maioria da população com a revelação de sucessivos escândalos de corrupção na esfera pública — o sentimento parece estar por trás da popularidade do deputado Jair Bolsonaro (PSL), favorito até agora para vencer a corrida ao Planalto.

Nas ruas, volta e meia há pedidos de intervenção militar. Em meio a essa descrença geral na capacidade das atuais lideranças políticas de oferecer uma visão convincente de futuro para o Brasil, 40 jovens de famílias donas de algumas das maiores empresas do país, como a varejista Via Varejo (gestora das redes Casas Bahia e Ponto Frio), a fabricante de alimentos J.Macêdo, a farmacêutica Eurofarma e o grupo Votorantim, querem influir no cenário. O seleto grupo fundou no início de 2015 o Agenda Brasil do Futuro, uma associação sem fins lucrativos. Os jovens — na casa dos 20 anos — têm feito encontros mensais, geralmente começando às 7 horas da manhã em algum escritório de suas empresas na cidade de São Paulo. As reuniões não costumam durar mais que 60 minutos devido à agenda intensa dessa moçada — boa parte já tem função em conselhos familiares ou comanda as próprias empresas.

Entre cafezinhos e troca de experiências sobre os negócios que estão tocando, o grupo discute o momento político e aciona pelo WhatsApp sua extensa rede de contatos na iniciativa privada. O motivo? Angariar apoio a projetos contra mazelas estruturais do Estado brasileiro, como a corrupção e o excesso de burocracia. “Queremos destravar nós ao desenvolvimento do país. A máquina pública ineficiente é um deles”, diz a publicitária Luiza Scripilliti, de 26 anos, quarta geração da família Ermírio de Moraes, do grupo Votorantim.

A vontade de mudar o país surgiu de um interesse dos próprios jovens — incentivado pelos pais — de estudar os problemas do país onde suas famílias construíram fortunas. O grupo que hoje compõe o Agenda Brasil do Futuro começou a ser constituído em 2014 com a abertura de um curso de formação em atualidades, o Legado para a Juventude, idealizado pela pedagoga Daniela de Rogatis, sócia de uma consultoria de desenvolvimento pessoal de jovens de famílias ricas, em parceria com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

No curso, que dura um ano e custa 40.000 reais, há palestras com gente do calibre dos economistas Gustavo Franco e Pedro Malan e da pré-candidata à Presidência Marina Silva — além de novos talentos, como o economista e filósofo Joel Pinheiro da Fonseca, coordenador do curso e colunista de EXAME Hoje. Restrito a São Paulo, Belo Horizonte e Ribeirão Preto, no interior paulista, ainda em 2018 o curso deve ganhar turmas no Rio de Janeiro e em capitais das regiões Sul, Nordeste e Centro-Oeste devido à alta procura — mais de 200 alunos já passaram por ali em quatro anos.

É um interesse que coincide com a crise econômica e com o questionamento crescente de boa parte da sociedade sobre o papel do Estado — um descontentamento cujo início pode ser traçado nas manifestações contra aumentos de tarifa no transporte público em diversas cidades em junho de 2013, e que desde então ganhou novas pautas. “Antigamente, a elite brasileira vivia muito desinteressada da política”, diz Fonseca. “No grupo, procuramos entender as nuances para haver um engajamento de qualidade, e não fazer como numa guerra de torcidas.”

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso: um dos idealizadores do curso de formação de jovens da elite brasileira | Newton Menezes/Futura Press

Para muitos dos participantes, o curso é o primeiro contato com uma realidade que vai além dos muros dos grupos empresariais de suas famílias. O resultado é que os jovens acabam virando uma referência em seus círculos sociais. “Antes, não me interessava por política”, diz a arquiteta Giuliana Torre, de 29 anos, filha de Walter Torre, fundador da construtora WTorre, gestora do estádio Allianz Parque, em São Paulo. “Agora, nos grupos de WhatsApp, minhas amigas vêm me pedir comentários sobre as eleições.” Giuliana recentemente filiou-se ao Partido Novo, de cunho liberal, com o economista Ricardo Simon, de 25 anos, colega do Agenda Brasil do Futuro, da família fundadora do laboratório Sanval, adquirido em 2007 pelo concorrente Hipolabor, e atualmente sócio do fundo de investimento Eclipseon.

De entrar no debate político ao desejo de fazer algo pelo país foi um pulo. “A ideia do Agenda Brasil do Futuro surgiu após uma aula do curso”, diz a administradora Marina Cançado, de 30 anos, quarta geração da família fundadora da rede de farmácias Drogal, tradicional no interior paulista. Marina atua como diretora executiva do curso de formação e é uma das principais lideranças do grupo de ativismo.

Joel Pinheiro da Fonseca: “Antes de 2013, a elite brasileira vivia desinteressada da política” | Eduardo Knapp/Folhapress
Toque para ampliar.

Até agora, o Agenda Brasil do Futuro centrou esforços num problema que está na raiz da corrupção e da má qualidade dos serviços públicos: a falta de critérios técnicos na ocupação de cargos comissionados, que normalmente acabam na mão de gente sem conhecimento adequado e indicada por padrinhos políticos. Em 2015, a pressão do grupo fez o senador José Serra (PSDB-SP) apresentar um projeto de legislação com critérios técnicos para a seleção de diretores de agências reguladoras.

Por causa do projeto, que segue no Senado, alguns dos integrantes mais engajados do Agenda Brasil do Futuro colecionam idas à Brasília. É o caso do administrador Raphael Klein, de 40 anos, neto de Samuel Klein, fundador da Casas Bahia. Atualmente, Klein divide-se entre a gestão do fundo de investimento Kviv, fundado por ele no ano passado, e o trabalho de corpo a corpo com parlamentares nas galerias do Congresso para tentar a aprovação da medida.

A iniciativa, inspirada em países com gestão pública qualificada, como o Chile, veio de estudos técnicos financiados pelo grupo, que prefere não revelar o volume de recursos desembolsados no Agenda Brasil do Futuro. Para Klein e outros sete integrantes ouvidos por EXAME, a participação tem sido uma verdadeira aula sobre como são as coisas nas entranhas do Estado brasileiro. “Muitos funcionários públicos são interessados em melhorar o país. Não dá para generalizar e achar que está tudo errado”, diz Klein. 

Em três anos, o grupo já conseguiu algumas vitórias. Em Rondônia, desde o ano passado, o governo estadual adota uma seleção de cargos comissionados desenhados com o apoio dos jovens. A seleção é assim: um site divulga vagas abertas e critérios para ocupá-las. Os interessados passam por testes online e entrevistas com os futuros chefes e por gente graúda de órgãos de controle do Executivo estadual. O intuito é dar lisura a um processo que, antes, só levava em consideração o apadrinhamento do indicado. Por ora, as gerências de dez secretarias e autarquias foram preenchidas dessa forma.

Venezuelanos nos Estados Unidos: a diáspora da elite colaborou para o colapso econômico do país vizinho | Joe Raedle/Getty Images

O perfil dos novos ocupantes é de servidores públicos de baixa patente que, sem as devidas conexões políticas, ficavam no limbo das funções menos nobres da máquina pública. O ânimo e o conhecimento técnico desse pessoal em áreas-chave do governo já desencadearam mudanças positivas de gestão. Na Segurança Pública, o novo ocupante pôs em prática um sistema eletrônico para despacho de documentos em todas as instâncias da pasta. Antigamente, a sanha por carimbos fazia com que simples ofícios internos demorassem uma semana até de fato chegar ao destinatário. Agora, a aprovação dessa burocracia toda costuma ser feita em questão de minutos num software que alerta o gestor público sobre os documentos parados em seu computador — e lhe permite assiná-los por ali mesmo.

Desenhada por funcionários do governo rondoniense, a inovação eliminou o leva e traz de papelada. Foi o suficiente para uma redução de 15% no número de funcionários lotados em tarefas sem ligação direta com a prestação de serviços públicos, a chamada “área meio” no jargão da máquina pública, hoje ainda tocada por 200 servidores ali. Essa melhoria permitiu dedicar mais gente ao combate ao crime, que não dá trégua naquela região do país, uma tradicional rota de tráfico de drogas e armas vindas do Paraguai e da Bolívia. Desde o ano passado, servidores da pasta de Segurança Pública têm coordenado blitz de policiais civis e militares nas rotas da bandidagem — algumas vezes até com drones. “No futuro, todos os cargos públicos, inclusive os comissionados, terão de responder a um critério técnico, não só político, para o governo ser eficiente”, diz o governador de Rondônia, Daniel Pereira (PSB).

Os jovens do Agenda Brasil do Futuro fazem parte de uma tendência mais ampla de engajamento cívico da juventude na América Latina. De acordo com um mapeamento do Instituto Update, organização não governamental que oferece tecnologias para esses movimentos, em 2016 havia 700 organizações de jovens com esse propósito na região, um terço delas no Brasil. Praticamente todas surgiram nesta década, após revoltas populares, como as manifestações de junho de 2013.

O maior acesso à internet teve papel decisivo na proliferação dos movimentos. “Metade dessas organizações usa tecnologias como aplicativos de celular para mobilizar muita gente ao mesmo tempo”, diz a socióloga Beatriz Pedreira, que fundou o Instituto Update depois de estudar movimentos sociais em organizações como a Fundação Brava e o Centro de Liderança Pública. Das múltiplas conexões mantidas pelos jovens saem fenômenos de engajamento, como o Agora!, movimento cívico formado majoritariamente por profissionais liberais, entre eles o apresentador Luciano Huck, interessados em renovar a política e a gestão pública.

Desde que foi ao ar, na metade do ano passado, o site do Agora! já recebeu 7.500 inscrições de gente interessada em atuar no movimento. “Estamos ouvindo o máximo possível de pessoas, seja em faculdades, seja em enquetes pela internet, para montar propostas para os desafios mais urgentes do país”, diz Leandro Machado, um dos fundadores do Agora! Em parceria com outros movimentos cívicos, no mês que vem o Agora! deverá lançar um aplicativo para o eleitor escolher os candidatos com perfil mais alinhado ao seu — mais ou menos como funciona o aplicativo Tinder, de marcação de encontros românticos.

Em grupos mais antigos, a preocupação é treinar os integrantes para fazer bonito nas eleições. É o caso da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (Raps), fundada em 2012 por apoiadores da então senadora Marina Silva à Presidência para formar novas lideranças capazes de ocupar cargos públicos. “Dos nossos 559 membros, cerca de 180 devem ser candidatos neste ano”, diz Mônica Sodré, diretora executiva da Raps.

Porto Velho: o governo de Rondônia adotou critérios técnicos na contratação de servidores para cargos comissionados | Mario Friedlander/Pulsar Imagens

Por ora, os números e as conquistas dos movimentos cívicos alcançam uma ínfima minoria num país com eleitorado — e desafios — tão grande como o Brasil. Mas o engajamento desses grupos serve como um bom começo na luta contra um problemão vivido, em maior ou menor escala, por países de toda a América Latina: a emigração de jovens desiludidos com o rumo da terra natal. Numa pesquisa do instituto Datafolha feita em junho, 62% dos jovens brasileiros ouvidos disseram que sairiam do país se pudessem. Na conta entram a frustração com a corrupção e a escassez de oportunidades.

Essa desilusão generalizada pode provocar efeitos nefastos. A começar pela expansão de grupos de interesse no vácuo de um projeto de poder que, essencialmente, é tocado por uma elite intelectual e empresarial. “O país precisa de uma elite bem formada, com disposição para acompanhar o poder público e que, por definição, não esteja no governo para defendê-lo de interesses corporativistas”, diz o sociólogo Bolívar Lamounier, sócio da consultoria Augurium. “Infelizmente ainda não temos isso no Brasil.”

Num caso extremo, uma diáspora da elite desmonta uma economia, como é o caso da venezuelana: desde 2013 a riqueza no país encolheu 50%, calcula o Fundo Monetário Internacional. Há dez anos havia por lá 800.000 empresas — ao final de 2017, eram só 270.000. Desde 1999, quando começou o governo socialista de Hugo Chávez, mais de 4 milhões de venezuelanos, ou 10% da população, fugiram do país, segundo a consultoria venezuelana Consultores21. Metade deles são jovens de 18 a 34 anos e quase 25% pertencem a uma elite cujos negócios movimentavam a economia local, hoje totalmente dependente do petróleo. Boa parte foi para os Estados Unidos: só em 2017 o país aceitou 60.000 imigrantes da Venezuela, normalmente gente endinheirada disposta a recomeçar a vida com novos negócios. A cidade de Doral, subúrbio de Miami, hoje é conhecida como “Little Venezuela” pela profusão de cafés e restaurantes abertos por recém-chegados.

Os movimentos cívicos, como o Agenda Brasil do Futuro, ainda estão para mostrar a que vieram. Mas só a existência deles já é uma boa notícia diante dos riscos de ter uma juventude desinteressada no futuro do país.

Fonte: Revista Exame

Salário mínimo teria que ser 4 vezes maior para cumprir função, diz Dieese

O salário mínimo “suficiente”, calculado pela Dieese desde 1994, atingiu seu maior valor desde janeiro

São Paulo – Qual seria o valor suficiente “para suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência”?

R$ 3.747,10 em maio, de acordo com um cálculo divulgado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

A estimativa é feita mensalmente desde 1994 e tem como base o valor da cesta básica mais cara, atualmente a de Rio de Janeiro (R$ 446,03), seguida por Florianópolis (R$ 441,62), São Paulo (R$ 441,16) e Porto Alegre (R$ 437,73).

O custo da cesta básica aumentou em 18 das 20 capitais analisadas em maio, com destaque para Campo Grande (5,22%), Florianópolis (3,49%), João Pessoa (3,17%) e Fortaleza (3,12%).

O resultado é que o salário mínimo “suficiente” de maio foi o mais alto desde janeiro (R$ 3.752,65) ainda que siga abaixo do valor calculado em maio do ano passado: R$ 3.869,92.

Novo valor

O salário mínimo “necessário” representa cerca de 3,9 vezes o valor do salário mínimo atualmente em vigor, de 954 reais.

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, afirmou nesta quarta-feira (6), que o governo mantém a projeção para o salário mínimo em 2019 no valor de R$ 1.002.

O esclarecimento foi dado após uma nota técnica da Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional ter indicado um valor de R$ 998.

A fórmula para os aumentos foi estabelecida por lei em 2012, ainda no governo da então presidente Dilma Rousseff, e deve valer até 2019.

Ela determina que o reajuste anual tem como base a soma da variação do INPC (inflação para população de baixa renda) no ano anterior, acrescido da taxa de crescimento real do PIB dois anos antes.

Consequências

Em um vídeo de 2015, o economista Carlos Eduardo Gonçalves fala de possíveis efeitos negativos caso o salário mínimo “suficiente” do Dieese virasse lei:

“O que vai acontecer com a pessoa hoje empregada que ganha um salário baixo? (…) Você acha que elas vão continuar todas empregadas ganhando R$ 3.700 ou elas vão ser mandadas emboras porque a contribuição delas pro produto final da empresa não vale esses R$ 3.700?”.

E veja o valor do salário mínimo real e “necessário” em todos os meses desde 1994:

Salário mínimo nominal Salário mínimo “necessário”
2018
Maio R$ 954,00 R$ 3.747,10
Abril R$ 954,00 R$ 3.696,95
Março R$ 954,00 R$ 3.706,44
Fevereiro R$ 954,00 R$ 3.682,67
Janeiro R$ 954,00 R$ 3.752,65
2017
Dezembro R$ 937,00 R$ 3.585.05
Novembro R$ 937,00 R$ 3.731,39
Outubro R$ 937,00 R$ 3.754,16
Setembro R$ 937,00 R$ 3.668,55
Agosto R$ 937,00 R$ 3.744,83
Julho R$ 937,00 R$ 3.810,36
Junho R$ 937,00 R$ 3.727,19
Maio R$ 937,00 R$ 3.869,92
Abril R$ 937,00 R$ 3.899,66
Março R$ 937,00 R$ 3.673,09
Fevereiro R$ 937,00 R$ 3.658,72
Janeiro R$ 937,00 R$ 3.811,29
2016
Dezembro R$ 880,00 R$ 3.856,23
Novembro R$ 880,00 R$ 3.940,41
Outubro R$ 880,00 R$ 4.016,27
Setembro R$ 880,00 R$ 4.013,08
Agosto R$ 880,00 R$ 3.991,40
Julho R$ 880,00 R$ 3.992,75
Junho R$ 880,00 R$ 3.940,24
Maio R$ 880,00 R$ 3.777,93
Abril R$ 880,00 R$ 3.716,77
Março R$ 880,00 R$ 3.736,26
Fevereiro R$ 880,00 R$ 3.725,01
Janeiro R$ 880,00 R$ 3.795,24
2015
Dezembro R$ 788,00 R$ 3.518,51
Novembro R$ 788,00 R$ 3.399,22
Outubro R$ 788,00 R$ 3.210,28
Setembro R$ 788,00 R$ 3.240,27
Agosto R$ 788,00 R$ 3.258,16
Julho R$ 788,00 R$ 3.325,37
Junho R$ 788,00 R$ 3.299,66
Maio R$ 788,00 R$ 3.377,62
Abril R$ 788,00 R$ 3.251,61
Março R$ 788,00 R$ 3.186,92
Fevereiro R$ 788,00 R$ 3.182,81
Janeiro R$ 788,00 R$ 3.118,62
2014
Dezembro R$ 724,00 R$ 2.975,55
Novembro R$ 724,00 R$ 2.923,22
Outubro R$ 724,00 R$ 2.967,07
Setembro R$ 724,00 R$ 2.862,73
Agosto R$ 724,00 R$ 2.861,55
Julho R$ 724,00 R$ 2.915,07
Junho R$ 724,00 R$ 2.979,25
Maio R$ 724,00 R$ 3.079,31
Abril R$ 724,00 R$ 3.019,07
Março R$ 724,00 R$ 2.992,19
Fevereiro R$ 724,00 R$ 2.778,63
Janeiro R$ 724,00 R$ 2.748,22
2013
Dezembro R$ 678,00 R$ 2.765,44
Novembro R$ 678,00 R$ 2.761,58
Outubro R$ 678,00 R$ 2.729,24
Setembro R$ 678,00 R$ 2.621,70
Agosto R$ 678,00 R$ 2.685,47
Julho R$ 678,00 R$ 2.750,83
Junho R$ 678,00 R$ 2.860,21
Maio R$ 678,00 R$ 2.873,56
Abril R$ 678,00 R$ 2.892,47
Março R$ 678,00 R$ 2.824,92
Fevereiro R$ 678,00 R$ 2.743,69
Janeiro R$ 678,00 R$ 2.674,88
2012
Dezembro R$ 622,00 R$ 2.561,47
Novembro R$ 622,00 R$ 2.514,09
Outubro R$ 622,00 R$ 2.617,33
Setembro R$ 622,00 R$ 2.616,41
Agosto R$ 622,00 R$ 2.589,78
Julho R$ 622,00 R$ 2.519,97
Junho R$ 622,00 R$ 2.416,38
Maio R$ 622,00 R$ 2.383,28
Abril R$ 622,00 R$ 2.329,35
Março R$ 622,00 R$ 2.295,58
Fevereiro R$ 622,00 R$ 2.323,21
Janeiro R$ 622,00 R$ 2.398,82
2011
Dezembro R$ 545,00 R$ 2.329,35
Novembro R$ 545,00 R$ 2.349,26
Outubro R$ 545,00 R$ 2.329,94
Setembro R$ 545,00 R$ 2.285,83
Agosto R$ 545,00 R$ 2.278,77
Julho R$ 545,00 R$ 2.212,66
Junho R$ 545,00 R$ 2.297,51
Maio R$ 545,00 R$ 2.293,31
Abril R$ 545,00 R$ 2.255,84
Março R$ 545,00 R$ 2.247,94
Fevereiro R$ 540,00 R$ 2.194,18
Janeiro R$ 540,00 R$ 2.194,76
2010
Dezembro R$ 510,00 R$ 2.227,53
Novembro R$ 510,00 R$ 2.222,99
Outubro R$ 510,00 R$ 2.132,09
Setembro R$ 510,00 R$ 2.047,58
Agosto R$ 510,00 R$ 2.023,89
Julho R$ 510,00 R$ 2.011,03
Junho R$ 510,00 R$ 2.092,36
Maio R$ 510,00 R$ 2.157,88
Abril R$ 510,00 R$ 2.257,52
Março R$ 510,00 R$ 2.159,65
Fevereiro R$ 510,00 R$ 2.003,30
Janeiro R$ 510,00 R$ 1.987,26
2009
Dezembro R$ 465,00 R$ 1.995,91
Novembro R$ 465,00 R$ 2.139,06
Outubro R$ 465,00 R$ 2.085,89
Setembro R$ 465,00 R$ 2.065,47
Agosto R$ 465,00 R$ 2.005,07
Julho R$ 465,00 R$ 1.994,82
Junho R$ 465,00 R$ 2.046,99
Maio R$ 465,00 R$ 2.045,06
Abril R$ 465,00 R$ 1.972,64
Março R$ 465,00 R$ 2.005,57
Fevereiro R$ 465,00 R$ 2.075,55
Janeiro R$ 415,00 R$ 2.077,15
2008
Dezembro R$ 415,00 R$ 2.141,08
Novembro R$ 415,00 R$ 2.007,84
Outubro R$ 415,00 R$ 2.014,73
Setembro R$ 415,00 R$ 1.971,55
Agosto R$ 415,00 R$ 2.025,99
Julho R$ 415,00 R$ 2.178,30
Junho R$ 415,00 R$ 2.072,70
Maio R$ 415,00 R$ 1.987,51
Abril R$ 415,00 R$ 1.918,12
Março R$ 415,00 R$ 1.881,32
Fevereiro R$ 380,00 R$ 1.900,31
Janeiro R$ 380,00 R$ 1.924,59
2007
Dezembro R$ 380,00 R$ 1.803,11
Novembro R$ 380,00 R$ 1.726,24
Outubro R$ 380,00 R$ 1.797,56
Setembro R$ 380,00 R$ 1.737,16
Agosto R$ 380,00 R$ 1.733,88
Julho R$ 380,00 R$ 1.688,35
Junho R$ 380,00 R$ 1.628,96
Maio R$ 380,00 R$ 1.620,64
Abril R$ 380,00 R$ 1.672,56
Março R$ 350,00 R$ 1.620,89
Fevereiro R$ 350,00 R$ 1.562,25
Janeiro R$ 350,00 R$ 1.565,61
2006
Dezembro R$ 350,00 R$ 1.564,52
Novembro R$ 350,00 R$ 1.613,08
Outubro R$ 350,00 R$ 1.510,00
Setembro R$ 350,00 R$ 1.492,69
Agosto R$ 350,00 R$ 1.442,62
Julho R$ 350,00 R$ 1.436,74
Junho R$ 350,00 R$ 1.447,58
Maio R$ 350,00 R$ 1.503,70
Abril R$ 350,00 R$ 1.536,96
Março R$ 300,00 R$ 1.489,33
Fevereiro R$ 300,00 R$ 1.474,71
Janeiro R$ 300,00 R$ 1.496,56
2005
Dezembro R$ 300,00 R$ 1.607,11
Novembro R$ 300,00 R$ 1.551,41
Outubro R$ 300,00 R$ 1.468,24
Setembro R$ 300,00 R$ 1.458,42
Agosto R$ 300,00 R$ 1.471,18
Julho R$ 300,00 R$ 1.497,23
Junho R$ 300,00 R$ 1.538,56
Maio R$ 300,00 R$ 1.588,80
Abril R$ 260,00 R$ 1.538,64
Março R$ 260,00 R$ 1.477,49
Fevereiro R$ 260,00 R$ 1.474,96
Janeiro R$ 260,00 R$ 1.452,28
2004
Dezembro R$ 260,00 R$ 1.468,08
Novembro R$ 260,00 R$ 1.439,68
Outubro R$ 260,00 R$ 1.510,67
Setembro R$ 260,00 R$ 1.532,18
Agosto R$ 260,00 R$ 1.596,11
Julho R$ 260,00 R$ 1.527,56
Junho R$ 260,00 R$ 1.538,06
Maio R$ 260,00 R$ 1.522,01
Abril R$ 240,00 R$ 1.386,47
Março R$ 240,00 R$ 1.402,63
Fevereiro R$ 240,00 R$ 1.422,46
Janeiro R$ 240,00 R$ 1.445,39
2003
Dezembro R$ 240,00 R$ 1.420,61
Novembro R$ 240,00 R$ 1.408,76
Outubro R$ 240,00 R$ 1.391,37
Setembro R$ 240,00 R$ 1.366,76
Agosto R$ 240,00 R$ 1.359,03
Julho R$ 240,00 R$ 1.396,50
Junho R$ 240,00 R$ 1.421,62
Maio R$ 240,00 R$ 1.478,16
Abril R$ 240,00 R$ 1.557,55
Março R$ 200,00 R$ 1.466,73
Fevereiro R$ 200,00 R$ 1.399,10
Janeiro R$ 200,00 R$ 1.385,91
2002
Dezembro R$ 200,00 R$ 1.378,19
Novembro R$ 200,00 R$ 1.357,43
Outubro R$ 200,00 R$ 1.270,40
Setembro R$ 200,00 R$ 1.247,97
Agosto R$ 200,00 R$ 1.168,92
Julho R$ 200,00 R$ 1.154,63
Junho R$ 200,00 R$ 1.129,18
Maio R$ 200,00 R$ 1.121,53
Abril R$ 200,00 R$ 1.143,29
Março R$ 180,00 R$ 1.091,21
Fevereiro R$ 180,00 R$ 1.084,91
Janeiro R$ 180,00 R$ 1.116,66
2001
Dezembro R$ 180,00 R$ 1.101,54
Novembro R$ 180,00 R$ 1.091,04
Outubro R$ 180,00 R$ 1.081,04
Setembro R$ 180,00 R$ 1.076,84
Agosto R$ 180,00 R$ 1.070,46
Julho R$ 180,00 R$ 1.055,84
Junho R$ 180,00 R$ 1.072,14
Maio R$ 180,00 R$ 1.090,28
Abril R$ 180,00 R$ 1.092,97
Março R$ 151,00 R$ 1.066,68
Fevereiro R$ 151,00 R$ 1.037,02
Janeiro R$ 151,00 R$ 1.036,35
2000
Dezembro R$ 151,00 R$ 1.004,26
Novembro R$ 151,00 R$ 1.021,65
Outubro R$ 151,00 R$ 1.030,05
Setembro R$ 151,00 R$ 1.003,67
Agosto R$ 151,00 R$ 936,01
Julho R$ 151,00 R$ 936,12
Junho R$ 151,00 R$ 919,41
Maio R$ 151,00 R$ 939,06
Abril R$ 151,00 R$ 973,84
Março R$ 136,00 R$ 967,21
Fevereiro R$ 136,00 R$ 930,83
Janeiro R$ 136,00 R$ 942,76
1999
Dezembro R$ 136,00 R$ 940,58
Novembro R$ 136,00 R$ 940,16
Outubro R$ 136,00 R$ 933,44
Setembro R$ 136,00 R$ 908,74
Agosto R$ 136,00 R$ 892,44
Julho R$ 136,00 R$ 870,76
Junho R$ 136,00 R$ 896,22
Maio R$ 136,00 R$ 882,53
Abril R$ 130,00 R$ 878,24
Março R$ 130,00 R$ 892,86
Fevereiro R$ 130,00 R$ 896,81
Janeiro R$ 130,00 R$ 880,93
1998
Dezembro R$ 130,00 R$ 857,66
Novembro R$ 130,00 R$ 854,89
Outubro R$ 130,00 R$ 861,02
Setembro R$ 130,00 R$ 844,55
Agosto R$ 130,00 R$ 852,11
Julho R$ 130,00 R$ 882,78
Junho R$ 130,00 R$ 936,46
Maio R$ 130,00 R$ 942,09
Abril R$ 120,00 R$ 916,30
Março R$ 120,00 R$ 869,76
Fevereiro R$ 120,00 R$ 854,55
Janeiro R$ 120,00 R$ 864,88
1997
Dezembro R$ 120,00 R$ 837,16
Novembro R$ 120,00 R$ 802,13
Outubro R$ 120,00 R$ 789,69
Setembro R$ 120,00 R$ 776,42
Agosto R$ 120,00 R$ 768,36
Julho R$ 120,00 R$ 770,37
Junho R$ 120,00 R$ 790,11
Maio R$ 120,00 R$ 820,86
Abril R$ 112,00 R$ 863,71
Março R$ 112,00 R$ 849,51
Fevereiro R$ 112,00 R$ 787,93
Janeiro R$ 112,00 R$ 774,40
1996
Dezembro R$ 112,00 R$ 778,27
Novembro R$ 112,00 R$ 794,40
Outubro R$ 112,00 R$ 809,44
Setembro R$ 112,00 R$ 814,39
Agosto R$ 112,00 R$ 817,08
Julho R$ 112,00 R$ 823,21
Junho R$ 112,00 R$ 803,28
Maio R$ 112,00 R$ 801,95
Abril R$ 100,00 R$ 775,26
Março R$ 100,00 R$ 764,17
Fevereiro R$ 100,00 R$ 781,85
Janeiro R$ 100,00 R$ 781,35
1995
Dezembro R$ 100,00 R$ 763,09
Novembro R$ 100,00 R$ 742,41
Outubro R$ 100,00 R$ 729,57
Setembro R$ 100,00 R$ 710,89
Agosto R$ 100,00 R$ 723,65
Julho R$ 100,00 R$ 729,99
Junho R$ 100,00 R$ 735,49
Maio R$ 100,00 R$ 773,18
Abril R$ 70,00 R$ 812,78
Março R$ 70,00 R$ 739,24
Fevereiro R$ 70,00 R$ 701,14
Janeiro R$ 70,00 R$ 723,82
1994
Dezembro R$ 70,00 R$ 728,90
Novembro R$ 70,00 R$ 744,25
Outubro R$ 70,00 R$ 740,83
Setembro R$ 70,00 R$ 695,64
Agosto R$ 64,79 R$ 645,53
Julho R$ 64,79 R$ 590,33

Procurando vaga de emprego? Saiba quais setores mais contratam no país

Silhouette of engineer and construction team working safely on scaffolding on high rise building. over blurred background sunset pastel for industry background with Light fair

Essas dicas ajudam a para traçar estratégias para encontrar um posto no mercado de trabalho

Reprodução/Istock

1º setor:  a agropecuária foi o principal destaque, com 104 mil contratações e 75 mil demissões

Reprodução/Istock

REPRODUÇÃO/ISTOCK

Foram geradas 29 mil vagas de empregos no agronegócio. As principais atividades que influenciaram o resultado foram o cultivo de café, especialmente nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo e Bahia.

2º setor: serviços com 527 mil contratações 508 mil demissões

Bruno Pimentel/Metrópoles

BRUNO PIMENTEL/METRÓPOLES

O destaque da geração de vagas em serviços prestados foi para a área da saúde (médicos e dentistas), comércio e administração de imóveis, valores mobiliários e serviço técnicos de ensino e transporte.

3º setor: construção civil com 118 mil contratações e 115 mil demissões, lentamente o mercado de trabalho começa a mostrar crescimento

Reprodução/Istock

REPRODUÇÃO/ISTOCK

As principais classes de atividade que influenciaram o resultado do setor foram a construção de rodovias e ferrovias, especialmente nos estados do Ceará e de Minas Gerais.

A construção de edifícios em Minas Gerais e no Paraná e as obras de urbanização (ruas, praças e calçadas), principalmente em São Paulo e Goiás, também contribuíram.

Fonte: Metropolis

Já pensou em estagiar em Dubai? Programa recruta recém-formados

DUBAI, UAE - JANUARY 20: Burj Al Arab hotel on January 20, 2011 in Dubai, UAE. Burj Al Arab is a luxury 5 star hotel built on an artificial island in front of Jumeirah beach

Podem se candidatar profissionais com até três anos de experiência e proficiência em inglês. Inscrições até 30 de junho

iStock

Como funciona?
A iniciativa combina aulas à experiência profissional internacional. Os alunos passam por um treinamento em gestão, desenvolvendo capacidades analíticas e de liderança. As aulas são ministradas por parceiros educacionais do programa – a Bon Education, a Capadev e a PwC. Inicialmente, constarão as seguintes matérias: análise financeira, design thinking e inovação.

Inscrições
Profissionais com até três anos de experiência e proficiência em inglês podem se candidatar. Os interessados devem enviar currículo em inglês e um texto que justifique o interesse pelo programa e, sobretudo, pelos Emirados Árabes Unidos.

Além disso, deve ser enviado um vídeo de até 90 segundos no qual o candidato explana o motivo pelo qual se encaixa no ambiente de aprendizado do Dubai Business Associates Programme e suas responsabilidades.

As candidaturas devem ser enviadas para o endereço de e-mail do recrutador: recruitment@dubaibusinessassociates.ae, até 30 de junho.

Fonte: Metropolis

Bradesco lança conta corrente gratuita no Next

Bradesco lança conta corrente gratuita no Next

Antes, o modelo de negócios do banco digital do Bradesco considerava uma taxa mensal por serviços prestados que ia de R$ 9,95 a R$ 29,95. No entanto, conforme antecipou o vice-presidente do Bradesco, Mauricio Minas, em entrevista recente ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, a instituição revisitou sua estratégia em relação ao Next ao identificar a mudança do mercado nos últimos dois anos, com novos entrantes oferecendo opções gratuitas. Isso porque, conforme ele, boa parte da não conversão de clientes no banco digital ocorria justamente quando o cliente descobria que tinha de pagar para usar os serviços da plataforma. Um dos exemplos é o próprio Nubank que lançou a sua conta corrente gratuita no mesmo mês em que o Bradesco colocou o Next oficialmente na rua.

Desde o lançamento do banco digital do Bradesco, em outubro do ano passado, já foram feitos 1 milhão de downloads do seu aplicativo. Do total, mais de 350 mil usuários abriram uma conta no Next. Com o lançamento do plano gratuito, o Bradesco espera que a taxa de conversão dos usuários que baixam o aplicativo do Next e dos que realmente abrem uma conta no banco digital aumente.

Na mira do Bradesco estão, principalmente, os millennials, também conhecidos como geração Y. Tanto é que, na versão gratuita, o Next também concederá condições exclusivas para universitários. Além de linha de crédito disponível, haverá ainda um pacote de benefícios que inclui descontos em instituições de ensino, cursos de idioma e aplicativos de transporte. O programa de descontos do Next contempla hoje mais de 40 parceiros como Cinemark, 99, Uber, Airbnb, Hotel Urbano, Livraria Cultura, Natura e Cuponeria.

Diferente de seus concorrentes, o Bradesco apostou no Next, um banco digital segregado do internet e mobile banking tradicionais da instituição, em uma tentativa de atrair os novos consumidores e ultrapassar a sua própria fronteira em termos de clientes, agregando novos usuários à plataforma. Após dois anos de desenvolvimento e investimento de milhões de reais, o banco busca atrair esse público com a proposta de um ambiente diferente dos bancos tradicionais. O foco do Next é ser um ‘hub’ de serviços financeiros, baseado nas ‘jornadas’ de cada usuário por meio de algoritmos que entendem essas necessidades.

Fonte: Estadão

Clínica Oftalmológica ‘Sua Clínica’ é inaugurada em Sobradinho

Uma unidade da “Sua Clínica”, especialista em oftalmologia, foi inaugurada nesta segunda-feira (05/02) na cidade de Sobradinho. É a primeira unidade da rede no Distrito Federal e a previsão é que no próximo mês seja inaugurada a clínica de Ceilândia. Até o final deste ano, as cidades de Formosa, Luziânia, Paranoá e Planaltina também ganharão uma unidade da clínica oftalmológica.A Sua Clínica vem oferecer a população de Sobradinho e região serviços oftalmológicos especializados tanto em diagnósticos quanto em tratamento.

Berger Forte e Augusto Dantas, responsáveis pela Rede Sua, contam que a ‘Sua Clínica’ surgiu no Estado do Rio Grande do Norte, fruto do desejo de atender a população, proporcionando um tratamento mais rápido e com um custo menor, pois o paciente com problemas de glaucoma e catarata, por exemplo, se não tratado a tempo pode chegar a cegueira.

“Marcar uma consulta médica na rede pública de saúde nunca foi fácil, mas tem se tornado cada dia mais difícil. Nos consultórios médicos, o tempo de espera também tem complicado a vida de muitos pacientes. Visando oferecer um atendimento diferenciado e especial, com qualidade e sem muito tempo de espera, é que surgiu a Sua Clínica”, explica Berger.

As consultas na nova unidade podem ser agendadas pelo WhatsApp (11 95.932.2505) ou pessoalmente na unidade de atendimento, em Sobradinho, na Quadra 8 Bloco 11. “O melhor é que o atendimento é diferenciado, com qualidade e o preço bastante popular”, frisou Berger.

Com ótima infraestrutura e excelente equipe médica de oftalmologia, a ‘Sua Clínica’ atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. E, com objetivo de tornar acessível o atendimento a toda população, a clínica também fará atendimento aos sábados de 8h às 12h.

Rede Sua – A Rede Sua foi criada pensando em oferecer atendimento personalizado, diferenciado e eficiente, a um custo bastante popular. Por isso os idealizadores fazem parte de um grupo de profissionais médicos, administradores e publicitários.

Segundo Berger, o objetivo é oferecer uma clínica que atenda a população através de consultas e exames de forma rápida, eficiente e personalizada. “Quando abrimos uma unidade, nossos franqueados contam com total apoio e infraestrutura, desde a reforma e padronização do espaço, com arquitetos, advogados, contadores, publicitários, administradores e médicos competentes”.

Rede Sua possui sete clínicas em diversas cidades do Nordeste: Mossoró (RN), Parnamirim (RN), Caicó (RN) e Natal (RN) nos bairros Alecrim, Planalto e Centro, além do município de Sobral (CE).

Para obter mais informações basta acessar o site www.suaclinica.com.br.

Consultas – É importante lembrar que todas as marcações de consultas são feitas através do Whatsapp (11 9 5932 2505), uma forma inovadora e eficiente da SUA CLÍNICA atender seus pacientes.

 

Fonte: Regina Amaral